» Colunas » Saúde

04/11/2017
Laringite

A laringite é uma doença inflamatória que atinge a laringe. Em geral, afeta pessoas de todas as idades, mas é mais prevalente em crianças entre 6 meses a 3 anos de idade. Pode ser causada tanto por vírus, fungos, bactérias ou por agentes alérgenos como pó, fumaça, entre outros. Há duas formas de laringite: a aguda e a crônica. A primeira dura alguns dias, enquanto que a forma crônica pode se estender por até 3 semanas ou mais.

A laringite também pode ser causada por lesões/traumas na região do pescoço ou ainda por doenças como a do refluxo gastresofágico, distúrbios hormonais, por situações que causem tosse insistente, pelo consumo de álcool e cigarro ou pelo uso incorreto das cordas vocais.

Sinais e Sintomas

- Inchaço na região da laringe

- Rouquidão ou perda completa da voz

- Obstrução da passagem de ar

- Dificuldades de respiração

- Tosse de cachorro (chamada assim pelo barulho que emite)

- Febre baixa

- Sensação de garganta seca e dolorida

- Dificuldade para engolir alimentos

- Sintomas parecidos com os da gripe e do resfriado

- Inchaço dos linfonodos da garganta

A laringite é muito comum no outono e no inverno, por isso os atendimentos nas emergências dos hospitais aumentam. O diagnóstico é feito por meio de um exame clínico e, se necessário, o médico pode pedir exames para confirmação do quadro, como a laringoscopia.

Cada tipo de laringite precisa de um tratamento diferente. Apenas a forma bacteriana pode ser tratada com antibióticos.

Quando a laringite é do tipo viral tende a desaparecer em cerca de 3 dias. A primeira recomendação médica é repousar a voz. Em alguns casos, fazer inalação pode aliviar os sintomas, assim como o uso de analgésicos ou antitérmicos.

Ao contrário do que muitos pensam, o uso de xaropes não é indicado, uma vez que a tosse é causada pela irritação local e não por problemas no pulmão. Entretanto, o médico poderá prescrever medicamentos antialérgicos ou até corticoides para aliviar a inflamação e a irritação.

A recomendação mais importante é manter a laringe muito bem hidratada, ou seja, beber líquidos como água, chás, sucos, de preferência à temperatura ambiente, nem gelados nem quentes.

A laringe é um órgão curto, que conecta a faringe à traqueia, que fica na linha mediana do pescoço, diante da quarta, quinta e sexta vértebras cervicais e tem três funções:

- Age na passagem do ar durante a respiração;

- Produz som, ou seja, a voz;

- Impede que o alimento e objetos estranhos entrem nas estruturas respiratórias (como é o caso da traqueia).

É na laringe, entre a faringe e a traqueia, que estão situadas as cordas vocais, duas fibras musculares, que se abrem e se fecham continuamente para a emissão do som da voz, que é produzido quando o ar passa pela laringe.

A rouquidão é um sintoma comum, que atinge principalmente pessoas com problemas na laringe, quando gripadas ou resfriadas. Porém, quando a voz demora mais de 15 dias a voltar e sua perda não está relacionada com outras doenças respiratórias, pode indicar que as cordas vocais estão pedindo socorro.

A perda repentina da voz pode ser causada por alergias, irritações, cigarro, poluição, estresse, ar-condicionado, mudanças bruscas na temperatura, poeira, medicamentos ou pelo câncer de laringe. A rouquidão crônica (mais de duas semanas), aliada ao pigarro, dor ou ardência na garganta e dificuldade em engolir podem ser sintomas de que há algo errado com a voz.

Bebida e cigarro: um perigo para as cordas vocais

Pessoas que bebem e fumam representam o principal grupo de risco para desenvolver o câncer de laringe. Segundo a Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, 83% dos portadores deste tipo de tumor apresentam rouquidão que não passa. Em geral, a doença atinge mais homens que mulheres e a incidência é maior entre os 55 e 65 anos de idade.

Veja algumas dicas:

Hidrate-se: a ingestão de água é importante para a saúde da voz na medida em que ao vibrar, as cordas vocais exigem uma mucosa solta e flexível;

Aproveite o silêncio: dê um tempo para suas cordas vocais, principalmente se a voz é seu instrumento de trabalho ou se você é tagarela por natureza;

Pare de fumar: o cigarro prejudica a laringe e as cordas vocais;

Cuidado com o álcool: a substância causa inchaço na laringe e anestesia a região, permitindo que você use sua voz de modo inadequado e nem perceba;

Não cochiche: cuidado ao falar baixo ou sussurrando, isso exige grande esforço das cordas vocais;

Sem aperto: ao usar gravatas, colares, lenços, não aperte a região do pescoço;

Alimentos: alguns ingredientes como chocolates, leite e derivados aumentam a viscosidade do muco nas cordas vocais, o que pode produzir pigarro. Evite-os.

Atividades físicas: ao realizar esportes como boxe, musculação e tênis, evite conversar, pois toda a tensão muscular é direcionada para a região do pescoço durante a prática

Procure um médico: se você usa muito a voz no seu trabalho, faça exames periódicos para avaliar a saúde das cordas vocais.

Perguntas e respostas

1- Afinal, alimentos gelados ou quentes podem mesmo provocar uma laringite?

Sim, isso não é um mito ou crendice de mãe. O corpo humano tem uma temperatura interna em torno de 36 graus. Quando ingerimos algo muito gelado ou muito quente, pode ocorrer um choque térmico. A dica é usar o bom senso, ou seja, ao tomar um sorvete, por exemplo, deixe alguns segundos na boca até que a temperatura aumente. Já para os alimentos quentes, a mesma coisa, espere esfriar um pouco para consumir. Quando a pessoa tem o hábito de ingerir coisas muito frias ou muito quentes, pode causar uma irritação na laringe, o que vai ocasionar uma laringite, podendo ficar rouco, sentir dor, coceira, entre outros sintomas.

2- Por que beber água e comer maçã pode ajudar a prevenir a laringite?

A água é fundamental para manter a saúde em dia. Quando falamos na laringe, o líquido é responsável pela lubrificação da região e, principalmente, das cordas vocais. Já a maçã tem uma função de limpeza, tanto bucal quanto na garganta. Da mesma maneira que alguns alimentos prejudicam a laringe, outros beneficiam.

3- Por que os casos de laringite aumentam nos dias mais frios?

Mesmo no verão, as pessoas podem apresentar a laringite. O que acontece é que o ar frio, seja ele natural ou artificial (proveniente de ar-condicionado ou ventiladores), resseca a mucosa que reveste a laringe e diminui a imunidade do organismo. Além disso, nos dias mais frios, os ambientes costumam ficar menos arejados. Portanto, todos esses fatores juntos colocam em risco a saúde da laringe, podendo causar tanto uma laringite viral quanto por irritação.

4-Por que a laringite atinge as crianças pequenas com tanta frequência?

O organismo humano, por meio do sistema imunológico, produz anticorpos que combatem a maioria dos vírus e bactérias. Entretanto, as crianças, principalmente as menores de 3 anos, ainda estão formando essas substâncias defensoras. A laringite é considerada uma inflamação das vias áreas superiores (IVAS), causada principalmente por vírus. Crianças pequenas, que frequentam creches ou escolas ficam mais expostas aos micro-organismos causadores das doenças respiratórias. Além disso, quando a criança apresenta uma alergia ou um resfriado, por exemplo, promove a formação de muco (catarro), que pode diminuir a defesa da laringe e favorecer a infecção. Os pais devem ficar atentos, pois a laringite nas crianças pequenas pode levar à insuficiência respiratória obstrutiva aguda, com risco de vida.

fonte:

http://www.sautil.com.br/saude-para-voce/saude-respiratoria/conteudo/laringite



Leia outras matérias desta seção
 » Nova droga pode reverter Demência
 » Doença grave x Espiritualidade
 » Insônia
 » Stents-bypass ou medicamentos ?
 » Própolis verde
 » Exames de sangue para que servem
 » Exame de Urina tipo 1
 » Estatinas aumentam risco de osteoporose
 » Diabetes tipo 2 - protocolo oficial da SBD - 2019
 » Cocô ! Tratado Geral
 » Dieta Cetogênica
 » Manteiga Ghee como fazer
 » Coração x Café
 » Câncer x Café
 » Terapia anti-câncer CAR-T - USP
 » Própolis - USP-ESALQ
 » Cera de ouvido detecta câncer
 » HPN Hidrocefalia de pressão normal
 » Sal do Himalaia não é o que dizem
 » Insuficiência cardíaca: novo medicamento


Voltar