14/07/2020
Raciocinar cansa muito

Qualquer criança aos seus cinco ou seis anos de idade já sabe, embora, de uma maneira restrita, a primeira das operações da matemática que é o somar. Ela sabe contar quantas goiabas colheu da árvore desse fruto. Na escola ela mais vai aprender e se aperfeiçoar “com os professores” muito sobre a matemática e sobre outras matérias escolares.

“É o início (não para todos) do condicionamento do ‘precisar’ saber das coisas através dos outros”. Acompanhando esse raciocínio, sutilmente isso poderia diminuir a criatividade própria que todos deveriam ter. Não se trata aqui do aprender uma profissão, pois, isso sim exige o aprendizado com outros.

Como é de praxe, muitos adultos sempre se reúnem para ouvir alguém discorrer sobre questões que eles mesmos poderiam considerar a probabilidade e utilidade delas se eles utilizassem os seus próprios raciocínios (coisa rara hoje em dia). Muitas pessoas reunidas para ouvir outra me relembram de uma sala de aula dos alunos do antigo curso primário onde os alunos simples e ainda ingênuos, atenciosamente ouviam e aprendiam os ensinamentos úteis e praticáveis para o futuro de suas vidas dados pelos seus professores.

Altino Olimpio

 

 

 

 

 



Leia outras matérias desta seção
 » Não é tudo que o tempo modifica
 » O braço direito do homem
 » O inexplicável sentido da vida
 » Tempos e contratempos
 » Raciocinar cansa muito
 » Se formos o que pensamos...
 » As lendas sobre o homem do passado
 » Puxão de orelha
 » O homem, suas ilusões e fantasias
 » Costumes sagrados interrompidos
 » O túnel do tempo
 » Mas que vida engraçada
 » Cada dia uma para encher o saco
 » Durante a pandemia a ociosidade faz pensar
 » Somos prisioneiros do tempo
 » Achismos incoerentes
 » Governador de São Paulo e a China
 » A mulher muito bonita
 » O desabafo da amiga
 » Quem procura encontra?.

Voltar