» Colunas » Saúde

04/01/2012
Risco de amputação em cerca de 20% dos casos de feridas nos pés de diabéticos.

A Associação Médica de Podiatria Americana divulgou, nesta segunda-feira, uma pesquisa que revela o risco de amputação em cerca de 20% dos casos de feridas nos pés de diabéticos. Por ano, são estimadas 42 mil pessoas com diabetes que precisam amputar membros inferiores.

 

Conhecido como "pé diabético" pela comunidade médica, a doença apresenta como sintomas feridas que não curam, dormência, falta de sensibilidade, cor azulada, ressecamento e inchaço local. O "pé diabético" pode atingir ainda a circulação sanguínea, bem como os nervos.

O diagnóstico precoce e o tratamento devido podem evitar a maioria dos casos de amputação, segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV), Guilherme Pitta. Além do "pé diabético", medidas de precaução ajudam a afastar casos de insuficiência renal com hemodiálise, infarto e a cegueira.

 

A SBACV tem uma página na internet (www.sbacv.com.br) na qual informa sobre formas de prevenir lesões e orienta sobre exames e sintomas. A entidade pretende realizar parceria com o Ministério da Saúde para implantar na rede pública de saúde um programa de profilaxia do "pé diabético". Números divulgados pela instituição mostram que em 2002 e 2003, houve queda de 50% dos casos de amputações de coxas e pernas.


Rius / SRZD

Leia outras matérias desta seção
 » Imunoterapia contra o câncer
 » Restrição de proteínas ajuda a controlar diabete e reduzir obesidade,
 » Leishmaniose pode ser fatal
 » Câncer de sangue - nova terapia
 » Câncer retal curado
 » Sequelas de quem teve Covid-19
 » Zeaxantina protege os olhos
 » Emagrecedores proibidos pela Anvisa
 » Doença Falciforme a cura
 » Losartana:remédios são recolhidos
 » AVC ou derrame o que é ?
 » Câncer no testículo
 » Fungos podem transmitir doenças graves
 » Covid19 vírus desafia nossa imunidade
 » Covid19 e o Dímero-D
 » Assombroso não é ter câncer, mas sim não ter
 » Os chás que são venenos ou não ?
 » Vacinas com vírus desativados protegem mais
 » Aterosclerose e seus fatores de risco
 » Vacina em crianças


Voltar