» Colunas » Editorial

20/04/2012
Porções de canibalismo

Para explicar as barbáries de um comportamento absolutamente irracional no caso da venda de salgadinhos recheados com carne humana, é algo que demandaria estudos aprofundados sobre um tema repugnante que causa espanto e horror. Em Garanhuns, agreste pernambucano, o fato foi confi rmado, transcende todas as esferas legais e repercute sobressaltadamente além das fronteiras brasileiras e aquém do que a racionalidade permite compreender. Como se fosse uma atitude normal, pelo menos para quem comercializava os quitutes, o ato insano de alguns seres humanos remete a questionamentos sem respostas acerca de tamanha insanidade e também dos caminhos desconhecidos que o cérebro percorre. Sem parâmetros de avaliação na conduta de um bando de indivíduos dado a práticas homicidas que, além de ocultarem as vítimas,as descarnavam e comercializam os despojos sob forma de salgados, aventurar-se-íam alguns em vislumbrar hipótese lamentável de religiões primitivas, ou crenças desorientadas de um momento obscuro e tempestuoso da história da humanidade. Outros certamente, mais afeitos ao materialismo com suas objetividades científi cas, compreenderiam o fato como delito decorrente de insanidades de um mundo à beira do abismo existencial. Outros, até considerariam a proximidade do fi nal do mundo, à sugestão de calendários de grandes civilizações habitantes de nosso planeta em idos tempos. O inegável é que, há cerca de dois meses, nas terras do ex-presidente da República, a pretexto de participarem de uma seita na qual se prega a purifi cação do mundo promovida pela assassínio de três mulheres por ano, pessoas foram exterminadas e usadas como alimento para outras, um sinal puro de canibalismo. Mais que absurdo é saber que existe a prática nazista, recalcada, alienada, selvagem, torpe, fútil, abjeta, cruel, fazendo corar de repugnância e remetendo a tempos nos quais a balança da justiça seria imediatamente substituída por gládio afi ado e incoercível, liminarmente. Diante de atrocidades dessa natureza, o mínimo que se poderia esperar e exigir seria a repressão do Estado por meio de um julgamento justo, uma condenação exemplar sem quaisquer possibilidades de usar as brechas da Lei como elemento de escape ou ainda, a bem da civilização, a internação de inclassifi cáveis assassinos em manicômio judiciário por infi nitos e incontáveis anos. Afi nal, nos tempos de hoje é inaceitável saber que ações selvagens possam representar seres humanos matando seus semelhantes para serem usados como recheio de iguarias, servida em porções de canibalismo.


Fabio Cenachi - Professor Universitário

Leia outras matérias desta seção
 » Liberdade de Imprensa
 » Caieiras: As trapalhadas do Gilmar
 » Caieiras:Mais um imbróglio da gestão Gilmar
 » Caieiras:Despesas de 2021 tem limite ultrapassado
 » Lagoinha e seus Jabutis
 » Recado para prefeitos "distraídos" ou caloteiros
 » Caieiras:Prefeitura inova na execução fiscal
 » Caieiras:Como cutucar a onça com vara curta
 » Caieiras:Professores quem liga para eles?
 » Caieiras: Prefeito corre o risco de virar peneira
 » Caieiras:Exemplo de como gastar o dinheiro público
 » Lagoinha o rei dos imbróglios, agora é o subsídio!
 » Semeando a discórdia
 » As licitações "bomba relógio" em Caieiras
 » Caieiras: O Município que nada em dinheiro
 » Dr. Peter (Juiz da Comarca) rejeita queixa crime do prefeito lagoinha contra o vice, dr. cleber
 » Prefeitos: Receita infalível para se tornar inelegível
 » Guedes inventa um pássaro sem asas
 » Janio Quadros: faz quase 40 anos que esteve em Caieiras
 » Caieiras: a loucademia de maus políticos



Voltar