28/10/2020
Fim de domingo

O estar em silêncio já é a condição para a mente se deleitar com poucos pensamentos. Não havendo ruídos e nem o ouvir de vozes humanas, a calma noturna é mesmo propícia para se interiorizar e exteriorizar o que vier ao pensamento. E o pensamento busca por um pensamento para se focalizar nele e dele extrair a consciência de se estar num estado sublime. A música suave que vem através do fone de ouvido ligado ao computador. Um gato dormindo em cima dele, outro sobre a mesa à minha direita e outro adormecido no meu colo. Eles são dos instantes em que minha mente descansa na ausência que ela sente do tempo.

Fim de domingo! Da noite para a madrugada a consciência quer ter reflexões. Curiosamente a mente está calma e quase sem pensamentos. A sensação é de estar consciente de que não preciso de nada. Fechando os olhos e ouvindo a música que provoca emoções indefinidas e ao tapar com as mãos os olhos já fechados, o olhar de dentro continua enxergando. Cores borradas e imagens incompreensíveis. A seguir, o olhar interno da imaginação revê as cenas de paisagens verdes, montanhas e cascatas e as ondas do mar se quebrando na praia, tudo visto nos vídeos que circulam pela internet. Nas vezes que me lembro do mundo penso também como sou pequeno diante dele e ainda mais se comparado com o infinito do cosmos.

Mas, a consciência não gosta de ficar inativa, ele quer atrair pensamentos para se manter ocupada, como sempre ela quer. Também o silêncio rebusca na memória o que ela poderia dispor sobre alguma idéia do que seria a vida e pra que ela é e qual a finalidade dela. Nunca pra ninguém houve alguma resposta convincente e as que existem pelo mundo são disparates. Entretanto quando se está só e em silêncio de fim de domingo é confortável ficar pensando na vida “apenas em como se a sente” sem se incomodar em indagar sobre o mistério dela. O estar só e sem lembranças é estar no estado presente “de corpo e alma” sem o passado e sem o futuro. É quando a vida mais se faz perceber com as características do nosso modo de ser.

Altino Olimpio

 

 



Leia outras matérias desta seção
 » Os brasileiros sempre foram bondosos
 » Antigamente o absurdo era inconcebível
 » Fim de domingo
 » Mas que falta de consideração
 » Nada como poder falar e aparecer
 » Minhas andanças por ai
 » Agora temos contatos, mas não com tatos
 » Quem sabe, sabe e conhece bem
 » A enganação parece eterna
 » A grande fraternidade branca
 » Os dias que sempre nos esperam
 » Frases ou lembranças que me chegam
 » O paraíso perdido
 » Penso, logo existo. jargão antigo
 » Os ladrões do tempo
 » A sacanagem não muda
 » Para os que não pensam pensarem
 » Não é tudo que o tempo modifica
 » O braço direito do homem
 » O inexplicável sentido da vida

Voltar