» Colunas » Saúde

20/11/2009
Feridas no pé diabético

Noticias

Previna-se
19/11/2009 - Medscape

Uma das conseqüências mais comuns do diabetes melito é o chamado pé diabético. Esse problema é caracterizado por pequenas feridas localizadas na sola do pé e sua origem está relacionada aos distúrbios vasculares causados pela doença. Muito freqüentes, essas feridas, se não forem corretamente tratadas, podem evoluir para estágios severos, implicando até mesmo na amputação do pé necrosado.

A alteração vascular é resultado da chamada polineuropatia periférica, que consiste num déficit da inervação daquela região, prejudicando a vascularização do pé. Vale destacar que aproximadamente 3% da população mundial sofrem de diabetes e somente nos Estados Unidos estima-se que mais de cinco milhões de pessoas possuem a polineuropatia periférica.

Primeiros sintomas

As pessoas que possuem essa alteração inicialmente sentem uma diminuição da sensibilidade da superfície da sola do pé, problema denominado parestesia. Isso impede que o indivíduo perceba a formação de pequenas feridas, mais comuns na região plantar devido à intensa pressão causada pelo corpo, além do uso excessivo de sapatos fechados.

As úlceras aparecem, primeiramente, como um rubor que depois se transforma em uma pequena ferida, do tamanho da cabeça de um alfinete. Com o tempo, ela cresce, aumentando tanto em volume quanto em profundidade. Estas úlceras usualmente inflamam e provocam diversas complicações sistêmicas. Quando percebidas precocemente podem ser tratadas e dificilmente trazem seqüelas.

Cuidados que previnem

Hoje, existe uma série de calçados e palmilhas especiais para as pessoas que possuem diabetes. Eles ajudam a prevenir a formação das úlceras iniciais. Uma dica importante para quem tem diabetes é estar sempre com as unhas cortadas bem rente e utilizar, além das palmilhas específicas, sapatos bastante confortáveis e arejados. Procure também olhar freqüentemente a planta do pé e diante de qualquer alteração, busque rapidamente orientação médica. Recomenda-se ainda evitar lugares muito frios e úmidos.

portaldiabetes

Leia outras matérias desta seção
 » O calor veio para ficar
 » Artrite reumatóide x hemopressina
 » Cirurgia combinada catarata mais buraco macular
 » Coronavírus o que temos hoje para combater
 » Própolis vermelha é anticancerígena
 » Catarata: proteína pode estar ligada a ela
 » Coronavírus: Vitamina D ajuda
 » Bactérias da Antartica contra o câncer
 » Corticóides contra o coronavírus
 » Zolgensma o absurdo de US$ 2 milhões
 » Com tratamento precoce risco de morte cai
 » Colchicina age contra o coronavírus
 » Tuberculose novos fármacos para o futuro
 » Coronavírus: perda repentina do olfato
 » Coma Ovo.....ou não ?
 » Guaraná contra o diabetes tipo 2
 » Nova terapia para o mal de Parkinson
 » Coronavírus são seis tipos com sintomas diferentes
 » Coronavírus: teste pelo plano de saúde
 » A pandemia e a depressão em crianças


Voltar