» Colunas » Saúde

20/11/2009
Exercícios físicos para o diabético

Noticias

Diabetes: Saiba Mais Sobre Esse Distúrbio
14/11/2009 - UOL

"14 de novembro é o Dia Mundial de Controle do Diabetes. Em todo mundo, diabéticos, associações e profissionais de saúde promovem diversas atividades para divulgar as causas, os sintomas, o tratamento e as complicações dessa doença.".

O Que é Diabetes

O diabetes é um distúrbio causado pela falta de uma substância denominada insulina. Ele também pode ser causado pela incapacidade da insulina de exercer seus efeitos, fazendo com que o organismo não consiga obter a energia dos alimentos de forma adequada e aumentando os níveis de glicose (açúcar) no sangue.

O controle da glicose é realizado através de um exame denominado glicemia de jejum. Nesse exame, é medida a quantidade de açúcar do sangue. Como muitas pessoas com diabetes apresentam a doença sem perceber os sintomas, é recomendado que adultos maiores de 40 anos, realizem testes para diagnosticar o diabetes a cada três anos. Mulheres grávidas com mais de 25 anos, obesas ou com história familiar de diabetes também devem pesquisar o diabetes, pois pode ser prejudicial ao bebê.

Tipos de Diabetes

Existem alguns tipos de Diabetes. O diabetes tipo 1, é quando a pessoa tem pouca ou nenhuma insulina. Ele ocorre quando as células do pâncreas, que produzem a insulina, são destruídas. Essa destruição pode ser causada por fatores genéticos, ambientais (como caxumba, coqueluche ou rubéola congênita), ou por fatores da própria pessoa. Esse tipo de diabetes geralmente aparece de forma súbita em crianças ou em adultos jovens não obesos.

A diabetes tipo 2 é a forma mais comum de diabetes. Cerca de 90% dos pacientes diabéticos apresentam essa forma da doença. Ele é resultado de uma predisposição genética que pode se manifestar ou não de acordo com os fatores ambientais. Os indivíduos com esse tipo de diabetes possuem menor capacidade de liberar insulina do que os indivíduos normais. Ao contrário dos pacientes com diabetes tipo 1, esses pacientes não são dependentes de injeções de insulina, mas usam um tipo de medicação oral para controlar o excesso de açúcar no sangue. Esse tipo de diabetes geralmente aparece após os 40 anos de idade e está associado à obesidade.

A principal diferença entre o diabetes tipo 1 e tipo 2, é que no primeiro, as células do pâncreas não produzem a insulina suficiente e com o tempo, as pessoas desenvolvem uma resistência às ações dessa substância. Já no diabetes tipo 2, existe alguma produção de insulina, mas as ações dessa substância não são tão eficientes.

Outros tipos de diabetes podem ocorrer devido a queimaduras, como conseqüência de outras doenças ou pelo uso de algumas drogas que induzem ao diabetes. Pode ainda ocorrer o diabetes gestacional. Nesse tipo de diabetes, que ocorre pela primeira vez na gestação, há a diminuição da tolerância à glicose, que, pode ou não persistir após o parto.

Complicações

O Diabetes causa vários problemas a longo prazo, entre eles, complicações oculares, nos rins, nos nervos e nos vasos sanguíneos. O diabetes é a principal causa de gangrena, infarto e derrame.

As pessoas com diabetes podem apresentar uma alteração na retina denominada retinopatia diabética. Com o tempo esse distúrbio pode se transformar em cegueira. No mundo, cerca de 15.000 pessoas por ano se tornam cegas devido ao diabetes. Mas as doenças oculares podem ser prevenidas em 90% pelo diagnóstico precoce e pelo tratamento adequado. Os diabéticos devem ser submetidos a exames oculares pelo menos uma vez ao ano.

Outra complicação do diabetes é a neuropatia periférica. Ela é uma alteração nos nervos que pode causar uma perda da sensação, imobilização, reflexos mais lentos, dor ou sensação de formigamento nos pés e nas mãos. A diminuição da sensibilidade pode fazer com que a pessoa machuque sem sentir dor e o ferimento pode infeccionar por falta de cuidados, desenvolvendo um quadro grave que pode levar a amputação. Por isso, é essencial que a pessoa com diabetes esteja sempre atenta a feridas na pele, principalmente nos pés.

Cerca de 86.000 diabéticos são submetidos a amputações a cada ano. As amputações podem ser prevenidas pelos exames freqüentes dos pés e dos calçados.

A doença nos rins também é preocupante e pode ser prevenida em 50% dos casos, pelo controle adequado da pressão sanguínea e dos níveis de glicose do sangue. Essa doença é denominada nefropatia diabética.

Os rins funcionam como "filtros", que eliminam substâncias desnecessárias e/ou tóxicas para o nosso organismo. Quando ocorre a nefropatia diabética, os rins vão perdendo a capacidade de eliminar, de forma adequada, essas substâncias. Assim, ocorre eliminação exagerada de proteínas. Se a nefropatia diabética não for diagnosticada e tratada de forma adequada, pode evoluir para insuficiência renal, precisando de diálise para o controle.

Sem dúvida, a principal complicação do diabetes é a doença cardiovascular. Por isso, as pessoas com diabetes devem tomar alguns cuidados. Uma preocupação importante é manter sempre baixos os níveis de colesterol. Deve-se também controlar a pressão arterial, a obesidade, o nível de glicose no sangue e o fumo. Além disso, é fundamental a realização de exercícios físicos.

Tratamento

O tratamento do diabetes envolve mudanças no modo de vida e requer intervenções farmacológicas como o uso de insulina ou drogas que abaixam o nível de glicose.

Recentemente, foi publicado na revista Science, um estudo em ratos diabéticos que demonstrou que o uso de altas doses de aspirina abaixa o nível de açúcar no sangue. Segundo os autores do estudo, a aspirina, quando usada em altas doses, bloqueia a ação de uma enzima denominada ikB kinase Beta, que faz com que o organismo fique mais sensível à insulina. Esse efeito da aspirina já vem sendo observado desde 1876. No entanto, antes desse estudo, ninguém sabia porque a aspirina tinha esse efeito no diabetes.

Mesmo após essa descoberta, ainda não é recomendado o uso de aspirina por pacientes diabéticos, pois para que a aspirina tenha algum efeito, é preciso usar altas dose da medicação, o que pode ser muito perigoso. A aspirina em excesso pode causar diversos efeitos colaterais como sangramentos intestinais, tonteiras e náuseas.
Os autores do estudo estão agora procurando uma forma de bloquear a ação da ikB kinase, sem causar os efeitos colaterais da aspirina.

Atividade Física em Pacientes Diabéticos

A realização de atividade física é muito importante para pacientes com diabetes. Já foi demonstrado em muitos estudos que a realização de exercícios reduz os níveis de glicose e melhora a ação da insulina. Essas ações reduzem a necessidade de medicamentos orais e a dose de insulina a ser aplicada. Além disso, o exercício queima calorias, o que ajuda no controle de peso e melhora o humor, ajudando a enfrentar os problemas da doença.

Os exercícios físicos são uma ótima maneira de prevenir as doenças cardiovasculares, eles ajudam a diminuir a hipertensão e o colesterol. Sabe-se que os exercícios físicos são muito benéficos em pacientes com diabetes do tipo 2, mas existem poucas informações sobre o beneficio do exercício físico em pacientes com diabetes do tipo 1. Mas os estudos já realizados sugerem que as pessoas com diabetes tipo 1, que se exercitam regularmente, tendem a ter menos complicações vasculares, neuropatias ou nefropatias.

É aconselhável que os pacientes com diabetes realizem uma avaliação médica completa antes de iniciar a realização de uma atividade física.

Os indivíduos que desenvolveram a neuropatia devem ter alguns cuidados ao realizar exercício. Eles podem experimentar problemas durante as mudanças na intensidade do exercício. Assim os diabéticos são aconselhados a mudar a intensidade do exercício de forma gradativa. As pessoas devem realizar constantemente a avaliação dos pés quanto a feridas, pois elas podem se complicar em pacientes com diabetes.

As doses de insulina devem ser reajustadas. Isso porque o exercício físico aumenta a sensibilidade das células à insulina, assim a pessoa precisará de menor quantidade de insulina para se obter os mesmos efeitos. Normalmente esta redução varia cerca de 30 a 50% nas doses subcutâneas de insulina, o que depende do tipo de exercício.

Por isso, antes de realizar exercícios físicos, os diabéticos devem seguir algumas orientações:

· Escolha de um tipo de exercício que não entre em conflito com as complicações do diabetes (ex. exercício de braço ou natação para pacientes com ulcerações freqüentes no pé).

· Medir a glicose sanguínea antes, durante e depois da atividade física.

· Ingerir carboidrato extra quando for realizar um exercício não planejado (de 20 a 30 mg para cada 30 minutos de exercícios).

· Ter sempre a mão, durante o exercício, carboidratos facilmente absorvíveis

· Ter sempre um plano de exercício.

· Realizar o aquecimento adequado.

· Nunca terminar o exercício de forma abrupta.

· Realizar sempre uma hidratação adequada.

· Se possível, realize os exercícios com um companheiro informado de sua situação.

· Usar um calçado adequado.

· Inspecionar o sapato quanto a corpos estranhos.

Todos os esportes são recomendáveis para as pessoas com diabetes, com exceção daquelas com retinopatia, nefropatia, neuropatia ou com problemas de equilíbrio. Os exercícios mais aconselhados são os esportes aeróbicos com intensidade moderada, como a natação, o ciclismo a caminhada e alguns esportes de equipe.

Alguns esportes como alpinismo, mergulho, ou surf, não são proibidos, mas são menos recomendados, pois possuem maiores riscos no caso de hipoglicemia, perda de equilíbrio, traumatismo dos pés ou retinopatia.

As atividades anaeróbicas de grande intensidade e curta duração, como uma corrida de curta distância, não são recomendadas, pois não levam a perda de peso, não melhoram o condicionamento físico nem controlam os níveis de glicose do sangue. E por isso devem ser evitadas no caso de diabetes.

O ideal é que a atividade seja realizada três vezes por semana ou mais, com duração de pelo menos 40 a 60 minutos.

portaldiabetes

Leia outras matérias desta seção
 » Diabetes: Veja as novidades
 » Câncer de próstata: Olaparibe
 » Cigarro light é mais perigoso
 » Chocolate amargo faz bem ao coração
 » Enxaqueca além da dor de cabeça
 » AVC - Acidente vascular cerebral
 » Você cheira mal ?
 » Tipo sanguìneo e o risco de infarto
 » Maconha: a diferença entre o remédio e o veneno
 » Vermes invasores de cérebros
 » Plantas medicinais
 » Infecções urinárias na mulher
 » Queijo: comer muito não afeta o colesterol
 » Glútem:baixo consumo pode levar à diabetes
 » Salsicha: menos 15 minutos de vida em cada uma
 » Hipoparatireoidismo é tema no Endocaipira
 » Câncer antes dos 30 anos
 » Sinais ignorados antes de um infarto
 » Mal de Parkinson: antibiótico é esperança
 » Absorvente pode causar choque tóxico


Voltar