» Colunas » Saúde

22/06/2011
Inverno pode pesar na balança

A queda da temperatura sempre traz aquela sensação de aumento de fome e a tentação de passar a tarde debaixo de uma coberta com uma xícara de chocolate é muito forte. Cuidado! A nutricionista Paula Cristina Augusto da Costa, do Centro de Diabetes da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), alerta que a idéia de que em tempos de frio o organismo precisa de alimentos mais calóricos do que o habitual não é verdadeira. Apesar do benefício no aquecimento do corpo, essa atitude pode, muitas vezes, trazer problemas imediatos ou futuros.

A nutricionista explica que, no inverno, o organismo gasta realmente mais energia para manter-se aquecido, mas adverte que não é necessário, para compensar, ingerir quantidade maior de alimentos calóricos, sejam eles carboidratos ou gorduras. Isso pode apenas levar a um expressivo ganho de peso, especialmente se não houver uma intensificação da prática de exercícios físicos.

O aumento de consumo energético no inverno não é tão grande que leve à necessidade de consumir mais alimentos ricos em gorduras ou carboidratos e pode ser suprido com a alimentação normal. Para saciar a fome, a simples ingestão de mais verduras e legumes, chás ou mesmo de doces feitos à base de frutas, é suficiente.

Ela lembra ainda que outras conseqüências do consumo exagerado de gorduras, menos imediatas que o ganho de peso, são os problemas cardíacos que podem surgir no futuro pelo acúmulo dessas gorduras no sangue. Se houver aumento de consumo de proteínas, as conseqüências podem ser as complicações renais.

Para o diabético, valem as mesmas orientações, com a ressalva de que, se consumir mais gorduras ou carboidratos, maior atenção deve ser tomada com o controle da glicemia. O aumento de ingestão de calorias em determinada refeição deve, também, vir acompanhado da busca de mais equilíbrio nas demais refeições do dia. Com esses cuidados, é possível apreciar os pratos típicos de inverno, tais como a fondue ou os chocolates - de preferência dietéticos - e até mesmo pratos tradicionais como a feijoada, que deve ser consumida com pouca quantidade de carne e ser acompanhada da laranja e couve manteiga.

Finalmente, Paula alerta para a necessidade de se beber muita água, mesmo no frio. "As pessoas lembram de beber água só no verão e não sabem que correm o risco de desidratar-se também no inverno se não tomarem o líquido em quantidade suficiente", afirma.

 


Diabetes

Leia outras matérias desta seção
 » Coronavírus :em nossas UTIs as mortes são altas
 » Melatonina uma muralha contra o covid19 no pulmão
 » Coronavírus: A nova variante mais contagiante
 » Coronavírus: Cientistas da USP fazem um panorama da situação
 » Alimentos que reduzem o colesterol e o triglicérides
 » Droga experimental pode reverter problemas na memória
 » Teste do covid19 pela saliva
 » Coronavírus: inflamassomas
 » O calor veio para ficar
 » Artrite reumatóide x hemopressina
 » Cirurgia combinada catarata mais buraco macular
 » Coronavírus o que temos hoje para combater
 » Própolis vermelha é anticancerígena
 » Catarata: proteína pode estar ligada a ela
 » Coronavírus: Vitamina D ajuda
 » Bactérias da Antartica contra o câncer
 » Corticóides contra o coronavírus
 » Zolgensma o absurdo de US$ 2 milhões
 » Com tratamento precoce risco de morte cai
 » Colchicina age contra o coronavírus


Voltar