» Colunas » Saúde

22/02/2010
Adoçantes artificiais

Noticias

A dose certa: Estudos mostrem que não há qualquer efeito prejudicial
14/2/2010 - Gazeta de Piracicaba

Jocelem Mastrodi Salgado
[email protected]

Há duas décadas, por volta dos anos 80, o consumo de adoçantes dietéticos no Brasil limitava-se a portadores de diabetes, que necessitam restringir o consumo de açúcar. Entretanto, nos últimos cinco anos o mercado de adoçantes no nosso país triplicou impulsionado por um grande número de consumidores cada vez mais preocupados com a saúde e com o impacto que uma dieta rica em açúcar tem sobre a qualidade de vida.

A invasão das prateleiras de produtos dietéticos e light têm sido tão intensa que inúmeras dúvidas acabam surgindo entre as pessoas, tal é a ampla gama de adoçantes comercializados. Além disso, muitas controvérsias ainda existem com relação à segurança de uso dessas substâncias. Embora muitos estudos mostrem que não há qualquer efeito prejudicial, os adoçantes ainda despertam dúvidas e calorosas discussões entre os pesquisadores.

AÇÚCAR X ADOÇANTES. Muitas pessoas ainda ficam em dúvida na hora de escolher entre o açúcar e o adoçante. Afinal, qual é a diferença entre eles? O açúcar é um alimento produzido comercialmente a partir da cana-de-açúcar ou da beterraba. Essencialmente, ele é um carboidrato, cuja função é o fornecimento de energia para o corpo. Essa diferença na quantidade de calorias é a característica mais importante quando se compara o açúcar ao adoçante Já o adoçante dietético sintetizado a partir de edulcorantes, substâncias naturais ou artificiais responsáveis pelo sabor doce, provenientes de matérias-primas tais como aminoácidos, produtos sintéticos e derivados da cana, fornecendo poucas calorias ou nenhuma. Essa diferença na quantidade de calorias é a característica mais importante quando se compara o açúcar ao adoçante. Cada grama de açúcar fornece 4kcal, enquanto no adoçante essa quantidade é reduzidíssima. Eles possuem um poder de adoçamento muitas vezes muito maior que o açúcar de cana (açúcar comum) e são recomendados para dietas especiais como as de restrição (principalmente para diabetes) e de emagrecimento. Embora exista atualmente uma ampla variedade de adoçantes como o ciclamato, a sucralose, o acessulfame-K, o steviosídeo, entre outros, parece que a sacarina e o aspartame são os preferidos de grande parte dos consumidores. Veja uma relação dos principais tipos de adoçantes encontrados no mercado:

CICLAMATO. O ciclamato é um adoçante sintético, não calórico, que foi descoberto em 1940, a partir de um derivado do petróleo, o ácido ciclo hexanosulfâmico. Com um poder adoçante que supera em 30 vezes o da sacarose (açúcar comum), o ciclamato hoje é permitido no Brasil, Estados Unidos, Canadá e em mais de quarenta países, embora tenha sido banido alguns anos atrás em certos países, depois que alguns estudos o associaram ao aumento do risco de câncer de bexiga em ratos. Apresenta um sabor próximo do açúcar, mas com residual amargo. Deve ser evitado por hipertensos, já que costuma aparecer na forma sódica, ou seja, combinado com sódio.

SACARINA. A sacarina é o adoçante artificial não calórico mais antigo que existe. Sua descoberta ocorreu em 1879 e sua utilização ocorre desde 1900. Também extraída de um derivado do petróleo, o ácido sulfanoilbenzóico apresenta um poder adoçante de 200 a 700 vezes maior que o açúcar da cana (sacarose). Sozinha, em altas concentrações, a sacarina tem gosto residual amargo e metálico e, por isso, é normalmente associada ao ciclamato. No nosso organismo ela é absorvida lentamente, mas não é metabolizada, sendo excretada de forma inalterada pelo rim. Apesar de altas doses de sacarina terem sido associadas ao aumento da incidência de câncer de bexiga em ratos, esses resultados foram reavaliados e novos estudos indicam que os tumores em ratos crescem devido a mecanismos que não são relevantes para as condições humanas. Por isso, o governo americano retirou a sacarina da lista de agentes cancerígenos.

ASPARTAME. O aspartame é um adoçante não calórico artificial, descoberto em 1965. Obtido a partir de dois aminoácidos naturais presentes em vários alimentos, o ácido aspártico e a fenilalanina, o aspartame talvez seja o adoçante mais apreciado devido ao seu sabor bastante parecido com o açúcar. Com um poder de doçura de 60 a 200 vezes maior que o da sacarose, o aspartame perde sua doçura quando submetido a altas temperaturas. Por isso, sugere-se que seja utilizado em alimentos e líquidos após a retirada do fogo. É contra-indicado para os portadores de fenilcetonúria (incapacidade do organismo de metabolizar a fenilalanina), uma anomalia rara que geralmente é diagnosticada no nascimento (pelo teste do pezinho). Pelo mesmo motivo, também se desaconselha o uso por grávidas. Ultimamente têm surgido algumas discussões a respeito do uso, gerando controvérsias. Notícias associando o uso do aspartame ao aparecimento de tumores, mudanças de humor, perda de memória entre outros malefícios tem assustado as pessoas. Entretanto, não existem comprovações científicas até o momento de que o aspartame cause qualquer anomalia. Os estudos mostram que somente um consumo muito além do normal poderia provocar efeitos no sistema nervoso. Por isso, a Organização Mundial da Saúde (OMS) sugere uma quantidade limite de ingestão e isso vale para qualquer adoçante artificial. Embora até o momento os estudos mostrem que o aspartame é seguro para consumo, cientistas mais desconfiados continuam pesquisando a relação do consumo sem controle do aspartame com câncer no cérebro, útero, ovário e no pâncreas. Com relação aos efeitos negativos do produto sobre a memória, alguns estudos estão sendo conduzidos para demonstrar que o aspartame, depois de metabolizado no organismo, se transforma em metanol, substância tóxica que pode afetar o cérebro, mesmo em pequenas quantidades.

ACESSULFAME-K. Descoberto em 1967, o acessulfame foi aprovado pelo Food and Drug Administration (FDA, por sua sigla em inglês) em 1988 para uso em bebidas, sobremesas, gomas de mascar e adoçantes de mesa. O acessulfame- K é um sal de potássio sintético produzido a partir de um ácido da família do ácido acético. Com um poder de doçura de 180 a 200 vezes maior que o açúcar, esse adoçante tem um sabor residual semelhante ao da glicose. O organismo o absorve, mas não o metaboliza. É um adoçante seguro.

SUCRALOSE. Adoçante obtido a partir da cloração da sacarose é o único derivado do açúcar. Apresenta um poder de doçura 600 vezes superior ao do açúcar, resistindo muito bem às altas temperaturas, não possuindo sabor residual amargo. O FDA (EUA) aprovou seu uso.

STEVIOSIDEO. Adoçante natural descoberto em 1905, extraído da estévia, uma planta originária da Serra do Amanbaí, na fronteira do Brasil com o Paraguai. É muito consumido no mundo oriental, principalmente no Japão. Seu poder adoçante é cerca de 200 a 300 vezes maior que o da sacarose, sendo o único adoçante de origem vegetal produzido em escala industrial. É totalmente atóxico e seguro ao organismo, mas seu uso é pequeno devido a um sabor residual amargo que possui.

XYLITOL, SORBITOL E MANITOL. Esses adoçantes, obtidos pela redução da glicose (sorbitol) e frutose (manitol) e também pela hidrogenação da xilose (xylitol), têm sido amplamente empregados pela indústria na produção de goma de mascar e balas, já que não causam cáries. Cada grama contém 4 kcal.

Poder maior de doçura do que o açúcar

Os adoçantes são seguros se utilizados na dose correta, de forma não exagerada. Como eles possuem um poder de doçura maior que o açúcar, pequena quantidade é o suficiente para dar sabor a alimentos e bebidas. Deve ficar claro também que crianças não devem usá-los; a lactose presente no leite (açúcar do leite) e a frutose das frutas e sucos garantem um bom suprimento de carboidratos às crianças.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) sugere uma quantidade limite de ingestão dos adoçantes artificiais, em que o cálculo deve ter por parâmetro o peso corporal da pessoa. Veja, a seguir, a recomendação máxima diária de acordo com a OMS.

Recomendação máxima diária de adoçantes (OMS):

Para obter o valor diário (máximo) recomendado basta multiplicar o valor abaixo pelo seu peso.

Acessulfame-K - limite 15 mg/kg
Aspartame - limite 40 mg/kg
Ciclamato - limite 11 mg/kg
Sucralose - limite 15 mg/kg
Sacarina - limite 5 mg/kg
Stévia - limite 5,5 mg/kg
Xylitol, Manitol, Sorbitol - limite 15 mg/kg

Dicas para o consumo

Evite ingerir um excesso de produtos diets (gelatina, pudins, refrigerantes, etc).

Dê preferência a sucos de frutas naturais com pouco ou nenhum açúcar ou mesmo doces contendo pouco açúcar.

Utilize os adoçantes para substituir o açúcar sempre com moderação.

Consuma vários tipos de adoçantes (rodízio), sempre os autorizados pela legislação. Se possível, utilizá-los combinados, já que assim, eles possuem maior doçura e por isso consegue-se reduzir a quantidade de uso (ex: ciclamato com aspartame; ciclamato com estévia).

Não use aspartame em alimentos quentes, pois além de haver uma perda da doçura, é possível que haja a formação de substâncias tóxicas.

O uso de qualquer adoçante dietético deve ser proibido às mulheres grávidas e lactantes. Para crianças obesas, use com muita moderação.

Todo excesso traz prejuízos à saúde. Assim, adoçantes dietéticos não fogem à regra e, portanto, devem ser consumidos com moderação.

A Drª Jocelem Salgado é autora dos livros: ‘Faça do Alimento o seu Medicamento’; ‘Pharmacia de Alimentos’; ‘Alimentos Inteligentes’ e ‘Guia dos Funcionais’ (publicado em 2009).

Fonte : Gazeta de Piracicaba
 

portaldiabetes

Leia outras matérias desta seção
 » Dieta Cetogênica
 » Manteiga Ghee
 » Coração x Café
 » Câncer x Café
 » Terapia anti-câncer CAR-T - USP
 » Própolis - USP-ESALQ
 » Cera de ouvido detecta câncer
 » HPN Hidrocefalia de pressão normal
 » Sal do Himalaia não é o que dizem
 » Insuficiência cardíaca: novo medicamento
 » Mirtilo (blueberries) baixa a pressão
 » Herpes genital
 » Demência: anticolinérgico aumenta o risco
 » Refrigerantes e Sucos x Câncer
 » Queimaduras o que fazer
 » Planos de Saúde:novas regras de portabilidade
 » Câncer de Mama: novo medicamento
 » Alimentos que aumentam 60% o risco de morte
 » Guia da Demência
 » Losartana pode causar câncer de pele


Voltar