» Colunas » Saúde

18/02/2011
Cientistas podem ter descoberto caminho para a cura do câncer

Cientistas podem ter descoberto caminho para a cura do câncer em vilarejo no Equador

Jaime Guevara-Aguirre e Valter Longo descobriram grupo de anões que têm resistência à doença e à diabetes
Redação ÉPOCA

Um estudo publicado hoje (17) na Science Translational Medicine, da revista especializada Science, mostra que alguns equatorianos que vivem em um vilarejo isolado podem ser imunes ao câncer e à diabetes. Isso pode colocar a medicina mais próxima do caminho para a cura dessas doenças. De acordo com a publicação, os estudos do médico endocrinologista equatoriano Jaime Guevara-Aguirre trazem novas informações sobre a possibilidade de se aumentar a longevidade humana.
Os equatorianos estudados compartilham, curiosamente, uma mesma condição genética rara, conhecida como Síndrome de Laron, ou nanismo tipo Laron, que causa insensibilidade aos hormônios do crescimento - fazendo com que todos os afetados sejam anões. Esse grupo foi encontrado por acaso pelo doutor Aguirre, e é formado, provavelmente, por descendentes dos “conversos” - judeus da região de Portugal e Espanha que teriam migrado para a América Latina durante o período da Inquisição após se converterem ao Catolicismo.
Durante 22 anos, Aguirre estudou o grupo, monitorando seus hábitos e, principalmente, observando a ocorrência de doenças como câncer, diabetes e problemas de coração. Nesse período, o endócrino constatou que enquanto a incidência de câncer era comum entre as pessoas do vilarejo que não tinham a síndrome, o mesmo não ocorria com os vilões que nasceram com o tipo Laron de nanismo. Mais curioso ainda: absolutamente nenhum deles desenvolveu diabetes.
“Eu descobri a população em 1987. Em 1994, notei que esses pacientes não estavam desenvolvendo nenhum tipo de câncer. As pessoas me disseram que eles eram muito poucos, e que era muito cedo para qualquer constatação, e, portanto, eu teria que esperar pelo menos 10 anos. Assim eu fiz”, disse Jaime Guevara-Aguirre em entrevista ao jornal The New York Times.
Aguirre recorreu então a um pesquisador em envelhecimento da Universidade do Sul da Califórnia, Valter Longo. Os dois se juntaram na pesquisa e descobriram que, muito provavelmente, o fato de os pacientes apresentarem baixos índices de hormônio de crescimento está associado à baixa incidência das doenças, uma vez que pacientes com a síndrome e pacientes sem ela vivem no mesmo ambiente e estão sujeitos às mesmas condições.
Estudos feitos por Longo em laboratório já haviam demonstrado que, em ratos e em fungos, a diminuição dos níveis de hormônio do crescimento tinham alguma ligação com maior longevidade. Os pesquisadores pegaram, então, amostras de células humanas cultivadas em laboratório e de plasma sanguíneo dos pacientes com a síndrome de Laron para a realização de testes mais precisos.
O HORMÔNIO DO CRESCIMENTO
Ele teria ligação com a baixa incidência do câncer e da diabetes.
Em um primeiro momento, os resultados mostraram que as células mergulhadas no plasma do sangue com síndrome tinham maior resistência a defeitos celulares. Quando colocadas soluções que deveriam destruir seu DNA, as células montavam uma espécie de autoproteção por causa do plasma. Em seguida, eles constataram que mesmo quando alguma célula acabava infectada e tinha o DNA alterado, ela acabava por se autodestruir antes que pudesse causar mal a qualquer outra.
“Nós achamos que talvez seja esse duplo sistema de proteção a razão para a baixíssima ocorrência de câncer nessa população”, escreveu Longo no artigo da Science Translational Medicine.
O grupo de pesquisadores também descobriu que os pacientes com nanismo tipo Laron possuíam nível maior de sensibilidade à insulina, o que explicaria o fato de, em 22 anos, nenhum paciente ter desenvolvido diabetes.
O estudo, feito com 99 pessoas, sugere que sejam pensados e criados novos remédios para conter e até mesmo diminuir ao menor nível possível a produção do Fator de Crescimento do Tipo Insulina-1 (IGF-1 em inglês) para que se comecem a fazer testes em pacientes com câncer. Hoje já há, no mercado, alguns remédios que bloqueiam esse hormônio para o tratamento da acromegalia, mas nenhum estudo foi feito com pacientes nem de câncer nem de diabetes.


Leia outras matérias desta seção
 » Ponte de Safena e stents não são melhores que medicamentos
 » Nova droga pode reverter Demência
 » Doença grave x Espiritualidade
 » Insônia
 » Stents-bypass ou medicamentos ?
 » Própolis verde
 » Exames de sangue para que servem
 » Exame de Urina tipo 1
 » Estatinas aumentam risco de osteoporose
 » Diabetes tipo 2 - protocolo oficial da SBD - 2019
 » Cocô ! Tratado Geral
 » Dieta Cetogênica
 » Manteiga Ghee como fazer
 » Coração x Café
 » Câncer x Café
 » Terapia anti-câncer CAR-T - USP
 » Própolis - USP-ESALQ
 » Cera de ouvido detecta câncer
 » HPN Hidrocefalia de pressão normal
 » Sal do Himalaia não é o que dizem


Voltar