» Colunas » Economia

06/12/2020
Pode faltar agua e energia elétrica em 2021

Quando a irresponsabilidade prevalece

O índice de desmatamento da Amazônia atingiu sua pior marca desde 2008, segundo dados desta semana do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), registrando um crescimento de 9,5% entre agosto de 2019 e julho de 2020. Além disso, esta semana houve a decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) de, a partir de dezembro, adotar bandeira vermelha patamar 2 para a energia elétrica por conta do baixo nível de reservatórios de usinas hidroelétricas importantes.

Em entrevista ao Jornal da USP no Ar, Pedro Luiz Côrtes, professor da Escola de Comunicações e Artes (ECA) e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da USP, estabelece uma relação entre os eventos citados e dá um prognóstico para o próximo ano. Ele explica que os problemas de abastecimento estão diretamente ligados à questão ambiental, pois são ventos chamados “rios voadores” que trazem a umidade das regiões de floresta para a região central do País. Com o desmatamento, esse fluxo é interrompido, levando à redução do volume de chuvas na área e exigindo o maior uso de termelétricas, cuja energia é mais cara.

Outro fator que preocupa o especialista é que os níveis dos reservatórios que abastecem a Região Metropolitana de São Paulo estão mais baixos, inclusive o do Sistema Cantareira, que está em 31,7% – nível comparável a dezembro de 2013, que antecedeu a crise hídrica de 2014-2016. Ele conta que esse sistema não se recuperou depois da crise hídrica: “Antes, sua capacidade chegava a 80%. Hoje, mesmo contando com uma fonte adicional de água e um sistema comedido de uso, ele não consegue ultrapassar os 60%”.

Isso, somado a estiagens prolongadas ocorridas no Sul do País, afeta as represas do Estado de São Paulo, resultando em perspectivas não muito otimistas para o próximo ano. “É preciso considerar que já lidamos com as consequências e que os efeitos do desmatamento da Amazônia não vão cessar. Provavelmente já ultrapassamos o ponto de equilíbrio da floresta, a partir do qual a floresta não consegue mais se recuperar da degradação sofrida. Com isso, continuaremos observando a redução dos níveis dos reservatórios e continuaremos tendo o predomínio da bandeira vermelha”, indica o professor.

Além disso, a região Sudeste sofrerá com os impactos do fenômeno La Niña pelo menos até a metade de 2021 e também a Fase Neutra, que vem em seguida, que prejudicam significativamente a recarga dos mananciais que abastecem São Paulo. Portanto, Côrtes prevê que problemas de abastecimento no próximo ano são possíveis.


jornal da usp

Leia outras matérias desta seção
 » I.Renda não caia na malha fina
 » A inflação real 2020-2021 e os preços em 1997
 » Carta dos Economistas dura e realista
 » vacina contra o covid19 x atraso tecnológico
 » Como economizar milhões com o bolso alheio
 » Como arrombar um orçamento
 » Quem prometeu cabide de emprego não vai cumprir
 » Pode faltar agua e energia elétrica em 2021
 » Selic a 2% o Banco Central errou feio.....
 » Debate no Instituto de economia da Unicamp
 » TCE: Iprem Caieiras, má administração,irregularidades e prejuízo
 » Tributar Livros e Jornais
 » Planos de Saúde estão proibidos de reajustar
 » Nova gasolina:perguntas e respostas
 » Reforma Tributária
 » Declaração I.Renda do MEI
 » Organizações Sociais o peso da corrupção
 » Licitação: erros primários ou propositais?
 » Coronavírus vai custar caro para Caieiras
 » Pequenas empresas: sobrevivência a pandemia



Voltar