18/06/2020
E se tudo isso não passar

E se tudo isto não passar?

E, então, somente assim, completamente só, saberei que este amor sem precedentes, seguirá.

Banhado de ausência, de um adeus desventurado, nasceu eterno, sem corpo e sem direito ao carnal deleite.

E se tudo isto não passar?

Condenado viverá aquele abraço que não ousei  dar.

Amarrada e esganiçada não pararei de gritar: minha fúria, em no seu existir, não mais me achar.

Ah mas e se tudo isto  não passar?

Em que história  desvelada poderei me acorrentar?

Em que esquina fresca hei de fumar, meu último  cachimbo, antes do sepultar?

Volta para mim liberdade mundana.

Me liberta dessa consciencia insana.

Soltem  minhas asas, porque preciso voar.

E sem menos, eu creio que haverei de encontrar, mesmo com tanta impaciência de se tudo isto  não passar.

Porque se tudo isto não passar, onde se acostara a boemia sedenta e infinda que insiste em minha alma cantar? 

Cantar ao som da velha harpa melodiando os uníssonos tragos esbraseantes a clamar seu nome, por esta garganta que se afoga na saudade do que nunca foi e tampouco será.

Mas e mas, e se tudo isto não passar?

Onde poderei deparar com um correio volante para em sua porta me despejar?

Em que boteco encontrarei seu frescor e implorarei por seu amor?

E só assim, poderia pousar minhas temblorosas mãos e seu alento espirar.

Sai de mim sopro de adeus.

Deixa minha vontade viajar.

Porque sem ela já não irei mais estar.

Ah! Mas e se tudo isto  não passar?

Não posso partir sem meu último beijo dar.

E assim, meu eterno amor entregar, de peito aberto e no amargo solo da improvisada sala de estar.

Faz de mim seu invocado despertar.

Traga minha dor e aceita este amor, sem mais questionar.

Porque se isto  não passar,  não haverei de aqui querer estar.

E se tudo isto  não passar?

Não colherei flores.

Não pularei troncos caídos nos jardins enfeitados com fautosas borboletas.

Morrerei vagarosamente, rendendo-me a ilusão de seu olhar.

Com a mão em meu ventre, sussurrarei que só ansiava com você uma vez habitar!

E serei como brisa de mar.

E então, só se tudo isto não  passar, divagando entre as palavras derradeiras de quem deixa de tocar a realidade, tão pouco desejada, e caoticamente desajeitada: dançarei em seus braços, até não mais  enumerar: o fim dos dias, trancafiada em meu mundo, no silêncio inquebrantável do que jaz, sem nunca permanecer.

Como eu queria que “se tudo isto  não passar”, deixar minha vida escoar.

Pelas mãos do cego destino, sempre a atordoar.

Mas haverá  de passar! 

Com tantos “ar”, assim passará .

E voltarei a levianamente caminhar, de mãos  dadas contidas,  ao afago do luar. 

 

Daniele de Cassia Rotundo



Leia outras matérias desta seção
 » O mês do cachorro louco
 » O peso das coisas
 » João, Pedro e Rita
 » E se tudo isso não passar
 » Diário caótico sobre o coronavírus
 » Oração de aniversário
 » Encontros & Desencontros II
 » Encontros & Desencontros e o tempo
 » O tempo e a mulher do espelho
 » A mulher do Espelho
 » Sou mas quem não é (pirada)
 » Biblioteca
 » Carta para os olhos vazarem
 » Férias no paraíso, pero no mucho.
 » A dificuldade de recomeçar
 » Texto exclusivamente feminino
 » Meu Amigo!
 » O incêndio no Museu Nacional
 » Diário de uma jovem Mãe
 » Depressão: O beijo da morte
 » Depressão: os ruídos
 » A bolsa misteriosa de Anabella
 » Amizade
 » Em Terra de cego quem tem olho é rei?
 » Inspiração
 » Se disser que esperará, espere!
 » Eu acredito na humanidade!
 » A bituca de cigarro
 » Os filhos voam!
 » Ser limpante ou o trabalho caseiro
 » Carícia da vida
 » A verdade
 » As palavras matam ou morrem ?
 » Matemática simples
 » Família um conceito complexo
 » Altruísta egoísta
 » A pequena bolsa de Anabella
 » À deriva (?)
 » Adeus ano velho
 » Quando o bem não faz bem!
 » Forever
 » Quero Poetar!
 » “O Abutre”!
 » Me permito amar?
 » Quebrar-se
 » A felicidade
 » Impiedoso tempo
 » Quem sou eu ?
 » Esquecer
 » Esquecer @? - Olvidar
 » Fragmentos II
 » Fragmentos
 » Despertemos!
 » Transe no deserto
 » Destino ridículo !
 » O cortiço da vida
 » Círculo de desafetos
 » Sou um vulcão
 » Conversa com a àrvore
 » Encerrar ou cerrar ciclos?
 » A “basura” no México
 » Doença de amor
 » Poesia
 » As regras da vida
 » Os grandes homens....
 » Prelúdio à loucura
 » Razões para amar? Razões para o amor?
 » O mundo perdido dos sonhos!
 » Devaneios de um cérebro ?

Voltar