» Colunas » Saúde

20/01/2011
Fatos e mitos sobre o diabetes

Noticias

Esclareça sua dúvida
________________________________________
11/1/2011 - Quero Viver Bem

1-Pessoas que consomem muito açúcar têm maior incidência de diabetes?
Não.O desenvolvimento do diabetes ocorre por várias causas, como: obesidade, histórico familiar, estilo de vida inadequado ou falência da produção de insulina (hormônio que permite a entrada do açúcar para o interior das células).

2-O mel pode ser usado como substituto do açúcar?
Não.O mel contém sacarose, além de outros tipos de açúcar (frutose e glicose), sendo desaconselhado o seu uso como substituto do açúcar.Em excesso o mel também engorda e descompenda o diabetes.

3-O diabético pode comer macarrão (massas em geral) ou pão fresco?
Sim.estes alimentos têm composição semelhante à do arroz e batata, portanto pode ser consumidos desde que em quantidade não excessivas, em refeições balanceadas complementadas com alimentos ricos em fibras como: verduras, frutas e legumes.

4-As carnes e os ovos não contém açúcar, logo, podem ser consumidos à vontade?
Não.carnes e ovos não contém açúcar, mas contém gorduras e proteínas que, em excesso, também alteram a glicemia, os níveis de colesterol e sobrecarregam o sistema cardiovascular dos diabéticos.

5-Os produtos dietéticos podem ser consumidos à vontade?
Não.Os produtos dietéticos (que contém menos açúcar) poder muito calóricos, como por exemplo, o chocolate dietético, que, mesmo contendo menos açúcar, são desaconselhados para que quer emagrecer, por causa da grande quantdade de gordura presente neste alimento.Por isso é importante ler sempre os rótulos dos produtos para verificar a sua composição.

6-O pão de glúten, integral, centeio, bolhachas de água e sal e as torradas podem ser consumidos à vontade?
Não.Como qualquer outro tipo de pão, eles contém amido, que se transformará em açúcar no sangue, não podendo ser usados à vontade.Podem ser consumidos de maneira moderada assim como o pão comum.

7-Os óleos vegetais (milho, soja e girassol) podem ser isentos de colestrerol, podem ser consumidos à vontade?
Não.Os óleos devem ser utilizados com moderação, mesmo sendo vegetais e sem colesterol.Seu excesso também engorda e compromete o controle do diabetes, bem como, dos triglicerídeos do sangue.

8-Bebidas amargas como a água tônica podem ser utilizadas por diabéticos?
Sim.Desde que seja a versão diet.Embora a água tônica seja amarga, apresenta açúcar em sua composição.

9-É verdade que tudo que nasce debaixo da terra (cenoura, beterraba, mandioca e batata) aumenta as taxas de açúcar no sangue, não sendo permitido o uso para quem tem diabetes?
Não.Essas raízes contêm amido que se transforma em açúcar (glicose) em nosso organismo.Mas isso não quer dizer que não possam ser usadas pelos diabéticos.A batata, a mandioca e mandioquinha podem ser usadas como substitutos do arroz, batata ou macarrão, pois sua capacidade de elevação da glicemia (índice glicêmico) é menor.

10- Plantas em forma de chá são eficazes no tratamento do diabetes?
O tratamento do diabetes é eficaz quando seguimos as recomendações médicas (uso de medicamentos ou não), alimentares e atividade física.Embora alguns chás possam contribuir para a redução da glicemia, sua eficácia no tratamento do diabetes não é cientificamente comprovada.
Fonte: Informativo Laboratório Medley



Leia outras matérias desta seção
 » Doenças transmitidas por animais
 » Canabidiol (maconha) ajuda na dor crônica
 » Idosos alguns cuidados para se manter vivo
 » Alisar cabelo - os perigos
 » O idoso e a demência
 » Coronavac 3ª dose porque tomar
 » Covid19 - Atualização
 » Coronavac x doenças autoimunes
 » Imunização contra covid está comprometida
 » O vírus de Marburg - mais um perigoso
 » Leishmaniose tem mecanismo desvendado
 » Nova abordagem para metástese
 » Quais as diferenças entre as vacinas
 » Coronavírus: A variante Indiana
 » Cárie infantil RX não é indicado
 » Vacinas quando tomar a 2ª dose
 » Vacinas: quanto tempo dura a proteção?
 » CoronaVac para além dos anticorpos
 » Vacinar 15% da população é
 » Coronavírus só a idade não é fator determinante


Voltar