» Colunas » Saúde

03/10/2008
Vitamina C pode reduzir eficácia de drogas anticâncer, diz estudo

Pesquisadores descobrem que vitamina ajuda na proteção de células cancerosas.

Suplementos com vitamina C podem reduzir substancialmente a eficácia de medicamentos para combater o câncer, sugeriu uma pesquisa americana.

Os pesquisadores do Memorial Sloan-Kettering Cancer Center, em Nova York, testaram em laboratório vários medicamentos usados em quimioterapia em células cancerosas tratadas previamente com uma forma de vitamina C (DHA, ácido dehidroascórbico).

Eles verificaram que os remédios mataram de 30% a 70% menos células de câncer em comparação a células do mesmo tipo com vitamina C. A variação percentual dependia do tipo de droga testado.

Depois, os cientistas buscaram uma confirmação dos resultados implantando células cancerosas humanas em ratos de laboratório.

Embora a quimioterapia mantivesse tumores não tratados sob controle, os tumores cresceram mais rapidamente quando as células haviam sido tratadas antes com vitamina C.

A pesquisa foi divulgada na revista Cancer Research, da Associação Americana de Pesquisa do Câncer (AACR, em inglês).


Mitocôndria

Alguns tipos de medicamentos contra o câncer produzem moléculas conhecidas como radicais livres, que podem reagir com outras moléculas da célula cancerosa, forçando a sua morte.

Em teoria, a vitamina C pode "varrer" os radicais livres, mantendo as células cancerosas vivas apesar do tratamento quimioterápico.

O estudo, que incluiu a participação de pesquisadores da Universidade de Columbia, verificou que a vitamina C protege estruturas dentro das células responsáveis pela produção de sua energia - as mitocôndrias que, se danificadas, podem levar a célula à morte.

"A vitamina C parece proteger a mitocôndria de danos maciços, salvando a célula. E, diretamente ou não, todas as drogas de combate ao câncer funcionam para desarticular a mitocôndria e provocar a morte da célula", disse Mark Heaney, líder da pesquisa.

Trabalhos anteriores da mesma equipe demonstraram que a vitamina C, aparentemente, é acumulada dentro das células cancerosas mais do que nas células normais.

"Nós reconhecemos que o DHA (ácido dehidroascórbico) é a forma de vitamina C que entra nas células, e que o microambiente do tumor permite às células de câncer converterem mais vitamina C em DHA", afirmou Heaney.

O pesquisador disse que suspeita que a vitamina C seja boa para as células de tecidos normais porque dá maior proteção à mitocôndria e, assim, prorroga a vida da célula. "Mas isto não é o que você quer quando está tentando eliminar células cancerosas", disse ele.

Heaney ressalta que os pacientes com câncer deveriam adotar uma dieta saudável, que inclua alimentos ricos em vitamina C. O seu uso em grandes doses em vitaminas compradas nas farmácias é que é preocupante, afirmou.

G1

Leia outras matérias desta seção
 » Leishmaniose tem mecanismo desvendado
 » Nova abordagem para metástese
 » Quais as diferenças entre as vacinas
 » Coronavírus: A variante Indiana
 » Cárie infantil RX não é indicado
 » Vacinas quando tomar a 2ª dose
 » Vacinas: quanto tempo dura a proteção?
 » CoronaVac para além dos anticorpos
 » Vacinar 15% da população é
 » Coronavírus só a idade não é fator determinante
 » Coronavírus: não existe mais grupos de risco
 » Vitaminas em excesso são prejudiciais
 » Coronavírus x Gripe espanhola a história se repete
 » Coronavírus: Aspirina pode ser benéfica
 » Coronavírus: Macrófago é um dos vilões
 » Coronavírus:Pode permanecer mais de 14 dias no organismo
 » Coronavírus:Pacientes resistentes podem ajudar
 » Leucemia linfoide aguda (LLA),
 » Coronavírus:Antiviral é aprovado
 » Coronavírus:catástrofe iminente


Voltar