» Colunas » Economia

18/08/2012
Recuperação sim, embalo não

18 de agosto de 2012 | 12h25

O governo, com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, à frente, está trombeteando uma série de indicadores recém-divulgados, referentes a junho e julho. Esses indicadores estão apontando, com mais nitidez, para o início da recuperação da economia, depois de um período de esfriamento.

Mantega comemorou os números do comércio varejista em junho e a abertura de vagas de emprego formal em julho. Comemorou também o índice de crescimento econômico do Banco Central (IBC-Br), de junho, divulgado ontem. O IBC-Br é um indicador antecedente do nível de atividade, cujo resultado concretamente medido será divulgado pelo IBGE no fim deste mês.

O ministro está no papel dele. Mas, para quem observa o desenrolar da conjuntura econômica, nem as informações agora conhecidas trazem a novidade do início de uma recuperação surpreendente, nem permitem embarcar na canoa ultraotimista de Mantega.

Pelo andar da carruagem – e a evolução dos indicadores da atividade econômica -, era possível acreditar, já há algum tempo, que o fundo do poço do ciclo de esfriamento tivesse sido alcançado em maio. Se junho, de fato, mostrou comportamento misto, com setores já apresentando recuperação e outros ainda em baixa, os indicadores de julho estão vindo com resultados melhores em maior número de segmentos, mas não em todos.

O IBC-Br de junho apontou uma expansão de 0,75% sobre maio. No segundo trimestre, no entanto, a alta foi próxima de 0,4% sobre os três meses anteriores. Pelo IBC-Br, no primeiro semestre, o crescimento ficou perto de 0,7%. Esse ritmo expressa uma expansão anualizada da economia nas vizinhanças insatisfatórias de 1,5%.

As projeções dominantes apontam para uma variação positiva do PIB no ano entre 1,5% e 2%. Se tais estimativas estiverem corretas, o crescimento nos dois próximos trimestres, principalmente neste terceiro, não será grande coisa. Julho deve ser melhor que junho, agosto melhor que julho e assim por diante.

O comportamento da conjuntura econômica neste segundo semestre ainda depende das ações do Banco Central e do Ministério da Fazenda. Se o BC acentuar o corte dos juros, derrubando a taxa básica nominal para 7% ao ano, transmitirá a indicação de que a recuperação não estaria sendo tão rápida. Se, ao contrário, encerrar o já longo ciclo de redução da taxa Selic com um corte maior em agosto ou dois menores, em agosto e outubro, estacionando em 7,5%, dará suporte a expectativas de que o ritmo de retomada ganhou mais velocidade.

No caso da Fazenda, o jogo a ser acompanhado é o da ampliação ou suspensão dos incentivos fiscais ao consumo e do aperto ou alívio no controle dos gastos públicos. No caso da ampliação ou prorrogação dos estímulos, o sinal será de que, na visão do governo, a economia ainda precisa ser empurrada. Adotada a outra alternativa, ficará mais claro que o empurrão anterior já terá sido suficiente.

O filme da evolução econômica em 2012, de todo modo, já está razoavelmente definido. E deverá mostrar uma curva ascendente, trimestre a trimestre, com inclinação suave. A tendência da trajetória é positiva, mas a velocidade do avanço dependerá ainda do comportamento da economia internacional – e esta não deverá ajudar a embalar o trem do crescimento.


Blog - José Paulo Kupfer

Leia outras matérias desta seção
 » Vai se aposentar? veja as novas regras
 » COP26: preço de petróleo deverá despencar nos próximos 15 anos
 » Os riscos do open banking (Banco aberto)
 » Mais imposto: IOF sobe
 » Estagflação em 2022 ?
 » Paulo Guedes, o Faria Loser
 » Atenção ladroagem nacional
 » FGTS: Lucros serão depositados veja como sacar
 » Energia elétrica sobe muito este mês e não para
 » Suspensão dos contratos de trabalho
 » Reforma tributária quando ? provavelmente nunca
 » I.Renda não caia na malha fina
 » A inflação real 2020-2021 e os preços em 1997
 » Carta dos Economistas dura e realista
 » vacina contra o covid19 x atraso tecnológico
 » Como economizar milhões com o bolso alheio
 » Como arrombar um orçamento
 » Quem prometeu cabide de emprego não vai cumprir
 » Pode faltar agua e energia elétrica em 2021
 » Selic a 2% o Banco Central errou feio.....



Voltar