» Colunas » Saúde

05/08/2011
Transplante renal, novo imunosupressor

Noticias

Transplantes
3/8/2011 - Fonte: Portal Diabetes  

Uma nova alternativa para o tratamento imunossupressor após o transplante renal está disponível no mercado e com a vantagem de não apresentar os efeitos colaterais graves. A Medical University of Vienna, na Áustria, estava envolvida no desenvolvimento clínico do ingrediente ativo Belatacept e uma formulação adequada recebeu agora autorização para ser utilizada em toda a União Europeia.

"Isso pode revolucionar o transplante renal e o tratamento", disse o diretor do departamento de cirurgia, Ferdinand Mühlbacher. Em vez de nove anos, um rim transplantado apoiado pelo uso de Belatacept pode durar 13 anos de acordo com estimativas conservadoras. "Eu estimo de 15 a 17 anos", disse Mühlbacher, um pouco mais otimista. Nove em cada 22 pacientes ainda estão envolvidos no estudo de longo prazo do cientista. Eles estão sendo tratados com a substância dez anos depois de um transplante. "As funções renais deles são excelentes", disse Mühlbacher.

A vantagem do bloqueador de co-estimulação Belatacept pode ser facilmente explicada, ele não tem quaisquer efeitos colaterais. Por quase 30 anos os inibidores de calcineurina têm sido utilizados para a suprimir ao longo da vida as reações indesejadas do sistema imunológico após transplantes de órgãos. Os possíveis efeitos colaterais como a pressão arterial elevada, o diabetes ou os distúrbios do metabolismo lipídico geralmente tinham de ser considerados. Mühlbacher disse que "agora temos uma substância que é proporcionalmente eficaz, não-tóxica, que não tem quaisquer efeitos colaterais, e que garante um melhor funcionamento dos órgãos". Com os transplantes há ainda um risco maior de câncer que, segundo Mühlbacher, é tão alto com o Betalacept quanto com os inibidores calcineurin.

Cerca de 420 transplantes são realizados no MedUni Viena a cada ano e 180 deles envolvem rins. "Nós não devemos, naturalmente, mudar agora todos os nossos pacientes para o novo medicamento, mas vamos considerar isto para os novos pacientes", disse Mühlbacher.



Leia outras matérias desta seção
 » Canabidiol (maconha) ajuda na dor crônica
 » Idosos alguns cuidados para se manter vivo
 » Alisar cabelo - os perigos
 » O idoso e a demência
 » Coronavac 3ª dose porque tomar
 » Covid19 - Atualização
 » Coronavac x doenças autoimunes
 » Imunização contra covid está comprometida
 » O vírus de Marburg - mais um perigoso
 » Leishmaniose tem mecanismo desvendado
 » Nova abordagem para metástese
 » Quais as diferenças entre as vacinas
 » Coronavírus: A variante Indiana
 » Cárie infantil RX não é indicado
 » Vacinas quando tomar a 2ª dose
 » Vacinas: quanto tempo dura a proteção?
 » CoronaVac para além dos anticorpos
 » Vacinar 15% da população é
 » Coronavírus só a idade não é fator determinante
 » Coronavírus: não existe mais grupos de risco


Voltar