01/12/2017
Nós, os Adãos de todos os tempos

Quem se lembra de quando nasceu e veio a existir neste mundo sem saber pra que veio? Alguém se lembra da palmadinha que antigamente se recebia no bumbum para chorar e assim respirar pela primeira vez? Todos se lembram do Adão da Bíblia que simbolizou o primeiro homem a vir ao mundo. “O Senhor Deus formou o homem do pó da terra, insuflou em suas narinas um sopro de vida e o homem tornou-se um ser vivo”. Implícito está que só depois de ter recebido o sopro da vida (e não antes) é que o Adão tornou-se “uma alma vivente”. Isso teria alguma coisa a ver com a primeira respiração que tivemos para sermos um ser vivo ou uma alma vivente igual ao Adão? Parece que sim, mas, quem insuflou em nós o sopro da vida?

No imaginário popular só em Adão Deus insuflou o sopro da vida e em nós, não (risos). Para nós a primeira inalação teve explicação científica. Antes de vir ao mundo o pulmão da criança ainda não funciona e ao nascer é a primeira inalação que o faz funcionar e desde então para sempre em sua vida. O pulmão mantém uma relação com a atmosfera, com o ar, com o oxigênio. Voltando ao sopro da vida, ela como força, como energia que nos faz existir conscientemente só nos penetra com o primeiro ar ou oxigênio inalado? Antes disso só somos corporificados com ingredientes materiais? Esses questionamentos não fazem parte da maioria em seus cotidianos. Se fizessem nem quero pensar na confusão de “opiniões” em que todos se envolveriam. Nós nem sabemos que as palavras (nossos símbolos de comunicação) não exprimem a exatidão dos fatos que queremos expor.

 

Altino Olympio

 

 



Leia outras matérias desta seção
 » Nós, os Adãos de todos os tempos
 » Brincando com a vida
 » O pesadelo terminou num sonho bom
 » Moda que incomoda
 » Mundo perverso
 » Salto para a vida
 » O melhor programa de televisão
 » Foram bilhões que desapareceram antes
 » A reputação morreu
 » O prevalecer dos enigmas
 » Essas crianças grandes...
 » Dia dos mortos alegre para os vivos
 » Os Anjos da Guarda
 » Neste mundo tem gosto pra tudo
 » Morrer e renascer
 » Vivências inquietantes
 » A ciência e a inconsistência
 » Reencontros parentescos
 » Dispensar pensamentos
 » O mundo e a humanidade

Voltar