» Colunas » Saúde

26/09/05
Células-tronco produzem colágeno

Técnica para fazer colágeno humano a partir de uma amostra de pele do próprio paciente está sendo testada em laboratório do Rio

Uma dupla de pesquisadores do Rio conseguiu fabricar colágeno humano a partir de células-tronco adultas. A técnica é inédita no Brasil e pode revolucionar o preenchimento cutâneo, usado em tratamentos estéticos para correção de rugas, sulcos e cicatrizes. O procedimento ainda precisa ser testado em pacientes. Mas as experiências em laboratório são promissoras e têm uma importante vantagem em relação aos métodos tradicionais: como a substancia a ser injetada na pele vem do próprio organismo que vai recebê-la, não há risco de rejeição. A técnica foi desenvolvida nos Estados Unidos e na Inglaterra. O primeiro passo é a retirada de um fragmento de pele, de cerca de 1 milímetro a 2 milímetros, do paciente. Deste pequeno pedaço são extraídas as células-tronco, um tipo de célula que pode se diferenciar e constituir diferentes tecidos do organismo. O mais cômodo é que o alvo seja uma região pouco exposta do corpo. Por isso, em geral, escolhe-se uma área atrás da orelha. Em seguida, o material é isolado e cultivado em placas de vidro ou plástico, onde recebe nutrientes. As condições naturais em que o organismo sintetiza o colágeno são reproduzidas in vitro. Assim as células-tronco se transformam em fibroblastos, que são as células responsáveis pela produção de colágeno. Depois, o material é colocado em frascos ou garrafas, que são armazenadas em nitrogênio liquido e permanecem congeladas sob uma temperatura de 150° abaixo de zero. "Usamos células-tronco multipotentes adultas que dão origem à pele. Elas estão localizadas na base da epiderme, ou seja, na camada mais externa da pele, ou no entorno dos pequenos vasos sanguíneos que irrigam a derme, que é a camada logo abaixo da epiderme", detalha o histologista Gerson Cotta Pereira, do Serviço de Imunoquímica e Histoquímica da Santa Casa de Misericórdia do Rio, que fez a pesquisa básica. O estudo ainda vai ser encaminhado à Comissão nacional de Ética em Pesquisa (Conep). O cirurgião plástico responsável pela aplicação do estudo, Ricardo Cavalcanti, observa que o ensaio a ser realizado em humanos vai dar respostas que são essenciais para resolver as duvidas sobre eficácia, durabilidade e o tempo de absorção do material produzido em laboratório. Além disso, é preciso que se determine o custo do procedimento para definir sua viabilidade econômica. Segundo Cavalcanti, as duas principais substâncias usadas atualmente para o preenchimento cutâneo- gordura enxertada e o acido hialurônico- são absorvidas pelo organismo em até um ano, o que exige novas aplicações após esse período. O polimetil metacrilato (PMMA), uma substancia mais recente mas que esta entrando na moda, embora tenha uma durabilidade prolongada, pode, em determinados indivíduos, provocar reação alérgica.

Estocagem

O sucesso no teste em seres humanos, segundo Cavalcanti, pode apontar para a criação de um novo tipo de banco como os existentes hoje para armazenagem de sangue, ossos, esperma entre outros. " O paciente poderia ter o colágeno dele estocado para usar quando quisesse", diz. A equipe estima em dois anos o tempo Maximo para a conclusão do estudo. A técnica desenvolvida no laboratório da Santa Casa de Misericórdia do Rio é promissora, assegura Hiram Laranjeira de Almeida Junior, secretário do Departamento de Biologia e Genética Molecular da Sociedade Brasileira de Dermatologia. "Produzir colágeno a partir de material autólogo (do próprio organismo) evita a rejeição. Por isso, tem um potencial enorme. É preciso agora vencer a etapa da produção in vitro", diz. Almeida Junior desenvolve pesquisas na área de cultura de fibroblastos. O especialista enfatiza, porem, ser essencial conseguir realizar o procedimento de forma que o custo não impeça a sua viabilidade.

O Estado de São Paulo

Leia outras matérias desta seção
 » Reumatismo e seus vários tipos
 » Colesterol alto x coronavírus
 » Coronavírus:Imunidade cruzada
 » Coronavírus: Porque os Diabéticos correm mais risco
 » Canabidiol desenvolvido na USP chega às farmácias
 » Espinheira santa
 » Coronavírus: Pneumonia silenciosa
 » Coronavírus: Ar condicionado pode espalhar
 » Fakes sobre o coronavírus
 » Coronavírus: Doenças crônicas
 » Alcool gel exige cuidados
 » Coronavírus e o Oxímetro
 » Coronavírus: Uso do anticoagulante heparina
 » A batata Yacon e o diabetes
 » Coronavírus não é pior que as outras pandemias
 » Coronavírus: Remdesivir - antiviral
 » Coronavírus: veja a posição da sua Cidade no ranking de mortes
 » Anita contra o coronavírus
 » Coronavírus: visão geral
 » Coronavírus: Mais um medicamento parece que funciona


Voltar