» Colunas » Saúde

12/01/2009
Saiba como os remédios para emagrecer atuam no organismo

Com tantas opções de remédios para emagrecer, você já começa a se perguntar qual deles vai tomar para perder aquelas gordurinhas. Mas será que é mesmo necessário partir para a medicação? Antes de tomar essa decisão drástica, é bom saber como atuam no organismo e quais são as contra-indicações das principais drogas receitadas pelos médicos.
 
 
Por que eu engordo mesmo comendo tão pouco?

- Antidepressivos: atuam na liberação de serotonina, um neurotransmissor que regula a sensação de saciedade. Remédios como a fluoxetina são indicados para pessoas com problemas de transtorno alimentar. Devem ser ingeridos estritamente com orientação médica.

- Derivados de anfetamina: os mais conhecidos são os princípios ativos femproporex e a anfepramona. Atuam no sistema nervoso central diminuindo o apetite. Podem causar dependência, irritabilidade, insônia, taquicardia, sensação de boca seca, dor de cabeça, constipação, problemas de pressão arterial e alterações de humor.

- Orlistate: a substância ativa do Xenical diminui em 30% a absorção da gordura absorvida pelo intestino. Considerado uma medicação segura, pode ser usado por tempo indeterminado desde que seja acompanhado de dieta.

- Rimonabanto: conhecido como "pílula antibarriga", o princípio ativo diminui o apetite e a formação de gordura, principalmente na região do abdome. Com a redução da gordura da região, há uma melhora no diabetes, na hipertensão e no nível de colesterol e redução do triglicérides. O uso indiscriminado pode causar sensação de boca seca, náusea e enjôo. É contra-indicado em pessoas com histórico de depressão.

- Sibutramina: atua no sistema nervoso central, aumentando a sensação de saciedade. Baixo risco de dependência e de problemas arteriais. Apresenta probabilidade reduzida de efeitos colaterais como sensação de boca seca, irritabilidade, insônia e taquicardia.

"Os remédios para emagrecer não devem ser tomados para fins estéticos. Quem nunca teve problema com sobrepeso e quer perder 5kg em um tempo curto, deve procurar ajuda em um spa, por exemplo", comenta Marcio Mancini, endocrinologista e presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso).

Segundo o médico, dietas radicais a base de remédios em dosagens altas são prejudiciais e, em casos extremos, podem matar. "Além de todos os riscos da alta dosagem, essa pessoa provavelmente irá engordar tudo de novo quando acabar a dieta. O corpo facilita que você ganhe peso novamente porque, para ele, você corre o risco de morrer de inanição", alerta.

A situação é semelhante a se você estivesse perdido em um lugar inóspito e sem alimentos. Seu corpo perde calorias e gordura em quantidade superior a que está "programado". Quando você volta a comer, todas as portas de seu corpo estarão abertas para que se recupere o que perdeu. "Quem não passa por uma reeducação alimentar, não consegue manter o peso", alerta Mancini.

"Todo remédio para emagrecer deve ser prescrito junto com uma nova dieta, com uma proposta de reeducação alimentar", complementa a endocrinologista Mônica Cabral. De acordo com a médica, a perda de peso é alcançada em melhor resultado quando a medicação caminha junto a uma nova dieta. "Os remédios contribuem para acelerar a perda de peso, mas seu uso é temporário", comenta.

Em casos de obesidade, o médico Marcio Mancini afirma que o uso de remédios deve ser mantido por tempo indeterminado. "A obesidade é uma doença crônica e progressiva e deve ser tratada como uma doença do coração, por exemplo. Não se controla uma pressão alta e se retira a medicação", alerta.

Terra

Leia outras matérias desta seção
 » Coronavírus:Omega 3 x Covid19
 » Reumatismo e seus vários tipos
 » Colesterol alto x coronavírus
 » Coronavírus:Imunidade cruzada
 » Coronavírus: Porque os Diabéticos correm mais risco
 » Canabidiol desenvolvido na USP chega às farmácias
 » Espinheira santa
 » Coronavírus: Pneumonia silenciosa
 » Coronavírus: Ar condicionado pode espalhar
 » Fakes sobre o coronavírus
 » Coronavírus: Doenças crônicas
 » Alcool gel exige cuidados
 » Coronavírus e o Oxímetro
 » Coronavírus: Uso do anticoagulante heparina
 » A batata Yacon e o diabetes
 » Coronavírus não é pior que as outras pandemias
 » Coronavírus: Remdesivir - antiviral
 » Coronavírus: veja a posição da sua Cidade no ranking de mortes
 » Anita contra o coronavírus
 » Coronavírus: visão geral


Voltar