20/08/2012
Nós somos sequências e consequências

Antigamente pouco se ingeria remédios. Às vezes apenas uma aspirina, mas, agora o assunto entre os de mais idade é sobre os medicamentos que ingerem e eles não mais curam, apenas, controlam a doença até a morte. Todos eles estão dependentes da medicina interligada com as indústrias farmacêuticas que faturam bilhões aos olhos da OMS (Organização Mundial da Saúde). Remédios que curam parecem ser proibidos. Parece mesmo que o manter das doenças se tornou um grande negócio.

Atualmente sabemos de muitas pessoas que estão esquecidas. Querem conversar, mas os fatos ou nomes que querem falar lhes fogem do pensamento. Logo, não poucas pessoas ficam sofrendo de Alzheimer, ou, Mal de Parkson. Que está acontecendo? Estamos sendo envenenados pela alimentação? Podem ser pelos efeitos colaterais dos remédios? Seria pelo bombardeio diário das informações veiculadas pela mídia? Então, o homem já foi até a lua, agora estuda o planeta Marte, mas, não consegue ou não quer se libertar das doenças que lhe afeta e elas cada vez mais estão se diversificando.

Antes os hospitais eram para salvar vidas. Hoje, as intervenções cirúrgicas com sucesso podem ser revertidas pelas infecções hospitalares e por causa delas muitos morrem aonde vão para se salvar. Que paradoxo, não?

Quando num programa de televisão se anuncia os milagres de frutas ou de horticultura, muitos, obedientes a ela como são logo estão a consumir o que foi anunciado como bom para a saúde e até para curas. Belas nutricionistas, ainda jovens demais para saber dessas verdades, elas, destacam o benefício dos alimentos que anunciam. Sim, são sábias dos benefícios, mas, apenas, conforme, foram instruídas sobre eles e intelectualmente. Na prática do dia a dia será que elas comprovaram o que elas promovem como salutar? Por que nada elas falam dos insumos agrícolas que, sabe-se, prejudicam a saúde? Lembrando, muitos homens se dedicaram a consumir tomate para se prevenir contra o câncer de próstata, pois, especialistas do imediatismo alardearam tal produto como eficaz. Entretanto, outros vêm para desmentir tudo. E o povo vai pra cá vai pra lá sem saber aonde vai. Tragicômico não? Hoje temos muitas crias do sistema vigente para provocar confusões ou indecisões nas cabeças das pessoas.

Todos querem escapar da morte. Ela parece cruel para quem morre, mas, queiram ou não, isso é um benefício para a humanidade. Se todos prolongassem suas vidas isso seria um caos. Como é às vezes é divulgado pela mídia, milhões ou bilhões de pessoas neste planeta estão passando fome. O prolongamento da vida dos seres humanos produziria complicações incalculáveis como, falta de alimentos, água, falta de espaço e etc. Conscientes disso o não querer morrer não seria egoísmo? Cientificamente dizem os entendidos que nós nascemos com os chamados “gerontogenes” que tem a função de determinar a morte de nossas células e isso nos leva para a senescência que é o processo natural do envelhecimento e a seguir... Portanto, nascemos programados para morrer e se assim é, não adianta se lastimar.

A morte é uma consequência natural da vida e em vida, enquanto a morte não nos perturba, somos ínfimas partes do universo a ter consciência temporária no período de nossa existência. E nela, na consciência somos perceptivos de nossos sentimentos. São emoções que se manifestam como sendo o amor, a alegria e a tristeza sempre presentes em nossas vidas. Premiados nós somos por termos mente. Ela nos presenteia com o principal atributo humano: A razão! Estaria ela a ter domínio sobre nossos instintos e emoções, entretanto, ainda, mais obedecemos aos instintos e as emoções. A mente, mais a deixamos no conforto das repetições diárias e nessa restrição de sua expansão nós nos igualamos e não nos diferenciamos dos demais. Sim, somos igualados nas aflições oriundas das contingências da vida. Sofremos e choramos na impotência que somos para evitarmos que nossos entes queridos nos deixem. Eles nos deixam um vazio difícil de exteriorizá-lo com palavras. Ficam-nos interiormente como sendo cicatrizes com as quais temos que conviver. Quando foram presenças, distraídos como somos parece que nossas estimas e considerações por eles foram inferiores ao que eles mereciam. Esse pensar do depois não é incomum entre pessoas que perdem os seus amados e o depois nunca modifica o antes.

Nós somos como sendo trevas durante a claridade. Ignoramos o que nos possa ocorrer de bom ou ruim. Sempre estamos sujeitos ao inesperado. Também, agimos ou reagimos conforme a influência de estímulos interiores ou exteriores. Estes ditam nosso modo de ser e de proceder diante dos outros. Como tudo existente nos são perceptíveis porque são vibrações, às vezes as vindas de um ser humano podem, interiormente, nos provocar uma reação adversa, antipatizante, mesmo, sem termos um motivo aparente para tal reação antagônica. De ser humano para ser humano isso às vezes ocorre e nós nos percebemos sentindo antagonismo contra alguém. Nisso se denota a nossa impotência para inverter esse efeito maligno no momento. Nós somos cativos inconscientes de nossa própria constituição corpórea e psíquica cujas reações internas obedecem a impulsos que são ocultos para nós. Nós, mais somos as reações que as circunstâncias costumam provocar.

Os seres humanos são expectadores de si mesmos no desenrolar de suas vidas dirigidas pelas atuações internas, àquelas que estimulam seus modos de ser sem eles perceberem, conforme já relatado. Sim, o meio onde vivem também tem a força de moldá-los significando seus condicionamentos que podem ser bons ou péssimos. Suas responsabilidades também lhes moldam bem como, a sociedade. Além de tudo isso, os seres humanos são instituídos com seus atavismos. Eles são a hereditariedade de seus avôs e de seus pais. Podem ter traços de caráter já tidos como desaparecidos e reaparecidos, sendo então, seus atavismos. Os genes paternos ao serem transferidos aos filhos quase sempre lhes trazem as tendências das mesmas doenças dos pais e mesmo dos avôs se eles as tiveram.

No vigor das suas vidas os seres humanos são submetidos ao que lhes impõe seus hormônios, aqueles diretores dos instintos. Nessa fase de vigor os homens e as mulheres se acasalam numa volúpia pensada ser proveniente de suas próprias vontades. Engano! É a natureza com suas artimanhas provocando a continuidade da espécie humana através das substâncias químicas internamente possuídas por todos. Quem já viu uma gata no cio se contorcendo querendo atender às exigências dessas substâncias químicas, ou hormônios, sabe desse poder intrínseco nos animais como também animais somos nós. Por isso, sem perceber, mais o homem atende aos seus impulsos ou instintos e menos à sua vontade. A criatura humana é marionete ou fantoche de si mesma. Entretanto, o homem em si mesmo é um si misturado, um agregado e não original, individual ou particular de seu nascimento.

Diante dessa explanação sobre como o ser humano pode ser a servidão para comandos provenientes das tendências herdadas e condicionadas nele, pergunta-se: Sozinho ele é responsável pelos seus atos quando eles possam afetar outros? Se ele é um derivado e não uma constituição própria, quando comete um erro grave, coitado, tem que arcar sozinho com as conseqüências como se ele fosse uno em sua formação e não é. Isso é uma das desilusões da vida, talvez, até uma injustiça pra quem quer entender assim. E o viver parece estar sempre aconselhando “seja inconsciente, seja inconsciente, seja ignorante, pois, assim sendo tuas perturbações desaparecerão”. Já disseram mesmo que não existem seres adultos e sim crianças grandes. Verdade! Eles vivem por viver sem querer saber da vida e como ela é.

No início, este texto esteve a discorrer sobre alimentos, doenças, remédios, morte e depois para algumas reflexões sobre a vida. O aqui exposto pode ser passível de contestação, porque, pareceu ter sido pessimista com relação à nossa existência. A intenção principal foi tentar explicar como sendo alheias a nós, as tendências e influências a que estamos expostos. Portanto, nada do lado bom da vida esteve inscrito neste texto porque seria outro foco sobre ela e oposto.

 

Altino Olympio

Comentários:

 

Este jornal tem temas diversificados que me agradam.
Gostei da frase "Nós somos cativos inconscientes de nossa própria constituição corpórea e psíquica cujas reações internas obedecem a impulsos que são ocultos para nós. Nós, mais somos as reações que as circunstâncias costumam provocar".  
Onde concordo plenamente. Quantas vezes somos forçados a agir de determinada maneira devido às circunstâncias externas! Quantas vezes somos obrigados a tomar decisões e atitudes unicamente por influência de certas situações!
Somos mesmo fantoches de nós mesmos. Na juventude impulsionados por heranças genéticas, hormônios e meio social. Na idade adulta por força das circuntâncias. Em resumo somo escravos atados por nossas próprias correntes ou da Criação.
Mas será que daria para ser de outra forma? Não seria um caos todo mundo agindo por vontade própria?
Convém reler e pensar mais sobre o tema. Tema complexo e muito reflexivo.
Eu sempre gosto destes textos. Eles me despertam pra coisas que quase nem penso!!!
Abraços. Fátima Chiati

**************************************

 

 



Leia outras matérias desta seção
 » Regressão ao paraíso perdido
 » A vida é enfadonha
 » Humanidade muito evoluída
 » Todos dormem acordados
 » O homem sem saída de suas limitações
 » O Google te conta tudo
 » Tentando compreender o incompreensível
 » Mistério insolúvel
 » Os dias tem seus donos
 » A bagunça criada pela mídia e pela internet
 » Sacanagem esportiva
 » A guerra invisível
 » Sanidade prejudicada pela tecnologia
 » Desfez-se da sogra e ninguém se preocupou
 » Os brasileiros sempre foram bondosos
 » Antigamente o absurdo era inconcebível
 » Fim de domingo
 » Mas que falta de consideração
 » Nada como poder falar e aparecer
 » Minhas andanças por ai
 » Agora temos contatos, mas não com tatos
 » Quem sabe, sabe e conhece bem
 » A enganação parece eterna
 » A grande fraternidade branca
 » Os dias que sempre nos esperam
 » Frases ou lembranças que me chegam
 » O paraíso perdido
 » Penso, logo existo. jargão antigo
 » Os ladrões do tempo
 » A sacanagem não muda
 » Para os que não pensam pensarem
 » Não é tudo que o tempo modifica
 » O braço direito do homem
 » O inexplicável sentido da vida
 » Tempos e contratempos
 » Raciocinar cansa muito
 » Se formos o que pensamos...
 » As lendas sobre o homem do passado
 » Puxão de orelha
 » O homem, suas ilusões e fantasias
 » Costumes sagrados interrompidos
 » O túnel do tempo
 » Mas que vida engraçada
 » Cada dia uma para encher o saco
 » Durante a pandemia a ociosidade faz pensar
 » Somos prisioneiros do tempo
 » Achismos incoerentes
 » Governador de São Paulo e a China
 » A mulher muito bonita
 » O desabafo da amiga
 » Quem procura encontra?.
 » Sabedoria popular
 » Flor que não se cheira
 » O que é a Quaresma
 » O tempo passa e nada muda
 » O futuro do passado
 » Música La Paloma e sua tristeza
 » Carnaval e mulheres bonitas
 » A missão na Vida
 » A incógnita continua
 » A reencarnação
 » Recordar é reviver
 » O melhor amigo vai chegar
 » Coisas da vida
 » A raça preferida
 » Detector de mentiras mundial
 » Espetáculo inesquecível
 » Os bons princípios dos velhos anos novos
 » O Marcolino
 » Que tal o Natal de agora?
 » Nenhuma praça havia
 » Somos o que pensamos?
 » Se não fosse os outros...
 » Fluxo de sensibilidade
 » Será que a vida é uma ilusão?
 » A marca da besta
 » Convém não pensar
 » Adeus dia de Finados
 » Conversa ocasional
 » Por que viemos ao mundo?
 » O passado convive com o presente
 » Os traídos e os traidores
 » Os exagerados do Youtube
 » Os que não sabem são os que mais sabem
 » Brasil, fonte do saber
 » Seres humanos que muito irritam
 » A Torre de Babel brasileira
 » Pegando pesado
 » Pensamentos lúcidos
 » O diálogo entre um Ateu e um Espírita
 » O gostar de alguém sem o alguém saber
 » Má temática da vida
 » Avenida Paulista amarelada
 » Tempo e a submissão a ele
 » Os simples e os gênios da humanidade
 » História apavorante
 » É proibido e pecado se suicidar
 » O castigo existe?
 » As noites são das lembranças
 » Homem, o dominador
 » A moda rasgada  
 » Agora as ruas são desertas de crianças
 » Sepultados no mar
 » A personalidade
 » A biblioteca do orgulho
 » Será que somos insignificâncias neste mundo?
 » O povo sempre é e sempre será o povo
 » O inevitável incômodo da vida
 » O se desconhecer
 » O desamparo nunca é citado
 » Profissões supérfluas rendem mais
 » Brasil a deriva
 » Somos todos irmãos, mas, nem tanto assim
 » Poluição mental
 » O Psiquiatra esquartejador
 » “Formigação” indesejável
 » Somos prisioneiros do tempo
 » O império da sexualidade
 » Rio assassinado e garoto acidentado
 » O universo mental de cada um 
 » O homem que lê vale mais?
 » Futuro interrompido
 » Um padre na escuridão
 » Madrugada sem solidão
 » A história de quem fez história
 » Jovens e velhos e suas diferenças
 » A santa ingenuidade
 » Saudades do raciocínio
 » Não existem coincidências?
 » O destino oculto das nossas vidas
 » Quando se sabe que nada se sabe
 » Desperdiçar o tempo
 » Os inconvenientes de sempre
 » Quando o paraíso existe
 » O aumento que diminui a moral
 » A vida no tempo e vice-versa
 » Por onde anda a decência dos políticos?
 » Trapistas, os monges do silêncio
 » Liberdade, Igualdade e Fraternidade
 » Eleição divertida
 » O Brasil é um país sério
 » Que Brasil você quer ?
 » Os políticos desprivilegiados
 » Barrigas perigosas
 » Somos prisioneiros mentais
 » Certezas e dúvidas
 » A inesperada e indesejada
 » A consciência viajante
 » Opiniões, comparações e contradições
 » Como se escolhe o melhor presidente
 » Os sonhos e os espíritos
 » Pressão arterial panaceia
 » Tonterias sérias
 » O panteísmo de Espinoza
 » A distância é como o vento
 » Estatina a Companheira indesejável
 » Viver mil vidas numa só vida
 » O menino e a chuva de pedra
 » Zumbido nos ouvidos
 » Mundo conturbado pelos que não evoluíram
 » Desinformação e distorção da verdade
 » Chegando ao começo do fim da vida
 » Nada de novo sob o sol
 » Quando havia fascinação
 » Nossos heróis morreram e outros não nasceram
 » Quem é você leitor?
 » Clube da Terceira Idade de Caieiras
 » Comparação decepcionante
 » Passeio do viver interior
 » Entrada provisória e saída temporária
 » A redundância só irrita
 » Cinemas antigos:Aquele mundo romântico acabou
 » Como era verde o meu vale
 » O viver é a viagem para o morrer
 » Percepção extrassensorial ou sexto sentido
 » Os acasos são os casos inesperados
 » A proteção desprotegida
 » Cinema paradiso de Caieiras
 » Os pagadores de promessas
 » Constatações
 » Vende-se uma cama de prego usada
 » Quem é o que é sempre será o que é
 » As amigas intolerantes
 » A medicina comestível
 » A vida e o mundo são apenas sonhos de aventuras
 » Coisas de País de primeiro mundo
 » A vida é engraçada quando não é trágica
 » Pra que falar se ninguém quer escutar
 » Conflito com as ilusões
 » Quanto mais se vive menos se aprende
 » A eterna desigualdade humana
 » Somos conforme são os nossos pensamentos
 » America latrina em destaque
 » Prá onde foi morar a moral?
 » O detestável adorado pela mídia
 » Os comuns e os incomuns do pote de ouro
 » Desejos que só ficam nos desejos
 » Entrevista com o Filósofo (Altino Olympio)
 » O início da fila que ninguém quer ver
 » O despertar para as realidades
 » Músicas maravilhosas
 » Nosso personagem interior
 » Nós, os Adãos de todos os tempos
 » Brincando com a vida
 » O pesadelo terminou num sonho bom
 » Moda que incomoda
 » Mundo perverso
 » Salto para a vida
 » O melhor programa de televisão
 » Foram bilhões que desapareceram antes
 » A reputação morreu
 » O prevalecer dos enigmas
 » Essas crianças grandes...
 » Dia dos mortos alegre para os vivos
 » Os Anjos da Guarda
 » Neste mundo tem gosto pra tudo
 » Morrer e renascer
 » Vivências inquietantes
 » A ciência e a inconsistência
 » Reencontros parentescos
 » Dispensar pensamentos
 » O mundo e a humanidade
 » O desprendido
 » As primas Meneghini Olimpio
 » Em tempo o reconhecimento
 » O passado “vive” no presente
 » Parque da Àgua Branca
 » A vida como ela é e não é
 » Mundos em crise
 » A droga da felicidade
 » Brasileiro é tão bonzinho
 » Mundos opostos
 » Os príncipes desencantados
 » O homem e suas limitações
 » Deus nos livre dos parentes
 » A Banda da ilusão
 » As noites dos ricos
 » Cocheira e política
 » Reencarnação seletiva
 » O homem e a sua razão
 » A morte nunca se aposenta
 » A solidão bem vinda
 » Transformações psicológicas
 » Palanques das ilusões
 » Brasileiro desiludido
 » Em Brasília vivem os donos do Brasil
 » Fraqueza mental humana
 » Minha amiga nostálgica
 » Todos ficam presos na rede
 » Quem ensina pratica o que ensina?
 » A praça, o banco e a pomba
 » Até a Eternidade
 » O teatro da vida
 » Inteligência ignorante
 » Espiritualidade e fidelidade
 » Ateus e não ateus
 » A realidade de cada um
 » Enquanto se existe
 » A memória amiga ou bandida
 » 100 anos da Igreja do Rosário
 » A Vila Leão história agora
 » Destruidores de políticos em ascensão
 » O paraíso perdido
 » O Brasil exemplo
 » Políticos desalmados
 » Os inimigos da inteligência
 » Mentes perturbadas
 » Saudades dos bailes de outrora
 » A tapeação da vida
 » Silvia Brondy a Professora inesquecível
 » O odiado Donald Trump
 » Meditação
 » O extraterrestre
 » Tentações religiosas
 » O Cemitério da Cerâmica
 » O último prazer da vida
 » Cine Marajá e suas lembranças
 » A estupidez está na moda
 » A vida é um bem perecível
 » A Rua da Pensão e a “venda” de antes do armazém
 » Sensações
 » Baltazar do Corintians
 » Confronto com a realidade
 » O médico nazista também viveu no paraíso
 » Melhor é olhar para as nuvens
 » A vida é como um longo sonho que tem fim
 » Viver é...
 » Masturbação pecadora
 » O poeta e o senador
 » Olimpíada prostituta
 » Mulheres mostrando seus bastidores
 » Criança lembrança
 » Pandemônio
 » Nascer sem perceber e sem pedir
 » O viver dos indiferentes parece ser melhor
 » Tenha uma conversa inteligente
 » O melhor conselho
 » Ali Babá era mais modesto
 » Rastros do tempo
 » A alma humana
 » Coitado do povo
 » A solidão te pegou e não te deixa
 » Procura-se a felicidade, viva ou morta.
 » Tardes de Lindóia
 » Lugar e gente da minha memória
 » Era bem divertido
 » A centenária substituição populacional
 » Você apareceu na televisão ?
 » Tudo culpa do lança perfume
 » Futebol com melancia
 » Catar pinhão
 » Uma história de amor
 » Mistérios insolúveis
 » Apartamentos do se apartar
 » Dois homens diferentes, completamente
 » Amor aos ideais contrários
 » Passar a saliva funcionava
 » A desonestidade nacional
 » A mulher do Chiquinho
 » Somos o que não somos
 » Cuidado com os papagaios sem penas
 » Leva-me para viajar
 » Um dos meus monólogos
 » A Torre de Babel da política
 » Apegos
 » O homem teórico
 » O beco sem saída
 » Nada se sustenta
 » Você também já passou...
 » A fascinação Facebook
 » Meus pensamentos desconexos
 » É bom se lembrar dos tempos de rapaz
 » Estamos cheios do vazio dos outros
 » Brasil embargado
 » Saudades da natureza
 » Gente se queixando da idade
 » Carnaval e política para quem merece
 » A alma sob dúvida
 » Pensar pode, falar não
 » E tudo passa, tudo passará...
 » Desejos, apenas desejos de desejos
 » Se todos fossem índio por um dia
 » Infância, juventude, maturidade e velhice
 » A dança da vida
 » Amoras pisadas
 » Brasileiro nunca mente
 » Impróprio para simplórios
 » Entrevista com a Situação
 » Os pardais e o povo
 » O baile dos arrependidos
 » Saudades da bananeira
 » Sabonete para almas sujas
 » O futuro é reviver o passado
 » Benzedor do terror
 » Infância é passado na lembrança
 » Reflexões delirantes
 » Sócrates, alma, Imortalidade...
 » A perfeição da imperfeição humana
 » E-mails constrangedores
 » Kit Gay e a Escola de estímulo sexual
 » Torresmo Atômico
 » Supositório na cabeça ?
 » Você não é você
 » Essas criaturas confusas...
 » As mulheres dando a volta por cima
 » O estado de espírito
 » Até a eternidade
 » Pouco caso e muitos acasos
 » Fim da tarde
 » A ponte do encantamento
 » Passeata invisível
 » "Dez armamentos” só para bandidos
 » Obras do Metrô supervisionada do além
 » Brasil campeão da miscigenação
 » Frases da atualidade
 » Fuga para o passado
 » Deboche da vida
 » Bronca da amiga
 » Reflexões indesejadas
 » Filosofadas dos filósofos
 » Ainda é tempo de templo
 » Projeção astral
 » O Deus que te abençoe
 » Certezas nas incertezas
 » A vida e a morte sempre se encontram
 » Velórios e sepultamentos antigos
 » Crianças “descriançadas”
 » Não julgueis para não seres julgado
 » Tempos de indiferença
 » Orar ou rezar para se proteger
 » Nossos sonhos
 » A santa FIFA
 » A tua estrada
 » Esses homens maravilhosos com suas mentes voadoras
 » Evoluções do século vinte e um
 » Viver e morrer
 » Degraus da evolução
 » Friedrich Nietzsche “era o cara”
 » O passado é mais presente
 » As arrueiras de Caieiras
 » Brasileiro é tão bonzinho.....
 » Copa do Papa
 » Para pensar....
 » Por que será que a morte mais procura os inocentes?
 » Ajuizado contra juizes
 » Mídia mentirosa
 » Mantra Sagrado
 » O nudismo revela o que a roupa engana
 » Paraíso perdido
 » Objetividade morta
 » Ácido no Paraíso
 » Constatações
 » É só barulho
 » Universidade gratuita
 » Comprovação da evolução brasileira
 » A grande farra
 » Brasil desbrasilizado
 » Morri sem saber
 » Translado ao passado ou a Maquininha
 » Curas medicinais ou espirituais
 » É só alegria
 » A profundidade de Krishnamurti.
 » Somos mais não ser do que ser
 » O Povo mais feliz do mundo
 » A Vida e a Imitação
 » Adão com Adão e Eva já era
 » Seria assim na intimidade
 » Apenas mais um político “exemplar” para ser reeleito
 » Passeatas
 » O DEUS na visão de Spinoza
 » Quem você pensa que é e não é
 » A inteligência está com Alzheimer
 » Estar ou não estar onde se está
 » Os mais de cinquenta
 » Vida indefinida
 » Santo Daime
 » Essas crianças grandes
 » Futebol é a verdadeira vida
 » Acorda Brasil
 » Saber ou não saber viver
 » Foram sonhos da juventude
 » O amor intenso enfraquece
 » O Buda
 » Nós somos sequências e consequências
 » Povo despovado
 » Lamúrias
 » A vida existe para a morte
 » Conclusões idosas
 » Pão do céu
 » Mistura de espíritos
 » Pobres e ricos
 » Falam sem saber
 » A mente é tudo
 » O homem escravo de si mesmo
 » Verborragia
 » Coitado do Valdomiro
 » Perguntar já era...
 » Rancho do clube da cachaça
 » Envelhecer é ficar insuportável
 » A evolução humana
 » Os desinformados se formam
 » Gato pistoludo
 » Gente que só irrita
 » Persistência do nada saber
 » Padre Marcelo e o "desagato"
 » Setembro negro
 » Mudanças
 » Terra de igualdade
 » Mentiras triunfantes
 » O tempo sempre desmente
 » Importancia nula
 » Por fogo na brasa
 » A morte
 » Tempos modernos
 » Proteção incontestável
 » Estar na moda incomoda
 » Jardim da infância para adultos
 » Passado, presente e futuro
 » O desumanizar
 » China show
 » Homens dedicados e delicados
 » Tema insuportável
 » Os velhos sabiam
 » Boiadagem
 » Que? Não te entendo
 » Preferências
 » Instinto institucional
 » Ficção equina
 » Presentes, mas, ausentes
 » Espiritualidade
 » Mundo superlotado
 » Nadar e morrer na praia
 » A sub raça
 » Autotraição
 » Mentiras são verdades
 » Liberdade prisioneira
 » Amizade ou tolerância ?
 » Adeus as ilusões
 » Mensagem entre amigos
 » A vida
 » Acontecia nos bailes
 » Onde estão as crianças?
 » Quem sou eu?
 » O Papa adormecido
 » Demonios no santuário
 » Deslumbramento fatal
 » Tempo perdido
 » Desconfortos
 » Nós, os clones
 » A grande verdade
 » Salto para a vida
 » Cabeça podre
 » Somos estranhos
 » Iguais até o fim
 » Resposta a um amigo
 » Vamos ao circo
 » Discórdia familiar
 » Preocupação com o clima
 » Há controvérsias
 » Comentários
 » Suplício oculto
 » Calamidade
 » Campo de concentração
 » Melhor idade
 » Natureza quieta
 » Homens malditos
 » Ter que viver
 » Roubo divino
 » Nem santo salva
 » Mundo podre
 » Tormento decisivo
 » Escrito para nós
 » Crônica desagradável
 » Amor tem prazo
 » Somos isolados
 » Inimigos amigos
 » Glória, amiga virtual
 » Falência Humana
 » Contatos imediatos com o além
 » Discipulado difícil
 » Só vendo o dia passar
 » Pelos poderes do filósofo
 » Gente sem palavra
 » Não Fale Mal
 » Quando a Casa Cai
 » Futuro Ausente
 » Encontros Sendo Desencontros
 » Ninguém é Ninguém
 » Mundo Maravilhoso
 » Anonimato
 » Tudo é Modelo de Indústria
 » É Assim Mesmo!
 » Acautelem-se
 » Consciências Caóticas
 » Mundo Irracional
 » IV Pensamento...
 » Chega, Cale a Boca!
 » Dois Pensamentos
 » Alma e Conseqüências
 » Alma Ainda é História
 » Anseio Inútil
 » Pensamento
 » Apetite Insaciável
 » Existirão Controvérsias?
 » DEVANEIO
 » SOCORRO!
 » Cotidiano ao Avesso
 » Poucas Opções
 » Todo Mundo na Lona
 » Os OlÍmpios inventaram as Olimpíadas
 » Enganação
 » Pistola divina
 » Chupeta mística
 » Filantropia ao máximo
 » Os Protegidos
 » A Psique Em Evidência
 » Nada saber é o nosso saber "To be or not To be"
 » Confúcio confundido
 » Dependências
 » A verdade desilude
 » Sonhar acordado
 » Ser sucinto
 » Apartar-se
 » Fim do mundo
 » Invasões estabelecidas
 » The End
 » O Pensador
 » Contra Corrente
 » Pequenos momentos
 » Somos Exemplos
 » Identificações
 » Pesadelo
 » Espiritualidade
 » Somos Até Não Sermos
 » Amores e Amoras
 » Como Ser Livre?
 » Brincando Com Brincadeiras
 » Fazendo Mais Amigos
 » Conquistando Amigos
 » Inferno Próprio
 » Modos de Viver
 » Eu também existi
 » Dando Asas à Imaginação
 » Relembrando e Revivendo
 » Situações Opostas
 » E o filme era triste
 » Fruto Proibido
 » Níveis Generalizados
 » Civilizar-se
 » Somos Apenas Eventuais – Parte 2
 » Somos Apenas Eventuais – Parte 1
 » Pouco Mudou
 » Ir e Vir, Chegar e Voltar
 » Crianças Para Sempre
 » Felicidade é Opção?
 » Só Contra a Ignorância – Parte 3
 » Só Contra a Ignorância – Parte 2
 » Só Contra a Ignorância – Parte 1
 » Escola é o Existir
 » Uma “Abertura” de Programa
 » Nosso Descaso
 » Indo Para Os Confins
 » Cuidados Desprezados
 » Dois Temas
 » Outros Inícios de Programas de Rádio
 » Os Entendidos
 » Pessoas Atraentes
 » Mundo Inexplorado
 » Solução Tarda, Mas, Ela Vem.
 » Pensamentos Viciados
 » Escutar ou Escutar-se
 » Viver Amarrado Nos Outros
 » A Linha Da Vida
 » Estação de Rádio
 » Particularidades Indesejáveis
 » Intervalo 3
 » Intervalo 2
 » Intervalo 1
 » A Psique Humana – Parte 25
 » A Psique Humana – Parte 24
 » A Psique Humana – Parte 23
 » A Psique Humana – Parte 22
 » A Psique Humana – Parte 21
 » A Psique Humana – Parte 20
 » A Psique Humana – Parte 19
 » A Psique Humana – Parte 18
 » A Psique Humana – Parte 17
 » A Psique Humana – Parte 16
 » A Psique Humana – Parte 15
 » A Psique Humana – Parte 14
 » A Psique Humana – Parte 13
 » A Psique Humana – Parte 12
 » A Psique Humana – Parte 11
 » A Psique Humana – Parte 10
 » A Psique Humana – Parte 9
 » A Psique Humana – Parte 8
 » A Psique Humana – Parte 7
 » A Psique Humana – Parte 6
 » A Psique Humana – Parte 5
 » A Psique Humana – Parte 4
 » A Psique Humana – Parte 3
 » A Psique Humana – Parte 2
 » A Psique Humana – Parte 1
 » Viver Desvairado
 » Viver disperso
 » Passatempo
 » Nossos Segredos - Parte 2
 » Nossos Segredos - Parte 1
 » Veneno Apreciável
 » Imaginação
 » Falou está Falado - Parte 2
 » Falou está Falado - Parte 1
 » Frases Para o Cotidiano
 » Vibrações Imperceptíveis
 » Amigos e Amigos
 » Curtinha Nº 5
 » Curtinha Nº 4
 » Pontos de Vista
 » Viver Deslocado
 » Tem "Cultura" que facilita tudo
 » Buda
 » Conexão Intelectual Autônoma
 » O Morro das Placas de Ouro
 » Solução Difícil
 » Divagações pela noite
 » Quem é o Tal não é o Tao
 » Curtinha Nº 3
 » Curtinha Nº 2
 » Curtinha Nº 1
 » Devaneios - Parte 3
 » Devaneios - Parte 2
 » Devaneios - Parte 1
 » Criaturas?
 » Resquícios Malignos
 » Para Despertar
 » Súplica
 » Abstração Sempre na Moda
 » Adeus Infância Feliz
 » Sexo Panacéia
 » Contra a correnteza
 » Isolamento é solidão?
 » Mundo Cão
 » Conversa Desagradável
 » Eus Divididos
 » As Três Irmãs
 » O Mundo e a Vida
 » Cérebro Estagnado
 » Queremos chegar em algum lugar?
 » Como Saber
 » Nuvem Escura
 » Foi Divertido
 » Quem é Matrix? - Parte 2
 » Quem é Matrix? - Parte 1
 » Memória Bandida
 » Amor
 » Autoconsciência - Parte 2
 » Autoconsciência - Parte 1
 » Conveniências
 » Razão é sempre a última
 » Verdade Anônima
 » Esses Homens...
 » Vocês Sabiam
 » Desatentos
 » Tapar dos olhos
 » Versos na horizontal
 » Só pra pensar
 » Necessidade Inutil
 » Cuidado, são impactos
 » Aposentar é acordar
 » Frases para fugir da rotina
 » Agonias
 » Nossos Lixos
 » Você é Você? Tem Certeza?
 » Hipnose Inevitável
 » Nosso Lado Invisível - Parte 4
 » Nosso Lado Invisível - Parte 3
 » Nosso Lado Invisível - Parte 2
 » Nosso Lado Invisível - Parte 1
 » Além da Imaginação
 » Escalar da Montanha
 » Você foi Programado?
 » Efeito Subliminar - Parte 4
 » Efeito Subliminar - Parte 2
 » Efeito Subliminar - Parte 1
 » Efeito Subliminar - Parte 3
 » Me ensina a escrever
 » Mais um ano
 » Nada a fazer, então?
 » Divagações
 » Refletir Cansa
 » Sexo é energia?
 » Sangue e Alegria
 » Que vida dura
 » Polêmica
 » Conversa Fiada
 » Contratempo
 » Mundo Pequeno
 » Água Envenenada
 » Sem Retorno
 » Como Somos?
 » Ficção Elefantina
 » Nataleluia Brodher
 » Desabafo Não Deu Certo
 » Fugas
 » Quem procura encontra?
 » Partir Algemas
 » Filossofismando
 » Portugiria
 » Querer saber não era permitido
 » Conversa de Hospício
 » Amor ao próximo
 » É só brincadeira
 » Axiomas
 » Não tem mais terror
 » Nectar da Vida
 » Viver é pensar ou apenas... existir
 » Fugir do Comum
 » Mundos Diferenciados
 » Reflexões da Juventude
 » Radicalismo
 » Viver por viver

Voltar