» Colunas » Saúde

03/12/2009
Agua mineral e o arsênico

Noticias

Revista científica Journal of the American Medical
30/11/2009 - Diário Natural

O arsênico sempre foi um veneno temível por ser facilmente solúvel em qualquer bebida e também por não ter sabor, cor ou odor característicos. E pequenas doses também podem deixar uma pessoa doente de maneira gradual.

Pesquisadores da Universidade John Hopkin, nos EUA, descobriram uma associação forte entre diabetes tipo 2, a mais comum, e os níveis de arsênico na urina dos pacientes. “Parece que não existe um nível seguro de arsênico”, disse a Dra. Ana Navas-Acien, para a Reuters.

Além de muitas pessoas preferirem beber água mineral extraída de poços e veios subterrâneos há certas regiões do planeta que possuem os recursos hídricos escassos e precisam optar pelas fontes de água subterrânea.

Ana disse que o arsênico aumenta as chances de câncer de bexiga, pulmão, rim, pele e, talvez de próstata também.

Dos 800 voluntários do estudo 20% tinham toleráveis 16,5 microgramas de arsênico por litro de urina, e também tinham 3,5 vezes mais chances de desenvolver diabetes do que os 20% com menos arsênico (3 microgramas por litro). Os níveis de arsênico também eram 26% maiores nas pessoas que tinham diabetes tipo 2, do que naquelas sem a doença.

No Brasil até 5 microgramas de arsênico por litro são permitidos na água potável, de acordo com a legislação, segundo o professor de geologia Eduardo Hinvi, que trabalha no Laboratório de Pesquisas Hidrológicas da Universidade Federal do Paraná, que não participou do estudo. Segundo ele a água mineral não é necessariamente mais saudável do que a água tratada da sua torneira. A legislação obriga que cada poço tenha um químico responsável que certifique que a água esteja dentro dos níveis seguros para ingestão humana. “O problema é que ninguém faz isso”, disse o professor adicionando que o custo do procedimento pode ultrapassar R$ 2 mil. O professor Hinvi também disse que, periodicamente, todas as grandes fontes de água mineral varejistas são analisadas obrigatoriamente.

O arsênico contamina a água potável ingerida por milhões de pessoas na Argentina, Chile, EUA, Europa Central e Bangladesh, onde a água mineral é a principal fonte e a terra possui maiores concentrações de arsênico. Nos EUA, 90% dos casos de diabetes são do tipo 2, variedade em que o corpo perde a capacidade de produzir insulina. A Dra. Ana disse que o arsênico pode ter um grande papel na incidência de diabetes, mas seria difícil saber o quanto. O que já sabemos é que o arsênico acumula no corpo humano e danifica a capacidade do corpo produzir insulina para converter açúcar
em energia.
O estudo foi publicado na revista científica Journal of the American Medical
Association. [AFP, Reuters]

portaldiabetes

Leia outras matérias desta seção
 » Vacinação: Perguntas e Respostas
 » Coronavírus :em nossas UTIs as mortes são altas
 » Melatonina uma muralha contra o covid19 no pulmão
 » Coronavírus: A nova variante mais contagiante
 » Coronavírus: Cientistas da USP fazem um panorama da situação
 » Alimentos que reduzem o colesterol e o triglicérides
 » Droga experimental pode reverter problemas na memória
 » Teste do covid19 pela saliva
 » Coronavírus: inflamassomas
 » O calor veio para ficar
 » Artrite reumatóide x hemopressina
 » Cirurgia combinada catarata mais buraco macular
 » Coronavírus o que temos hoje para combater
 » Própolis vermelha é anticancerígena
 » Catarata: proteína pode estar ligada a ela
 » Coronavírus: Vitamina D ajuda
 » Bactérias da Antartica contra o câncer
 » Corticóides contra o coronavírus
 » Zolgensma o absurdo de US$ 2 milhões
 » Com tratamento precoce risco de morte cai


Voltar