18/04/2017
O mistério da foto

Como já contei a vocês, por sugestão de um cliente, resolvi montar um painel de fotografias da minha clientela.

Foi um momento divertido em minha profissão, pois conforme eles viam as fotos, crescia a curiosidade para conhecer pessoas que frequentavam minha sala de estética, e também ficava mais fácil para eu conseguir que algumas pessoas mais resistentes me permitissem fotografa-las.

Algumas até se programaram para essas “sessões de fotos” com idas ao cabelereiro, etc.

Foi muito interessante, pois muitas pessoas acabaram reencontrando velhos conhecidos através desse painel, até pessoas das quais tinham perdido o contato e agora podiam, através da minha pessoa, se rever.

Também havia certa curiosidade para ver certas pessoas mais conhecidas na cidade, como os colunáveis, que muitas vezes são conhecidos só através da imprensa.

Tornou-se comum, minhas clientes entrarem na minha sala de trabalho e ficar um tempo apreciando as fotos e fazendo seus comentários a respeito dessa ou daquela pessoa.

E foi assim, que uma certa fotografia de um cliente começou a fazer sucesso entre o mulherio.

Ele era um jovem esportista, na verdade um “Iro Man”, que tinha um corpo escultural, além de ser um belo homem.

Ele concordou em ser fotografado de sunga, uma vez que fazia massagem relaxante, e é obvio que a exposição daquele corpo, causou um rebuliço em algumas mulheres que frequentavam minha sala.

Sinceramente, eu não esperava toda aquela reação, mas era bem divertido, quando elas entravam e de repente viam a foto. Paravam e geralmente o comentário era...

- Quem é esse Deus grego?

Algumas até me perguntavam: “- Você ainda cobra para cuidar desse Deus?”

Devo dizer que ele também apreciava as belas fotos de minhas clientes.

Uma vez, até me surpreendeu muito, quando parou para olhar mais atentamente para a foto de uma cliente, que era mais cheinha ou um pouco gordinha, e me disse:

- Me sinto atraído por mulheres desse estilo.

Ou seja, um homem com um corpo perfeito, um atleta, não estava nem aí para as meninas esculturais!

Como pude verificar “in loco”, seja qual for o tipo físico de uma pessoa, sempre tem alguém que aprecia.

O tempo foi passando e tornou-se um habito algumas clientes chegarem e me pedir para segurar a foto do “Deus grego” como elas diziam. Algumas vezes, até brincavam me dizendo que eu tinha feito fotoshop, pois não era possível tamanha perfeição.

Eu contava a ele do sucesso que fazia, e por incrível que pareça, ele achava que eu estava brincando.

Foi então que num certo dia ao começar meu trabalho, minha cliente entra na sala olha para o painel e me pergunta:

- Cadê o bonitão daqui?

Eu sem entender bem o que ela estava dizendo, fui verificar e eis que a foto do meu cliente lindo havia sumido.

Sinceramente, na hora não me preocupei muito, pois como era hábito elas mexerem no painel, achei que a tal foto deveria estar ali por cima de algum aparador, embora eu sempre fizesse questão de recoloca-la no lugar sempre que alguém mexia.

Depois daquela sessão com minha cliente, que saiu me fazendo prometer que ia recolocar a foto no lugar, procurei por toda a sala, até pedi ajuda de uma funcionaria, afastamos tudo do lugar... e nada.

A tão famosa foto havia desaparecido!

Passei umas boas horas pensando, e sinceramente preocupada, pois de certa forma havia ali uma confiança de meu cliente ao se deixar fotografar. Como que eu ia explicar a ele que não sabia o paradeiro de sua fotografia?

Mas, como acredito que Deus nos ajuda, ele viajou e ficou algum tempo sem aparecer, e eu sem saída dessa situação, resolvi a despeito de minhas clientes não aceitarem, desfazer o painel de fotos.

Fiquei pensando e recapitulando os episódios acontecidos com a tal fotografia, lembrei-me que várias clientes falavam, brincando, que qualquer dia levariam essa foto para casa. Uma até dizia que faria um painel gigantesco para enfeitar sua parede, outra que colocaria em baixo do travesseiro, enfim as brincadeiras eram muitas.

Mas a verdade é que eu nunca mais achei.

Por sorte, quando meu cliente voltou e viu que eu tinha desfeito o painel, me disse que eu poderia ficar com a foto dele, no que me senti na obrigação de contar a verdade.

Mas em vez de achar ruim, ele deu muita risada e ainda me disse:

- Tomara que tenha sido a “minha menina cheinha” que sequestrou minha foto.

Pois é....

Às vezes ainda penso... Quem será que foi?

Acho que nunca saberei!


Selma Esteticista



Leia outras matérias desta seção
 » O mistério da foto
 » Quando a inocência quebra as regras.
 » Uma das minhas Heroínas
 » O convite
 » Mea culpa?
 » Meu filho
 » O trabalho
 » A prova
 » O doutor
 » O porta malas
 » A menina belga
 » O mistério
 » A fotógrafa
 » A curiosidade quase mata a gata
 » O espanhol vaidoso
 » Vita a problemática
 » Luzia um drama comum
Voltar