» Colunas » Saúde

11/09/2008
O vilão açucar


O açúcar não é o grande vilão da alimentação das pessoas com diabetes. Mas ele, a beterraba, a banana, a cenoura, a mandioquinha, entre outros alimentos, integram uma lista negra e são temidos pela maioria dessas pessoas. Para manter uma vida saudável e equilibrada, Fernanda Castelo Branco, nutricionista da ADJ, afirma que os pacientes podem consumir qualquer tipo de alimento, incluindo carboidratos, proteínas e gorduras.

Os portadores de diabetes apresentam problemas na produção de insulina pelo pâncreas ou não produzem a quantidade adequada para a síntese do açúcar. Por isso a necessidade de controlar a alimentação e por conseqüência a quantidade de açúcar no organismo.

Mas de acordo com Fernanda, esses pacientes podem comer de tudo e faz um paralelo: tanto para o quem tem ou não diabetes o importante é levar uma vida saudável e equilibrada, é preciso consumir alimentos variados, incluindo carboidratos, proteínas e gorduras. Qualquer pessoa deve ter cuidado na quantidade e na qualidade dos alimentos consumidos, como ensina a conhecida pirâmide alimentar.

Mas controlar não quer dizer proibir e o segredo de uma alimentação equilibrada para os portadores de diabetes são as quantidades que podem ser ingeridas e quando podem. Tanto quantidade quanto freqüência devem estar de acordo com o plano alimentar prescrito pelo nutricionista, que varia de paciente para paciente, dependendo da idade, peso, pratica de exercícios físicos, entre outros.

As pessoas com diabetes podem, sim, comer doces, e todos os alimentos que constam da conhecida pirâmide alimentar, observando apenas as quantidades adequadas prescritas pelos profissionais especializados.

Por exemplo, a beterraba e a cenoura também integram a lista negra por apresentarem gosto adocicado. "A beterraba roxa é fonte de ferro e rica em diversos sais minerais. Uma colher de sopa de beterraba tem apenas 1 grama de açúcar, portanto o alimento está liberado para o consumo" comenta a nutricionista.

Por outro lado, deve-se alertar os portadores de diabetes para que fiquem atentos aos outros alimentos que julgam estarem liberados. O carboidrato é um exemplo disso, pois ao ser digerido, transforma-se em açúcar. Mas isso não quer dizer que massas e pães não possam ser apreciados. Sempre, é claro, respeitando as quantidades a serem ingeridas.

No caso das frutas, estão liberadas em média três unidades por dia. Desde que não sejam consumidas duas ou três na mesma refeição para não ultrapassar a quantidade de carboidratos prescrita pelo nutricionista.

Outra dúvida é quanto ao consumo de bebidas alcoólicas. A ingestão não é indicada, mas segundo a ADA (American Diabetes Association), o consumo deve ser controlado assim como a quantidade permitida, desde que acompanhado pelo médico.

Na maioria das vezes, as pessoas possuem pouca ou nenhuma informação sobre Diabetes e, também por isso, a ONG se preocupa em oferecer atendimento extensivo aos seus familiares. A nutricionista, que compõe o quadro de colaboradores da ADJ, mantém um compromisso semanal com os pacientes e seus familiares. Duas vezes por semana, na sede da associação, há um encontro chamado de Dia-a-Dia. Um dos estágios desse encontro é a aula da nutricionista, que esclarece dúvidas de como e quais alimentos podem ser consumidos.[14]

13° Congresso da Associação de Diabetes
 



www.portaldiabetes.com.br

Leia outras matérias desta seção
 » A pandemia e a depressão em crianças
 » Coronavírus x tipo sanguineo
 » Pomada para feridas diabéticas
 » Coronavírus:Omega 3 x Covid19
 » Reumatismo e seus vários tipos
 » Colesterol alto x coronavírus
 » Coronavírus:Imunidade cruzada
 » Coronavírus: Porque os Diabéticos correm mais risco
 » Canabidiol desenvolvido na USP chega às farmácias
 » Espinheira santa
 » Coronavírus: Pneumonia silenciosa
 » Coronavírus: Ar condicionado pode espalhar
 » Fakes sobre o coronavírus
 » Coronavírus: Doenças crônicas
 » Alcool gel exige cuidados
 » Coronavírus e o Oxímetro
 » Coronavírus: Uso do anticoagulante heparina
 » A batata Yacon e o diabetes
 » Coronavírus não é pior que as outras pandemias
 » Coronavírus: Remdesivir - antiviral


Voltar