» Colunas » Economia

23/07/2012
Gastos do Governo Federal – primeiro semestre de 2012

Uma vez que terminou o primeiro semestre de 2012, acho que está na hora de olharmos com cuidado o fechamento das contas públicas. Para termos uma ideia do volume de crescimento do gasto neste ano, vou acrescentar na base de comparação o primeiro semestre de 2010.  Há algumas considerações importante na análise dos dados abaixo.

Primeiro, os dados forma puxados pelo SIAFI, retirando-se da despesa o gasto com repartição de receitas e os empréstimos do governo federal. A folha de pessoal inclui pagamento de impostos e a conta de previdência do SIAFI é um pouco diferente da tabela do Tesouro Nacional porque a última folha do ano da previdência pelo SIAFI é contabilizada como Restos a Pagar Processados no ano seguinte. De qualquer forma, como o objetivo dos cálculos abaixo é olhar o crescimento do gasto e não o seu valor absoluto, o SIAFI é suficiente para captar essa tendência.

Segundo, dada restrição de tempo, os dados foram puxados para o acumulado ao longo dos primeiros seis meses do ano e os índice de correção é a inflação acuulada de julho de cada ano até junho de 2012  pelo IPCA (os dados de 2012, portanto, não foram corrigidos).

Qual o resultado? Como se observa abaixo nas tabelas 1 e 2, seja em valor nominal ou em valor real, o crescimento do gasto público no primeiro semestre de 2012 em relação ao mesmo período do ano passado foi maior que o crescimento do gasto de janeiro a junho de 2011 comparado com mesmo período de 2010. Neste ano até junho, o gasto primário do governo federal (não inclui juros e refinaciamento da dívida) cresceu R$ 40,6 bilhões (valor nominal) ou R$ R$ 23,6 bilhões (valor real). O crescimento em valor real foi o dobro do crescimento de jan-jun de 2011, ante mesmo período de 2010: R$ 12,5 bilhões.

Tabela 1 – Gasto Público do Governo Federal – R$ bilhões correntes

 

Tabela 2 – Gasto Público do Governo Federal – R$ bilhões de 2012 (IPCA)

 (1) Gastos com pessoal: Boa noticia, mas é difícil manter economia nos próximos dois anos.

Um primeiro ponto interessante é que de fato a tesoura do governo funcionou no caso da despesa com pessoal. Como se observa na tabela 2 acima, gasto com pessoal ativo mostrou queda real de R$ 1,5 bilhão neste primeiro semestre do ano.

De 2008 a 2010, o governo Lula concedeu fortes reajustes par várias carreiras do funcionalismo público e, assim, a presidenta Dilma conseguiu segurar os reajustes em 2011 e 2012. De 1997 a 2011, o ano de menor valor da despesa com pessoal (% do PIB) foi 1997, 4,27% do PIB. Este ano é possível que a folha de pessoal (pagamento de funcionários ativos e inativos) seja 4,2% do PIB, o menor valor desde 1997.

Gráfico 1 – Despesa com Pessoal (ativo e inativo) – % do PIB – 1997-2012*

Fonte: Tesouro Nacional. 2012* projeção

A má noticia é que será difícil manter essa economia. A Secretaria de Orçamento Federal (SOF) vinha fazendo simulações de aumentos apenas para os funcionários da Justiça e das Forças Armadas. Esta semana o governo perdeu a queda de braço com os professores das universidades federais e as outras carreiras já começaram a se organizar para pedir aumentos. Se Polícia Federal ou Receita Federal cruzar os braços, será difícil dizer não. Assim, acho que a tendência da conta pessoal é de aumento nos próximos dois anos.

(2) Gastos de custeio: Crescimento se acelera puxado por salario mínimo e Minha Casa Minha Vida (MCMV).

O governo sempre fala que o setor privado (bancos e empresários) deveriam ser mais otimistas e atuar de maneira anticíclica. O problema é que, pelo lado do gasto público, o governo não atua de forma anticíclica. O gasto público que mais cresceu este ano foi a “despesa com custeio”, um gasto permanente e que foi influenciado, fortemente, pela política do salario mínimo.

A tabela abaixo mostra os elementos de despesa do custeio que mais cresceram. Por ordem decrescente de importância, de um total de 36 elementos da despesa,  o crescimento do gasto real este ano concentra-se em apenas seis itens da despesa de custeio: (1) Aposentadorias (INSS); (2) subvenções econômicas (aqui entra o MCMV); (3) Pensões (INSS); (4) Contribuições Fundo a Fundo (custeio Saúde e Educação), (5) Outros benefícios de natureza social (seguro desemprego e abono salarial), e (6) Benefício Mensal ao Deficiente e ao Idoso (LOAS).

Tabela 3 – Crescimento das Principais Contas de Custeio (2011-2012) – R$ bilhões de 2012  (IPCA)

O que se pode afirmar? Vou falar, novamente, algo que já estou cansado de falar. O gasto de custeio que mais aumenta está ligado aos gastos da previdência, programas sociais, e gastos de custeio com educação e saúde. Em outras palavras, o gasto de custeio cresce por causa de políticas bem intencionadas, não é por causa de roubo ou de gastos excessivos com passagens aéreas.

Vamos fazer um contra-ponto com os gastos com passagens e diárias. Do primeiro semestre de 2010 ao primeiro semestre de 2012, esses gastos foram reduzidos, em termos reais, perto de R$ 170 milhões. Isso é bom, mas insignificante em relação à magnitude dos itens que puxam o gasto de custeio.

A surpresa este ano está no forte crescimento da conta subvenções econômicas, a conta na qual aparecem as despesas do Minha Casa Minha Vida. Os gastos com este programa nos primeiro seis meses do ano passado haviam sido de R$ 2,9 bilhões (valor nominal) e este ano passou para R$ 7,6 bilhões – crescimento nominal de 162% até junho.

(3) Investimento Público: uma boa e uma má notícia

Antes de começar a análise do gasto com investimento, é preciso esclarecer que aqui estou trabalhando com duas contas do SIAFI: GND-4 (investimento) e GND-5 (inversões financeiras) menos empréstimos. Essa é a metodologia do Tesouro Nacional e, no meu caso, não incluo os gastos do MCMV no investimento. Essa conta está no custeio.

Em relação a despesa com investimento público, tenho um boa e uma má notícia. A boa notícia é que a execução do investimento público melhorou muito em junho. Em valores nominais, o investimento, em junho de 2012 foi de R$ 5,6 bilhões; ante R$ 4,1 bilhões em junho do ano passado. A má notícia é que continuamos, em termos reais, R$ 2 bilhões abaixo do investimento no mesmo período de 2010 e o comportamento do investimento público ainda está sendo fortemente afetado pela execução do ministério dos transportes: queda na execução de 40% nominal no primeiro semestre deste ano. O gráfico 2 abaixo compara a execução mês a mês (valores nominais) do investimento do Ministério dos Transportes. É nítido o problema de execução desses ministério este ano.

Gráfico 2 – Execução do Investimento do Ministério dos Transportes – R$ bilhões correntes

 

Conclusão

Não tenho uma conclusão muito otimista. O gasto público no primeiro semestre deste ano cresceu, em termos reais, R$ 23,6 bilhões. Desse total, o crescimento real do investimento público foi de R$ 1,1 bilhão – apenas 5% do crescimento do gasto. O gasto público que mais cresceu este ano até junho foi o gasto de custeio, que é afetado pela regra de reajuste do salário mínimo.

O que espero para os próximos anos? Bom, tenho escutado algumas pessoas falarem que devido ao crescimento menor do ano passado e deste ano, o custo da regra atual de reajuste do salario mínimo será menor nos próximos dois anos: 2013 e 2014. Sim, isso é verdade. O problema é que o crescimento menor deve derrubar o crescimento da receita e dificultar a entrega do primário cheio de 3,1% do PIB já este ano.

O governo confia que haverá espaço fiscal neste e nos próximos dois anos devido à queda da taxa de juros para acomodar um investimento público maior e reduzir impostos. Talvez sim, mas esse espaço não é tão grande quando alguns imaginam. Nos meus cálculos, a economia com redução dos juros será algo entre 1 a 1,5 ponto do PIB.

Ademais, continuaremos com uma economia com carga tributária elevada e com um nível de despesa total do setor público no final do governo Dilma entre 37% e 39% do PIB, nível elevado para um país em desenvolvimento. Mas o governo tem condições de entregar uma DLSP menor do que no início do mandato e uma conta de juros menor, o que será um aspecto positivo.

Tudo isso que comentei acima é baseado nas regras atuais. Há riscos fiscais e os dois maiores são: (i) o fim do fator previdenciário, e (ii) o aumento dos gastos com educação para 10% do PIB nos próximos oito anos. Se alguma dessas medidas passar, preparem-se para pagar mais impostos e mais impostos. Aqui termino esse longo post. Detalhes adicionais apenas nas minhas palestras.
 

 

 


Blog do Mansueto Almeida -http://mansueto.wordpress.com/2012/07/15/gastos-do-governo-federal-primeir

Leia outras matérias desta seção
 » Quem prometeu cabide de emprego não vai cumprir
 » Pode faltar agua e energia elétrica em 2021
 » Selic a 2% o Banco Central errou feio.....
 » Debate no Instituto de economia da Unicamp
 » TCE: Iprem Caieiras, má administração,irregularidades e prejuízo
 » Tributar Livros e Jornais
 » Planos de Saúde estão proibidos de reajustar
 » Nova gasolina:perguntas e respostas
 » Reforma Tributária
 » Declaração I.Renda do MEI
 » Organizações Sociais o peso da corrupção
 » Licitação: erros primários ou propositais?
 » Coronavírus vai custar caro para Caieiras
 » Pequenas empresas: sobrevivência a pandemia
 » Guedes inventa um pássaro sem asas
 » Redução de jornada e salário e suspensão de contratos
 » Crédito para micro e pequenas empresas
 » Redução do salário e jornada de trabalho-STF
 » Coronavírus vai deixar uma herança amarga
 » Na crise use a criatividade
 » Coronavírus:respiradores, a improvisação nacional
 » Coronavírus: Dia da mentira ou dos políticos, como queiram
 » Economistas dão sugestões para amenizar a crise
 » Pandemia ou Pandemônio ?
 » Pandemia real ou fabricada?
 » PIB - Produto Interno Brocha
 » Prefeitos inteligentes: último ano é crucial
 » Aplicações em "Perda Fixa"
 » Gastos Públicos: aprenda como funciona
 » Martin Azpilcueta Navarro o Dr.Navarro
 » Carry Trade e Forward Premium Puzzle: Edson Navarro Jr.
 » IPVA 2020 - Quem não precisa pagar
 » Cheque especial a 8% ao mês - Vitória de Pirro
 » Se sair mais do que entra "nóis" quebra
 » ICMS - SP - ANISTIA
 » Anistia-Remissão Fiscal em Caieiras
 » Lei anti-corrupção completa 6 anos
 » Medidas Provisórias: andamento
 » MP da Liberdade econômica
 » eSocial adiado
 » Lição de casa para os pseudo ecologistas
 » A insaciável máquina do desperdício de dinheiro
 » Canudo plástico a bola da vez
 » CDI X CDB X LCA X LCI
 » Nada mudou! nem a velha política
 » Os Privilegiados da Previdência
 » Planos de Saúde antigos-Reajustes
 » Poupança: acordo é mais uma palhaçada?
 » Como comprar um carro sem impostos
 » Caieiras inchando....até quando?
 » Como penalizar ainda mais o contribuinte inadimplente
 » Haja fraude!
 » Investimento: qual o melhor ?
 » Burrice endêmica
 » Domésticas: 70% estão na informalidade
 » Superfaturamento ou o feijão folheado a ouro
 » Petrobras tapando o sol com peneira
 » Boletim Econômico do Corecon-SP
 » A reforma trabalhista está pegando
 » Lula sai candidato e ganha a eleição !Com versão para Economistas
 » Quantos os políticos mataram de fome hoje?
 » Cadastro positivo de crédito avança
 » È melhor o BNDES acabar ?
 » Abuso dos bancos
 » Reforma trabalhista:coletânea
 » Revisão do PIB - Junho de 2017
 » Compra de veículo com isenção de impostos
 » Ranking dos Municípios do Brasil
 » Planos de Saúde: quase 200 mil pessoas saem
 » Seguro com rastreador x Seguro popular
 » FGTS quem pode sacar
 » Conta bancária de graça
 » Uma praga chamada cartão de crédito
 » As sacolinhas plásticas o meio ambiente e a idosa
 » Direitos e não direitos do Consumidor
 » Títulos de capitalização:regras devem mudar
 » Partes e advogados são multados por mentiras
 » Plano Diretor do Município e sua importância
 » O que o otário mais valoriza em um investimento
 » Seguro popular de automóveis
 » Senado segura votação do Simples
 » Licença paternidade agora tem 20 dias
 » Se não fosse a propina.....
 » As relações promíscuas entre Dilma.....
 » O trágico final de 2015 e a tragédia anunciada de 2016
 » A proposta de Temer para consertar o caos econômico
 » Com nova lei o crédito ao consumidor fica mais difícil
 » Quando uma pessoa morre, quem paga suas dívidas no cartão?
 » Título de Capitalização fuja dessa roubada
 » Depois do PAC vem aí novos programas
 » Dólar x Real o ataque especulativo
 » Simples doméstico
 » Desabafo de um empresário
 » O trote do pacote
 » O pacotão de impostos da Dilma: Depois da queda, o coice
 » O leve Levy levado a Lula
 » O rombo de 200 bilhões de reais
 » Supersimples políticos não tem pressa
 » Dívida Interna a próxima explosão
 » Como identificar o sinal de alerta para a deterioração da economia
 » Impeachment e a economia
 » A Grécia já encheu o saco
 » Plano prevê corte de 30% na jornada e nos salários
 » Pegadinhas que enganam até bons investidores
 » O que acontece com quem não paga as contas
 » Repartição de bens na separação
 » Divórcio: investimentos financeiros entram na divisão de bens?
 » Filhos que arruínam a aposentadoria dos Pais
 » Quanto seu filho vai ter aos 21 anos se você investir R$ 500 por mês
 » Por que o Brasil cresce tão pouco em relação aos emergentes?
 » A era da impaciência
 » Petrobras o buraco é bem mais embaixo
 » Dolar alto pode ser a solução rápida.
 » Tesouro direto fica mais fácil
 » E os teus Mateus?
 » Estagflação chegando....
 » A podridão da maior lavanderia de dinheiro do mundo
 » Para que serve um economista?
 » Caixa preta? Não, Caixa Podre isso sim!
 » Você é inteligente ou esforçada(o)?
 » Ofensa sem sentido
 » Entenda porque parece que você compra menos hoje em dia
 » Pequenas Empresas tem mais benefícios
 » Onde investir R$ 1 milhão para viver de renda eternamente?
 » Genial!
 » Planos de saúde e os abusos
 » Copa deixa legado menor e mais caro do que o prometido
 » Alguém tem dúvida ?
 » Fundo Soberano Brasileiro.....
 » 60 milhões de vagabundos ?
 » O Capital do Século XXI
 » Retorno da Renda Fixa é maior que ações em 2000%
 » Somos educados para o analfabetismo econômico
 » As agências de avaliação de risco e os fundamentos da economia brasileira
 » Entrevista - Carlos Lessa
 » Mais uma caixa-preta do BNDES - e com fundos do FGTS
 » Lento, seguro e gradual
 » (Serão elucubrações de uma noite de verão, ou verdades assustadoras?)
 » Belluzzo: País está em camisa de 11 varas
 » Educação e produtividade
 » Aposentadoria - Dicas na hora da escolha
 » Estatísticas sem pés nem cabeça
 » Um fracasso em dez motivos
 » Ousadia para mudar a economia
 » Erros financeiros que os homens cometem
 » Só o bolsa família não resolve
 » Entrevista - Albert Fishlow, professor Emérito da Universidade de Columbia
 » As boas ideias não são só dos superdotados
 » O começo do fim da crise de 2008
 » Os sete pecados capitais do investidor
 » Uma questão de escolha
 » Gastos fixos do governo impedem redução relevante de impostos
 » Brasil gastou sua poupança na Disney
 » Aplicações sem I.Renda LCA, LCI & Cia.
 » O consumo é o motor da economia?‏
 » Brasil x EUA
 » Alta rotatividade dos jovens gera baixa produtividade
 » Decisões históricas
 » Qualquer renúncia terá corte de despesa ou outra tributação
 » Formação do Brasil
 » Fundos de Previdência: futuro em risco ?
 » Atraso na educação explica 100% da desigualdade de renda, diz economista
 » Desvalorização deixa a situação crítica
 » Selic sobe para 8% a.a.
 » Separar o lixo pode render descontos na conta de luz
 » A inflação brasileira: duas metáforas e um modelo
 » Inflação novamente preocupa as autoridades
 » Custo Brasil - sátira
 » O colapso do investimento no Brasil
 » I.Renda tem novidades este ano
 » A Europa vista por um economista Chinês
 » Falando Economês
 » O que um economista pensa ao ler uma matéria de Jornal
 » Caindo na Real
 » Imposto de Renda 2013 - Pessoa Física
 » Não esperem que o câmbio ‘derreta’, diz Mantega
 » Investimentos furados, pense duas vezes antes...
 » Balanço 2012
 » “Estamos presos numa armadilha de baixo crescimento”
 » O pior ano do século
 » Ainda sem respostas
 » Fundos imobiliários, são bons mesmo?
 » Impostos consomem até 93% de serviços e produtos
 » Revolução pela inércia?
 » Hora de reciclar a economia
 » Jogo em aberto
 » Brasil rico, Brasil pobre
 » A história do Brics acabou tomando um rumo infeliz
 » Drenagem de cérebros às avessas
 » País diferente
 » Números do PIB
 » Uma crise fora de padrão
 » A poupança nunca rendeu tanto
 » 10 empresas brasileiras que são mais ricas que muitos países
 » Mudanças com a redução de 0,5 ponto percentual na Selic
 » Investidor estrangeiro vê o Brasil com cautela
 » As 10 Armadilhas dos fundos de previdência privada
 » Delfim Neto, em 2012 o PIB não passa de 2%
 » Graça Foster e a Petrobras
 » Investimento direto estrangeiro
 » Recuperação sim, embalo não
 » Ficção ou realidade?
 » Redução de IPI é caminho sem volta ?
 » Radiografia dos salários do funcionalismo público
 » A Busca da Produtividade
 » Gastos do Governo Federal – primeiro semestre de 2012
 » Selic cai 0,5 ponto percentual, atinge 8% ao ano e continua no menor patamar da história
 » Piora a visão do investidor sobre o Brasil
 » Ações a longo prazo, não é um bom negócio.
 » Real só será sucesso com juro brasileiro igual ao internacional, diz Persio Arida
 » BC corta juro e taxa selic atinge o menor nível da história. O que muda a partir de agora?
 » Juros simples x Juros compostos é fácil de entender
 » O que muda na sua vida com a nova poupança
 » Que tal o dólar a R$ 3,50?
 » 8 brechas para pagar menos IR
 » Com sobra de emprego, mais brasileiros deixam a empresa para trocar de patrão
 » Doença brasileira
 » Parada técnica
 » O PIB emperrado
 » Comparação Interessante - PIB
 » O Arranjo da Economia
 » América Latina vai liderar recuperação se ritmo for mantido
 » O que esperar para 2012 no Brasil?
 » Riscos que o Brasil corre em 2012
 » Mais ricos têm renda 39 vezes maior que os mais pobres, diz Censo 2010
 » Planejando a Previdência
 » Previdência privada, um benefício complementar
 » Quem não morre novo, velho ficará
 » O famigerado fator previdenciário
 » Previdencia e Aposentadoria
 » O Grande teste ainda virá
 » Produtividade estagnada! É a índole do Brasileiro?
 » Essa doeu, mister Beting!
 » Realidade ou ficção ?
 » Brincando com Índices III
 » Planos de saúde antigos, analise a adaptação com cuidado
 » Venda de imóveis, pague menos i.renda
 » Planos de aposentadoria valem a pena?
 » R$ 5,37 bilhões sem dono?
 » A sacolinha plástica e o cocô de burro
 » Investimentos, veja quanto você perdeu
 » Brincando com índices II
 » Delfim Netto: A ajuda da economia mundial terminou
 » Socialismo, um incentivo a vagabundice?
 » Os Pigs e nós - Delfim Neto
 » Culto religioso, um bom negócio
 » 10 fatos da crise no Brasil
 » Câmbio: brincando com fogo
 » Imposto de Renda erros mais comuns
 » Ações que não recuperaram o valor
 » Benvindos ao glorioso fundo do poço
 » Brincando com índices
 » Sistema ERP o que são?
 » Crédito Pessoal, taxa ou abuso ? Confira.
 » Marolinha
 » Ações, cuidado
 » Voce pode estar sonegando impostos
 » Fundos de previdência, renda variável
 » IR e previdência privada: saiba mais sobre regimes de tributação e benefício fiscal
 » Tesouro direto, como investir.
 » Delfim Neto:Entrevista
 » Ganho de capital
 » Perdas com Fundos
 » Fundos de Investimentos - rent.
 » Surpresa para o consumidor: nem toda NFP vale para crédito.
 » A bolha brasil
 » Dupla face
 » Supersimples: Créditos podem ser aproveitados
 » Guia dos Impostos - Impostos sobre bens
 » CDI: entenda melhor sua importância no mercado de renda fixa
 » Entenda o que é e como a Selic afeta a economia brasileira e o seu bolso
 » Delfim Netto o Economista da “Idade Média”...
 » Agora são US$ 80 bilhões
 » Mário Henrique Simonsen
 » Para onde vão nossos impostos
 » As despesas das câmaras municipais
 » IPC, INPC, IPCA, IGPM, IGP-DI, IPA, INCC… inflação ou sopa de letrinhas?
 » Bookbuilding: entenda como funciona o procedimento de precificação de novas ofertas
 » Direitos do Trabalho e ao Trabalho
 » Mexer na dívida pública é mexer em vespeiro
 » Economia e Mercado Financeiro
 » Lei Geral das MPEs
 » Lei Geral é pouco conhecida
 » Nova proposta de tributação
 » Os Impostos de Lula
 » Ditadura Fiscal
 » Inédito: um Economista que não reclama da carga tributária brasileira
 » O poder do debate e o Restaurante Brasil
 » "Medo de Crescer", "Medo de Quem?"
 » Sonegação pode custar caro para o contribuinte
 » É Preciso Tirar as Máscaras
 » Só falta 58,77% para o Estado tomar tudo da nação!
 » Fazendo Contas
 » É preciso ouvir a nação
 » Governo investe apenas 1% do que poderia
 » Custos da Violência Urbana: 10% do PIB
 » Em busca da Utopia?
 » Pagando Caro
 » Carga Tributária
 » Tributos cobrados no Brasil.
 » Carga Tributária em relação ao PIB
 » Um fardo pesado para a agricultura brasileira
 » 2003 e as Esperanças de melhorias, que nunca morrem
 » Economês
 » Sonegação Fiscal Compensa?
 » José Mané vai ao banco...
 » Esperança ou Medo?



Voltar