» Colunas » Economia

20/08/2014
Onde investir R$ 1 milhão para viver de renda eternamente?

Internauta tem R$ 1 milhão em mãos e pergunta como aplicar o dinheiro para viver de renda para o resto da vida.

Priscila Yazbek - Revista Exame

Investindo 1 milhão de reais no cenário atual, com a taxa Selic em 11%, consigo um investimento que me pague juros de pelo menos 1% líquido (já descontado o IR)? Veja que eu não quero mexer nesse dinheiro e receber os juros resultantes da aplicação mensalmente para minhas despesas mensais. Isso é atingível?

Resposta de Samy Dana e Alex del Giglio*:

Viver de renda e ficar sem trabalhar pelo resto da vida é um sonho de muitos brasileiros. Contudo, essa tarefa não é tão simples, uma vez que a inflação pode corroer o patrimônio no longo prazo.

Assim sendo, a devida preocupação com a alta dos preços da economia será fundamental para atingir o seu objetivo e somente os rendimentos que superarem a inflação devem ser utilizados para suprir suas despesas.

Dessa forma, você conseguirá fazer com que seu principal não seja reduzido e ainda cresça na mesma velocidade da inflação.

No atual cenário da economia, com a taxa básica de juros da economia, Selic, em 11%, uma carteira relativamente conservadora e bem diversificada pode alcançar um percentual de retorno próximo a 0,85% ao mês, líquido de imposto de renda.

Para tanto sugerimos a seguinte alocação:

* 40%, ou seja, 400 mil reais em papéis de instituições financeiras, isentos de IR, com garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) de até 250 mil reais (entenda a garantida do FGC).

Aplique em letras de crédito imobiliário e do agronegócio (LCIs e LCAs) de duas instituições distintas para permanecer dentro do limite de cobertura do FGC.

* 30%, ou 300 mil reais, em debêntures de infraestrutura, que também são isentas de IR. É possível encontrar esses papéis com vencimento no médio prazo, com pagamento de cupons anuais (juros pagos anualmente) e retorno superior a 1% ao ano.

Nessa aplicação você deve atentar para o risco de crédito da empresa emissora da debênture. Adquira somente papéis de empresas sólidas e bem avaliadas pelas agências classificadoras de rating.

*20%, ou seja, 200 mil reais em Notas do Tesouro Nacional série B (NTN-B), título do Tesouro Direto que tem rendimento bruto de aproximadamente IPCA mais 6% ao ano, ou seja, ganho real de 6% acima da inflação.

Nessa aplicação você estará protegido da inflação se carregar o titulo até o vencimento. Existem vários prazos de vencimento para as NTNs-B, sendo um bom horizonte cerca de 10 anos.

* 10%, ou 100 mil reais em Letras Financeiras do Tesouro (LFTs), título do Tesouro Direto que paga a variação da taxa Selic e é um dos  mais conservadores títulos públicos.

Com essa carteira você obterá, hoje, um retorno líquido de aproximadamente 0,83% ao mês.

Você deve retirar apenas o rendimento que superar a inflação, que seria cerca de 0,30%, ou algo como 3 mil reais. Assim, você conseguiria ter uma renda mensal até o fim da vida sem corroer o seu patrimônio de 1 milhão de reais.


http://exame.abril.com.br/

Leia outras matérias desta seção
 » Selic a 2% o Banco Central errou feio.....
 » Debate no Instituto de economia da Unicamp
 » TCE: Iprem Caieiras, má administração,irregularidades e prejuízo
 » Tributar Livros e Jornais
 » Planos de Saúde estão proibidos de reajustar
 » Nova gasolina:perguntas e respostas
 » Reforma Tributária
 » Declaração I.Renda do MEI
 » Organizações Sociais o peso da corrupção
 » Licitação: erros primários ou propositais?
 » Coronavírus vai custar caro para Caieiras
 » Pequenas empresas: sobrevivência a pandemia
 » Guedes inventa um pássaro sem asas
 » Redução de jornada e salário e suspensão de contratos
 » Crédito para micro e pequenas empresas
 » Redução do salário e jornada de trabalho-STF
 » Coronavírus vai deixar uma herança amarga
 » Na crise use a criatividade
 » Coronavírus:respiradores, a improvisação nacional
 » Coronavírus: Dia da mentira ou dos políticos, como queiram



Voltar