» Colunas » Saúde

31/08/2009
Diabetes e o trigo

Noticias

Pesquisa
28/8/2009 - Rcmpharma

Uma resposta imunitária defeituosa à ingestão de trigo pode contribuir para o aparecimento de diabetes Tipo 1, revela um estudo canadense, que envolveu 42 pacientes. Em metade dos voluntários, as células T eram hiper reativas ao trigo, noticia o site Tribuna Médica Press.
Esta investigação permitiu ainda identificar quais os genes associados à resposta imunológica inadequada.
“O sistema imunológico tem de encontrar o perfeito equilíbrio para defender o corpo contra invasores externos sem danificar a si próprio ou reagir em excesso aos fatores ambientais. Esta situação é particularmente difícil de gerir nos intestinos, onde existe uma grande abundância de comida e de bactérias”, explica Fraser Scott, coordenador do estudo e cientista do Instituto de Investigação do Hospital de Ottawa.
“O nosso trabalho sugere que as pessoas portadoras de um gene específico poderão ser mais propensas a sofrerem de hipersensibilidade ao trigo e, possivelmente, a outros alimentos. Esta reação exagerada poderá dar origem a diversos problemas imunitários, como a diabetes Tipo 1”, conclui o especialista.


portaldiabetes

Leia outras matérias desta seção
 » Vacinação: Perguntas e Respostas
 » Coronavírus :em nossas UTIs as mortes são altas
 » Melatonina uma muralha contra o covid19 no pulmão
 » Coronavírus: A nova variante mais contagiante
 » Coronavírus: Cientistas da USP fazem um panorama da situação
 » Alimentos que reduzem o colesterol e o triglicérides
 » Droga experimental pode reverter problemas na memória
 » Teste do covid19 pela saliva
 » Coronavírus: inflamassomas
 » O calor veio para ficar
 » Artrite reumatóide x hemopressina
 » Cirurgia combinada catarata mais buraco macular
 » Coronavírus o que temos hoje para combater
 » Própolis vermelha é anticancerígena
 » Catarata: proteína pode estar ligada a ela
 » Coronavírus: Vitamina D ajuda
 » Bactérias da Antartica contra o câncer
 » Corticóides contra o coronavírus
 » Zolgensma o absurdo de US$ 2 milhões
 » Com tratamento precoce risco de morte cai


Voltar