» Colunas » Economia

04/04/2006
Direitos do Trabalho e ao Trabalho

Pode-se dizer que a reflexão sobre as relações de trabalho se divide em dois grandes grupos: o dos estudos voltados para o trabalho subordinado, ou seja, em que o trabalhador exerce atividades na condição de empregado - o direito do trabalho -, e o dos estudos voltados para o trabalho exercido fora desse contexto - o direito ao trabalho.

O direito ao trabalho personifica o trabalho fora do contexto da relação capital x trabalho. É fenômeno relativamente novo, fomentado pela globalização dos mercados. No entanto, as reflexões sobre o direito ao trabalho costumam ser superficiais e equivocados como, por exemplo:

• O trabalhador que exerce o trabalho sem emprego está na marginalidade, equiparando-se a um escravo;
• o trabalho sem emprego deve se combatido, visto que representa em si um retrocesso ao século 19, quando o capital desumanamente explorava o trabalho;
• o único sistema que deve ser privilegiado, capaz de solucionar todos os problemas de inclusão social, é o trabalho tutelado pelo Estado, com a desconsideração ou eliminação sumária de outros modelos.

O mais interessante é que os representantes do poder público, constituído para fomentar o trabalho e o emprego, só se focam no estímulo ao emprego, em detrimento do trabalho sem emprego. O Ministério do Trabalho e Emprego, não obstante sua denominação incluir dois fenômenos distintos, desenvolve exclusivamente estudos na busca incessante do "emprego", ignorando o "trabalho sem emprego". A Delegacia Regional do Trabalho está dominada pela idéia fixa da busca "pleno emprego", lavrando contra algumas empresas autos de infração que, muitas vezes, destroem o trabalho digno em prol do emprego precário. Quem tem competência para declarar se uma relação é de emprego ou não juiz do Trabalho, e não o fiscal do Trabalho.

Por sua vez, o Ministério Público do Trabalho não leva em conta o sentido do vocábulo "trabalho" em sua denominação, uma vez que está restritivamente voltado à identificação de postos de emprego.

O "trabalho sem emprego" que está no campo do direito ao trabalho, e não do direito do trabalho, é um fato social. A recomendação 193 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) já identificado o "trabalho associativo", por exemplo, como um dos modelos de trabalho sem emprego privilegia principalmente o princípio da autonomia da vontade do trabalhador, em detrimento do princípio do trabalho tutelado. Não são poucos os juízes do Trabalho que têm trilhado este caminho.

Como se sabe, o número de trabalhadores sem emprego é muito maior que dos que estão empregados. Nem por isso essas atividades devem ser equiparadas à escravidão ou ao subemprego. Equivoca-se quem que considera "trabalho informal" sinônimo de " trabalho precário". Alias, alguns economistas gostam de se posicionar assim. O trabalho sem emprego pode ser exercido informalmente, podendo ser até mais digno que o trabalho com carteira assinada. O direito ao trabalho de forma alguma pressupõe trabalho escravo.

O direito ao trabalho exercido por trabalhadores na área de tecnologia da informação, por exemplo, não os empurra para condição subumana. Eles percebem em média R$ 12 mil mensais, ao passo que, se fossem registrados, com a suposta proteção da carteira assinada e do sindicato da categoria, sua remuneração não passaria de R$ 3 mil, isso com "todos os direitos garantidos". Neste caso, é exatamente a não-presença da Carteira de Trabalho assinada que lhes garante vida socioeconômico mais digna e vantajosa financeiramente. Isso enerva o poder público, mas é uma realidade que está cada vez evidente.

O direito ao trabalho, como dito, é fato social. Trabalhar é um direito fundamental, anterior ao fato de ser trabalhar com registro em carteira. É um escolha que antecede o direito do trabalho, em conformidade com a interpretação sistemática da Constituição Federal de 1988. O trabalho sem emprego, digno, justamente remunerado, devidamente reconhecido e socialmente almejado por muitos é também outro fato social. Que atentem os agentes públicos para isso, sob pena de, em pouco tempo, estarem pregando suas teorias apenas para camelos e beduínos, no mundo desértico do trabalho com emprego.

José Eduardo Gibello Pastore, advogado, é Mestre em Direito das Relações Sociais pela PUC-SP

Leia outras matérias desta seção
 » Selic a 2% o Banco Central errou feio.....
 » Debate no Instituto de economia da Unicamp
 » TCE: Iprem Caieiras, má administração,irregularidades e prejuízo
 » Tributar Livros e Jornais
 » Planos de Saúde estão proibidos de reajustar
 » Nova gasolina:perguntas e respostas
 » Reforma Tributária
 » Declaração I.Renda do MEI
 » Organizações Sociais o peso da corrupção
 » Licitação: erros primários ou propositais?
 » Coronavírus vai custar caro para Caieiras
 » Pequenas empresas: sobrevivência a pandemia
 » Guedes inventa um pássaro sem asas
 » Redução de jornada e salário e suspensão de contratos
 » Crédito para micro e pequenas empresas
 » Redução do salário e jornada de trabalho-STF
 » Coronavírus vai deixar uma herança amarga
 » Na crise use a criatividade
 » Coronavírus:respiradores, a improvisação nacional
 » Coronavírus: Dia da mentira ou dos políticos, como queiram



Voltar