» Colunas » Economia

10/10/2005
Lei Geral é pouco conhecida

Das MPEs paulistanas, 95% têm pouca informação sobre o tema

Pesquisa realizada pelo Sebrae-SP mostrou que a proposta de Lei Geral das MPEs ainda é desconhecida pela maioria dos micro e pequenos empresários do Estado: 70% nunca ouviram falar e 25% se disseram pouco informados sobre o assunto. Entre os 5% restantes- os “bem informados”- no entanto, a posição em relação à lei é favorável.

“Acho que o melhor dessa proposta é a possibilidade de a empresa ir crescendo aos pouquinhos com tributos proporcionais”, diz a pequena empresária Marta Lara, da Ativa Náutica, fabricante de coletes salva vidas. “Do jeito que é hoje, em 6 meses minha empresa terá de pagar os mesmos impostos que uma Volkswagen”. Ela diz que passou a estudar tributação e se manter informada sobre as novidades quando passou a fornecer produtos para a Marinha do Brasil e a Petrobrás. “Tinha de estar com todas as certidões negativas sempre em dia, então resolvi me informar e fazer cursos”. Para ela, o baixo conhecimento dos empresários sobre a lei se deve à sobrecarga dos empreendedores. “Na microempresa, o dono faz a produção, a venda, os pagamentos. É muito mais de oito horas por dia, não sobra tempo para se informar”.

“Percebemos que há um maior conhecimento das propostas por parte daqueles empresários mais atuantes em associações, sindicatos e nos cursos do Sebrae e parceiros”, diz o diretor-superintendente do Sebrae-SP, José Luiz Ricca. Estamos procurando lideranças locais de várias cidades para divulgar a proposta de lei. Elas então passam para frente as informações”. O Sebrae está realizando eventos e palestras em várias cidades do Brasil para esclarecer e discutir as propostas.

Segundo a pesquisa, as mudanças sugeridas pela proposta que foram consideradas mais necessárias pelos empresários foram a tributação proporcional ao faturamento da empresa e a unificação de impostos. As MPEs do comércio eram as mais informadas sobre as propostas: 7%. Nos serviços e na indústria, esse número era de 4%.

A proposta de Lei Geral das MPEs foi levada por diversas instituições empresariais a Brasília no fim do ano passado, e visa a criar um tratamento diferenciado para as micro e pequenas empresas em tributação, acesso a crédito e exportação entre outros assuntos.

“Acho que ela só não foi votada ainda porque estamos vivendo uma situação legislativa complicada, mas deve haver novidades em breve”, diz Ricca.

O Estado de São Paulo

Leia outras matérias desta seção
 » Selic a 2% o Banco Central errou feio.....
 » Debate no Instituto de economia da Unicamp
 » TCE: Iprem Caieiras, má administração,irregularidades e prejuízo
 » Tributar Livros e Jornais
 » Planos de Saúde estão proibidos de reajustar
 » Nova gasolina:perguntas e respostas
 » Reforma Tributária
 » Declaração I.Renda do MEI
 » Organizações Sociais o peso da corrupção
 » Licitação: erros primários ou propositais?
 » Coronavírus vai custar caro para Caieiras
 » Pequenas empresas: sobrevivência a pandemia
 » Guedes inventa um pássaro sem asas
 » Redução de jornada e salário e suspensão de contratos
 » Crédito para micro e pequenas empresas
 » Redução do salário e jornada de trabalho-STF
 » Coronavírus vai deixar uma herança amarga
 » Na crise use a criatividade
 » Coronavírus:respiradores, a improvisação nacional
 » Coronavírus: Dia da mentira ou dos políticos, como queiram



Voltar