» Colunas » Economia

25/11/2015
O trágico final de 2015 e a tragédia anunciada de 2016

O ano de 2015 entra na reta final sem nenhum motivo para celebrar. A tragédia de Mariana em Minas Gerais, visualizada pelo rastro de lama do rompimento da barragem de rejeitos da Mineradora Samarco em desolação ao longo de 650 km – até a foz no oceano -, é um quadro pictórico mais significativo desse encerramento melancólico: pessoas mortas, rio morto.

Por coincidência, o Governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, nada no mar de lama da corrupção. Ele é considerado chefe de uma facção criminosa do Partido dos Trabalhadores em investigação da Polícia Federal. As operações Acrônimo e Lava Jato desvendaram o modus operandi em todos os escândalos protagonizados pelo partido no governo. Ele começa pelo aparelhamento do Estado para alavancar negócios com empresas privadas. Ambas apontam claramente que o BNDES e a Petrobras respectivamente se transformaram nas fontes preferidas na busca de lucro fácil a partir do desvio de dinheiro público  seja para campanhas eleitorais, seja para melhorar sua condição econômica a partir da atividade política.

DILMA COM O CUNHA NA MÃO.

Em operação bucha de canhão, o PT mantém Dilma Rousseff goela a baixo dos brasileiros. Há um troca-troca de sabugo sujo entre o Lula, Dilma, Cunha, Renan e quarenta congressistas ladrões para empurrar a crise para o ano que vem e esfriar os ânimos dos que lutam pelo impeachment e pelo combate à corrupção. Todos da “lista do Janot”, aqueles que são investigados pela operação Lava Jato, fazem o acordo “põe na minha que eu ponho na sua retaguarda”, para driblar os processos de cassação. Assim, a perspectiva para 2016 é também a continuidade da jogatina política e os apertos de mão por debaixo dos panos. E o país que se exploda!

DESEMPREGO, INFLAÇÃO, JUROS, ROMBO FISCAL E O PICO DA CRISE

Para ganhar as eleições em 2014, Dilma baixou a conta de luz, congelou o preço da gasolina, liberou geral no FIES e programas populistas, para, depois de eleita, estourar a burra nacional, a provocar um desastre no país comparável à catástrofe de Mariana. Hoje, o rombo nas contas públicas rodam os 220 bilhões; a inflação já passou dos 11%; a contração do PIB (Produto Interno Bruto) já está em -3,25%; a dívida da Petrobrás já ultrapassou 520 bilhões; e não há um peão que segure o estouro da boiada. Por movimento inercial, o pior da crise econômica se instalará no primeiro trimestre de 2016. A boa notícia é que a realidade econômica e a dor no bolso se imporão frente aos oportunistas, ou seja, ou sai ou desce!


Hermano Leitão

Leia outras matérias desta seção
 » Coronavírus vai custar caro para Caieiras
 » Pequenas empresas: sobrevivência a pandemia
 » Guedes inventa um pássaro sem asas
 » Redução de jornada e salário e suspensão de contratos
 » Crédito para micro e pequenas empresas
 » Redução do salário e jornada de trabalho-STF
 » Coronavírus vai deixar uma herança amarga
 » Na crise use a criatividade
 » Coronavírus:respiradores, a improvisação nacional
 » Coronavírus: Dia da mentira ou dos políticos, como queiram
 » Economistas dão sugestões para amenizar a crise
 » Pandemia ou Pandemônio ?
 » Pandemia real ou fabricada?
 » PIB - Produto Interno Brocha
 » Prefeitos inteligentes: último ano é crucial
 » Aplicações em "Perda Fixa"
 » Gastos Públicos: aprenda como funciona
 » Martin Azpilcueta Navarro o Dr.Navarro
 » Carry Trade e Forward Premium Puzzle: Edson Navarro Jr.
 » IPVA 2020 - Quem não precisa pagar



Voltar