» Colunas » Saúde

07/03/2017
Hipoparatireoidismo é tema no Endocaipira

 Hipoparatireoidismo é tema de encontro no interior paulista

· Endocaipira prevê discussões de casos clínicos

Recentemente, foi aprovado nos Estados Unidos o uso de um análogo de hormônio da paratireoide (PTH) injetável para pacientes com formas graves de hipoparatireoidismo, deficiência hormonal que acomete de 1 a 5 mil pessoas. Essa condição se caracteriza pelo mau funcionamento das glândulas paratireoides (principais responsáveis pela manutenção dos níveis sanguíneos de cálcio dentro da normalidade), levando a queda das concentrações de cálcio (hipocalcemias) no organismo.

O assunto será um dos temas da 31ª edição do Encontro de Endocrinologistas do Interior de São Paulo, mais conhecido como Endocaipira.

A causa mais frequente de hipoparatiroidismo no Brasil e no mundo ocorre após cirurgias de tireoide, quando as glândulas paratireoides podem ser lesadas.

Em outros casos mais raros, o hipoparatiroidismo pode acontecer por destruição da glândula por doença autoimune ou por má-formação genética. A presença de catarata ou calcificações cerebrais deve levantar esta suspeita, especialmente quando aparecem em jovens com quadro clínico compatível. As dosagens sanguíneas de cálcio e PTH baixos definem o diagnóstico.

Sintomas - formigamentos na região da boca, mãos ou pés, cãibras, que podem chegar a convulsões e contrações musculares involuntárias e frequentes. Em geral, estes sintomas aparecem logo após a cirurgia, mas em alguns casos podem levar meses ou anos para aparecer.

“O tratamento padrão não é feito com o hormônio que falta no paciente. Há décadas usamos cálcio e vitamina D. Em alguns casos podemos lançar mão de tiazídicos para diminuir a perda urinária de cálcio e raramente usar quelantes de fósforo. É importante ter acompanhamento especializado para monitorar o tratamento e as complicações crônicas da doença”, explica o Dr. Sergio Setsuo Maeda, diretor da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São Paulo (SBEM-SP) e palestrante do Endocaipira.

O departamento de Metabolismo Ósseo da SBEM está finalizando um consenso que trará atualização sobre o assunto e que será publicado em breve.

31º ENDOCAIPIRA - MARÍLIA

Data: 18 de março de 2017

Local: Associação Paulista de Medicina - Av. Pedro de Toledo, 179, Marília - SP

Horário: das 8h30 às 13 horas

Inscrições: [email protected](A/C Damaris)

Sócios SBEM: gratuito

Não sócios: R$ 50,00

Residentes e estudantes: gratuito

Sobre a SBEM-SP

A SBEM-SP (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia do Estado de São Paulo) pratica a defesa da Endocrinologia, em conjunto com outras entidades médicas, e oferece aos seus associados oportunidades de aprimoramento técnico e científico. Consciente de sua responsabilidade social, a SBEM-SP presta consultoria junto à Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, no desenvolvimento de estratégias de atendimento e na padronização de procedimentos em Endocrinologia, e divulga ao público orientações básicas sobre as principais moléstias tratadas pelos endocrinologistas.

Serviço:

Twitter: @SBEMSP

Facebook: Sbem-São-Paulo

http://sbemsp.org.br/

Informações para a Imprensa

Gengibre Comunicação - (11) 5096-0838

Regiane Chiereghim: [email protected]

Débora Torrente: [email protected]

Patrícia de Andrade: [email protected]



Leia outras matérias desta seção
 » Ponte de Safena e stents não são melhores que medicamentos
 » Nova droga pode reverter Demência
 » Doença grave x Espiritualidade
 » Insônia
 » Stents-bypass ou medicamentos ?
 » Própolis verde
 » Exames de sangue para que servem
 » Exame de Urina tipo 1
 » Estatinas aumentam risco de osteoporose
 » Diabetes tipo 2 - protocolo oficial da SBD - 2019
 » Cocô ! Tratado Geral
 » Dieta Cetogênica
 » Manteiga Ghee como fazer
 » Coração x Café
 » Câncer x Café
 » Terapia anti-câncer CAR-T - USP
 » Própolis - USP-ESALQ
 » Cera de ouvido detecta câncer
 » HPN Hidrocefalia de pressão normal
 » Sal do Himalaia não é o que dizem


Voltar