13/12/05
Nataleluia Brodher

Vamos lá minha gente, da minha nação, é dezembro, mês da consumição.
Superlotem as conduções, congestionem o transito indecente e vão todos comprar presentes. No esbarra, esbarra, empurra, empurra, não é afronta, façam suas compras sem apuros e que se dane o futuro.
Gastem tudo, até o décimo terceiro e façam uma banana para o sistema financeiro. Natalistas , são a felicidade dos capitalistas, mas, não faz mal, curtam o Natal, pois, muitos que não se aturam no Natal se empanturram.
E assim o ano chegou ao fim. Para as “crianças” recomeçam as esperanças. Esperanças são ausências que dominam as consciências daqueles que vivem na inconsciência.
A mídia tem razão, o povo precisa de distração. É tanta que ninguem se espanta até quando alguem chuta a santa.
O brasileiro, coitado, é turista de supermercado!
Em nosso país sem guerra, estão espalhados os sem terra. Tem muita seita e todo mundo aceita. Se é coisa da lua, que cada um fique na sua.
Eleitos pelo povo, bastam poucos anos para que alguns improducentes se aposentem. Por isso, quando houver pleito, vote e colabore para que sejam reeleitos.
É muita brincadeira! Futebol tem a semana inteira. Distração sem limite,serve para qualquer um passar a semana dando palpite. Não tendo separação, no Brasil é só união.
Assim, a humanidade caminha, só falta o Papai Noel usar camisinha. Pedofilia com ele, criança não tem medo porque ele tem saco de brinquedo.

Altino Olímpio

Leia outras matérias desta seção
 » Fim de domingo
 » Mas que falta de consideração
 » Nada como poder falar e aparecer
 » Minhas andanças por ai
 » Agora temos contatos, mas não com tatos
 » Quem sabe, sabe e conhece bem
 » A enganação parece eterna
 » A grande fraternidade branca
 » Os dias que sempre nos esperam
 » Frases ou lembranças que me chegam
 » O paraíso perdido
 » Penso, logo existo. jargão antigo
 » Os ladrões do tempo
 » A sacanagem não muda
 » Para os que não pensam pensarem
 » Não é tudo que o tempo modifica
 » O braço direito do homem
 » O inexplicável sentido da vida
 » Tempos e contratempos
 » Raciocinar cansa muito

Voltar