» Colunas » Economia

21/08/2012
Investimento direto estrangeiro

Mapa: De quais países o Brasil mais recebe investimento direto estrangeiro.
Fonte: Exame/ Pesquisa Ernest & Young

Segundo a pesquisa da Ernerst & Young publicada pela revista Exame, apesar da crise econômica global, o Brasil continuou a receber aplicações de outros países em 2011.
“O valor total investido foi de quase 63 bilhões de dólares. Considerando valor financeiro, o Brasil foi o segundo país que mais recebeu dinheiro de fora em 2011. A estimativa é que esses projetos tenham criado 161.166 empregos.
A cidade que mais recebeu investimento estrangeiro, por número de projetos, foi São Paulo. Em seguida, ficaram o Rio de Janeiro e Curitiba.”

A grande dúvida é para onde vai esse investimento?
Seguindo a pesquisa, a expansão da classe média no Brasil que gera o aumento de demanda, aliado a expansão do crédito e questões geográficas, já que o Brasil possui reservas  inexploradas de recursos naturais foram aspectos que tornaram o país interessante para investidores. Além das condições econômicas e geográficas, as políticas de estímulo por parte do governo e a Copa do Mundo em 2014 e os Jogos Olímpicos em 2016 também foram fatores de atração.
Cita-se como empecilhos aos investimentos porém a escassez de mão de obra especializada e a qualidade de sua infraestrutura.
Pontos que deveriam estimular investimentos do governo para que esses investimentos viabilizassem maiores aportes de investimento estrangeiros para o país.
Considerando o número de projetos realizados, os setores que mais receberam investimentos diretos estrangeiros em 2011 foram:

1. Tecnologia da informação e comunicação (TIC)
Esse setor atraiu 105 projetos em 2011, ante 69 em 2010. Com isso, a participação do setor foi de 21% do total. O valor total chegou a 14,78 bilhões de dólares no ano passado.
O setor de TIC também se destacou como o quarto maior em termos de criação de emprego no Brasil em 2011, com 17.724 postos de trabalho.
O estudo destaca que o Programa Nacional de Banda Larga aumentará a demanda por produtos e serviços de TI. O Programa abre o mercado de TV a cabo para empresas telefônicas e companhias com propriedade estrangeira superior a 49%.
2. Produção industrial
A indústria da Transformação atraiu 94 projetos em 2011. O aumento em relação a 2010 foi de 100%. O setor representou 19% do total de investimentos estrangeiros diretos no ano passado. O valor chegou a 4,6 bilhões de dólares.
“Os investidores interessados na indústria de transformação estão despejando dinheiro no estabelecimento de instalações para atender tanto à demanda doméstica como a de exportação”, informou o estudo. O setor criou 21.822 vagas de emprego em 2011.
“Apesar de o custo da mão de obra no Brasil ser maior do que em outras economias emergentes, como China e Índia, ele ainda é competitivo em comparação com as economias de mercado desenvolvidas como, Estados Unidos, Japão e a zona do euro”, informa o estudo.
3. Serviços empresariais
Os serviços empresariais foram responsáveis por 10% do número total de projetos de IED em 2011 – ante 8% em 2010. Eles atraíram um total de 53 projetos no ano passado. O valor foi de 687 milhões de dólares.
Segundo o estudo, o crescimento da participação desse setor evidencia a lenta transição do Brasil de país dependente de commodities para uma nação conduzida pelos serviços.
Os projetos de IED no setor foram direcionados principalmente para funções como vendas, marketing e suporte; educação e treinamento; CIT e infraestrutura de internet; e centrais de atendimento ao cliente, segundo o estudo.
4. Varejo e produtos de consumo
Em 2011, esse setor foi responsável por 9% de todos os projetos de IED, sendo o segundo em criação de empregos, com 23.051 postos de trabalho. No total, foram 44 projetos, três a mais do que em 2010.
O estudo acredita que o setor foi impulsionado pela emergente crescente classe média e o crescente poder de consumo no Brasil. O valor foi de 6,87 bilhões de dólares.
O estudo destaca alguns desafios, como os altos tributos impostos às importações para promover a produção local e os gargalos de logística e infraestrutura.
5. Serviços Financeiros
O setor atraiu 35 projetos de IED em 2011 – o que significa 7% do total. O valor atingiu 600 milhões de dólares.
O estudo destacou que, apesar de bancos estrangeiros virem estabelecendo sua presença no Brasil, o Brasil continua dominado por bancos domésticos, como Itaú Unibanco, Bradesco e Banco do Brasil – que são os maiores do país.
6. Mineração e metais
Para investidores estrangeiros esse setor oferece fortes perspectivas, tendo em vista que o Brasil possui um dos maiores repositórios minerais do mundo, segundo o estudo.
No total, foram 35 projetos – um crescimento de 94% em relação a 2010. O valor foi de 18,96 bilhões de dólares. Esse foi o setor que criou a maioria dos empregos: 45.778.
O relatório destacou que apesar de o setor brasileiro de mineração ter sido afetado pela crise financeira de 2008, as companhias estão aumentando seu investimento desde então. Apesar disso, há riscos enfrentados pelo setor no país. O relatório destaca a falta de infraestrutura, escassez de mão de obra especializada e a grande dependência do Brasil das exportações de commodities, entre outros.
7. Automotivo
A indústria automotiva atraiu 33 projetos de IED no Brasil em 2011 – dois a mais que em 2010. O valor foi de 6 bilhões de dólares.
O crescimento do setor ocorreu em decorrência da demanda crescente de consumo e da fácil disponibilidade de crédito, segundo o estudo.
“O ingresso de importações baratas da China e da Coreia do Sul ameaça o setor automotivo do Brasil”, afirma o estudo, ponderando que, para mitigar isso, o governo elevou os impostos sobre carros importados.
8. Químico
A indústria química brasileira registrou 32 projetos de IED em 2011. O valor movimentado somou 1,68 bilhões de reais, aproximadamente.
“O setor continua modesto em termos de investimento estrangeiro”, afirmou o relatório. Foram criados 5.956 empregos em 2011.
9. Transporte e logística
O setor teve 17 projetos em 2011 – exatamente o mesmo número de 2010. O número representa uma participação de 3% no total do ano.
O valor movimentado foi de 725 milhões de dólares. Foram criados 2.689 empregos.
10. Equipamentos
O setor de equipamentos somou 16 projetos em 2011. O número é 45% superior ao do ano anterior e representa 3% do total em 2011.
O valor foi de 375 milhões de dólares. Foram criados 7.519 empregos.
 


Mariana Aleixo Boani - Economista

Leia outras matérias desta seção
 » Selic a 2% o Banco Central errou feio.....
 » Debate no Instituto de economia da Unicamp
 » TCE: Iprem Caieiras, má administração,irregularidades e prejuízo
 » Tributar Livros e Jornais
 » Planos de Saúde estão proibidos de reajustar
 » Nova gasolina:perguntas e respostas
 » Reforma Tributária
 » Declaração I.Renda do MEI
 » Organizações Sociais o peso da corrupção
 » Licitação: erros primários ou propositais?
 » Coronavírus vai custar caro para Caieiras
 » Pequenas empresas: sobrevivência a pandemia
 » Guedes inventa um pássaro sem asas
 » Redução de jornada e salário e suspensão de contratos
 » Crédito para micro e pequenas empresas
 » Redução do salário e jornada de trabalho-STF
 » Coronavírus vai deixar uma herança amarga
 » Na crise use a criatividade
 » Coronavírus:respiradores, a improvisação nacional
 » Coronavírus: Dia da mentira ou dos políticos, como queiram



Voltar