» Colunas » Saúde

27/10/2021
Dedos de covid

 

Semelhantes à frieira, lesões nos dedos das mãos e pés sugerem correlação com covid-19.

Denise Miyamoto comenta sobre os “dedos de covid”, condição que afetou cerca de 38% das pessoas e que pode estar correlacionada com a infecção pelo vírus.

Cientistas britânicos demonstraram, em estudo recente, sintoma pós-covid-19 parecido com os da frieira que afeta os dedos das mãos e dos pés. Coloquialmente chamado de “dedos de covid”, a médica Denise Miyamoto, do Departamento de Dermatologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), explica ao Jornal da USP no Ar 1° Edição que se trata de lesão causada pelo próprio sistema imunológico do individuo e que foram registrados mais casos durante a primeira onda da pandemia.

“O que as evidências atuais sugerem é que seja uma resposta da imunidade de cada individuo ao vírus e talvez não seja uma manifestação causada pela infecção direta do vírus, tanto que ela aparece tardiamente, em cerca de duas a três semanas depois que a pessoa desenvolveu algum sintoma que sugira covid-19”, explica Denise. Ela destaca que ainda são necessários mais estudos para entender os efeitos que o coronavírus causa em cada indivíduo e que a condição da covid-19 pode ter manifestações cutâneas variáveis.

Pacientes jovens e saudáveis manifestam mais essas lesões e isso pode significar melhor evolução da covid-19. “Isso parece se relacionar com uma resposta imune eficaz no sentido de combater a multiplicação viral e essa inflamação leva à agressão dos vasos das extremidades e ao surgimento mais tardio dessas lesões”, comenta. Dentre os sintomas dos dedos de covid, ardor local, coceira, piora durante exposição ao frio, pequenas feridas, entre outros. “Também existem relatos de pessoas que não apresentam sintomas”, reforça.

De acordo com Denise, a condição cutânea não é rara e afetou aproximadamente 38% das pessoas com covid-19. “Muitos pacientes eram assintomáticos e não tinham feito nenhum teste, mas alguns indícios sugerem uma correlação entre a infecção pelo vírus e o surgimento das lesões dos dedos de covid”, comenta. Os tratamentos para a condição podem variar de acordo com a gravidade, já que na maioria dos casos houve recuperação espontânea. “É feito mais uma acompanhamento clínico”, destaca.


jornal da usp

Leia outras matérias desta seção
 » Zeaxantina protege os olhos
 » Emagrecedores proibidos pela Anvisa
 » Doença Falciforme a cura
 » Losartana:remédios são recolhidos
 » AVC ou derrame o que é ?
 » Câncer no testículo
 » Fungos podem transmitir doenças graves
 » Covid19 vírus desafia nossa imunidade
 » Covid19 e o Dímero-D
 » Assombroso não é ter câncer, mas sim não ter
 » Os chás que são venenos ou não ?
 » Vacinas com vírus desativados protegem mais
 » Aterosclerose e seus fatores de risco
 » Vacina em crianças
 » Câncer de tireoide em mulheres, superdiagnosticadas?
 » Leuclopasia oral
 » Melatonina
 » Covid19 - O pesadelo vai continuar em 2022 ?
 » Vacina: A importância da 3ª dose
 » USP isola variante do ômicron


Voltar