22/03/2016
Razões para amar? Razões para o amor?

Meu Amor, se você busca razoes para o amor não encontrara nenhuma que verdadeiramente o expresse.

O amor pode ser consciente mas jamais racional.
Amar é por excelência de essência, verbo intransitivo! Sem objeto direto e indireto e, assim o consagro, ainda que propriamente, e a correta gramática busquem seus respectivos acompanhantes diretos ou indiretos, ou até diretos e indiretos. E neste redondeio de imaginar a quem amo ou ao que amo, um ponto final me diz indireto porque amar é amar!
Eu amo e apenas amo!
Eu amo!
Te quiero!
I love!
J´aime!
Io amo!
Ich liebe!
E posso amar em quantas línguas sejam apresentadas a ciência da Terra dos homens ou leveza dos anjos! E já nas palavras do sábio poeta, compositor, músico Renato Russo “ainda que eu falasse a língua dos homens e falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria”!
E por que amo? Ou amo por que?
Definitivamente não seria capaz de delimitar as facetas objetivas tampouco subjetivas do amor por um simples e incontestável motivo: elas não existem!
Nosso engenhoso cérebro é capaz e pleno para registrar as inumeráveis admirações que reconhecemos em cada pessoa única e exemplar da diversidade de gêneros e características singulares ‘a personalidade humana, somos ainda capazes de escrever epopéias dos tão simples porquês de alguém nos fazer tão ¨bem¨. Ainda, com muito mais convicção, dizermos aos quatro ventos os defeitos do nosso ser amado! E surpreendam-se (se ainda não se deram conta) continuarmos amando!
A racionalidade foge perdida por falta de neurônios quando se depara com o impasse de responder tão simples indagação: razões para amar? Razões para o amor?
Na mesma velocidade desta fuga, surge ele: singelo por ser ele, e somente ele, e totalmente ele: o amor!
Um estado de espirito continuo que trazemos em nosso ser imaterial de ¨ser humano¨, sem medidas e sem receitas.  O encontrar das almas sem maiores complicações. A essência da vida e, por isto mesmo inquestionável e indubitavelmente irracional diante a inútil busca por respostas para ele acontecer.
Não, meu amor, não há razões para amar, não há razões para o amor, porque o amor é o amor! A epifania :aparição divina !

Daniele C.Rotundo



Leia outras matérias desta seção
 » Estado neardenthal?
 » No mundo dos "Es", pensando como pensar
 » Pensando como pensar
 » 2020 - Cicatrizes na alma
 » João, Pedro e Rita - parte II
 » O mês do cachorro louco
 » O peso das coisas
 » João, Pedro e Rita
 » E se tudo isso não passar
 » Diário caótico sobre o coronavírus
 » Oração de aniversário
 » Encontros & Desencontros II
 » Encontros & Desencontros e o tempo
 » O tempo e a mulher do espelho
 » A mulher do Espelho
 » Sou mas quem não é (pirada)
 » Biblioteca
 » Carta para os olhos vazarem
 » Férias no paraíso, pero no mucho.
 » A dificuldade de recomeçar
 » Texto exclusivamente feminino
 » Meu Amigo!
 » O incêndio no Museu Nacional
 » Diário de uma jovem Mãe
 » Depressão: O beijo da morte
 » Depressão: os ruídos
 » A bolsa misteriosa de Anabella
 » Amizade
 » Em Terra de cego quem tem olho é rei?
 » Inspiração
 » Se disser que esperará, espere!
 » Eu acredito na humanidade!
 » A bituca de cigarro
 » Os filhos voam!
 » Ser limpante ou o trabalho caseiro
 » Carícia da vida
 » A verdade
 » As palavras matam ou morrem ?
 » Matemática simples
 » Família um conceito complexo
 » Altruísta egoísta
 » A pequena bolsa de Anabella
 » À deriva (?)
 » Adeus ano velho
 » Quando o bem não faz bem!
 » Forever
 » Quero Poetar!
 » “O Abutre”!
 » Me permito amar?
 » Quebrar-se
 » A felicidade
 » Impiedoso tempo
 » Quem sou eu ?
 » Esquecer
 » Esquecer @? - Olvidar
 » Fragmentos II
 » Fragmentos
 » Despertemos!
 » Transe no deserto
 » Destino ridículo !
 » O cortiço da vida
 » Círculo de desafetos
 » Sou um vulcão
 » Conversa com a àrvore
 » Encerrar ou cerrar ciclos?
 » A “basura” no México
 » Doença de amor
 » Poesia
 » As regras da vida
 » Os grandes homens....
 » Prelúdio à loucura
 » Razões para amar? Razões para o amor?
 » O mundo perdido dos sonhos!
 » Devaneios de um cérebro ?

Voltar