» Colunas » Saúde

18/11/2008
Pesquisadores da USP desenvolvem injeção contra o ronco

Tratamento está em fase de teste com 50 voluntários. Técnica só ajudaria vítimas de ronco leve e sem apnéia.

Pesquisadores da USP (Universidade de São Paulo) estão desenvolvendo uma injeção contra o ronco. Os primeiros testes estão sendo conduzidos com 50 pacientes e devem ser concluídos no ano que vem.

A informação foi divulgada pelo diário "Folha de S.Paulo". Segundo os pesquisadores, a injeção, que é aplicada no céu da boca, teria o poder de diminuir o ruído causado pela passagem do ar.

Até agora, 18 pessoas já receberam a injeção. Resultados iniciais indicam que ela funciona de forma equivalente a um outro tratamento, já disponível, que envolve o uso de radiação eletromagnética. O processo, por meio do calor, "endurece" o chamado palato mole, facilitando a pasasgem do ar.

Os pesquisadores apontam uma vantagem para a injeção na questão do custo. Na técnica de radiofreqüência, são três a cinco sessões de tratamento, a um custo de R$ 900 por sessão. Já com a injeção, esse valor cai para modestos R$ 25.

Segundo Michel Cahali, que orienta a pesquisa, a dor propiciada pelas injeções é similar à de aplicação de uma anestesia.

Mas os cientistas ressaltam que o processo só funciona para quem tem ronco mais leve e não sofre com apnéia -- aquelas pausas súbitas na respiração durante o sono.

G1

Leia outras matérias desta seção
 » Stress como lidar com ele
 » Coronavirus - novas notícias
 » Perda de Ossos:droga promissora
 » Cuide do seu coração
 » Hanseníase (Leprae) em alta
 » Câncer: mais uma esperança
 » Bactéria da gonorreia está mais resistente
 » Água viva - Caravela portuguesa podem matar
 » Aspirina, AAS novos estudos
 » Viciados em videogames-Coletânea
 » Ponte de Safena e stents não são melhores que medicamentos
 » Nova droga pode reverter Demência
 » Doença grave x Espiritualidade
 » Insônia
 » Stents-bypass ou medicamentos ?
 » Própolis verde
 » Exames de sangue para que servem
 » Exame de Urina tipo 1
 » Estatinas aumentam risco de osteoporose
 » Diabetes tipo 2 - protocolo oficial da SBD - 2019


Voltar