» Colunas » Saúde

15/09/2011
Beber leite na adolescência previne diabetes tipo 2 na vida adulta.

Os pesquisadores analisaram os padrões alimentares de 37 mil adolescentes e adultos do sexo feminino, incluindo a ingestão diária de leite e derivados. De acordo com os cientistas, mulheres que tomavam mais leite quando adultas e consumiam mais derivados quando adolescentes (cerca de quatro porções por dia) tinham menor risco de desenvolver diabetes tipo 2 do que aquelas que não mantinham o hábito.

 
Os resultados mostraram que consumir leite e derivados diariamente está associado a um risco 43% mais baixo de desenvolver esse tipo de diabetes. Além disso, adolescentes que costumavam consumir leite e derivados tinham mais chances de manter o hábito saudável quando adultos e ganhar menos peso ao longo do tempo. A diferença média entre os que ingeriam ou não o alimento foi de quatro quilos. A descoberta também tem relação com o diabetes, uma vez que o excesso de peso aumenta as chances de ter a doença.

De acordo com dados do Ministério da Saúde, estima-se que 246 milhões de pessoas no mundo sejam portadoras do diabetes. No Brasil, aproximadamente 5,8% da população acima dos 18 anos apresenta a doença.

Inatividade aumenta riscos de desenvolver diabetes tipo 2
Outro estudo, publicado no Medicine & Science in Sports & Exercise, revelou que cessar ou reduzir atividades físicas regulares prejudica o controle glicêmico (controle dos níveis de açúcar no sangue), o que sugere que a inatividade pode desempenhar um papel fundamental no desenvolvimento de diabetes tipo 2. A análise foi liderada pela University of Missouri, nos Estados Unidos.
 
A experiência monitorou os níveis dos picos de glicose após as refeições de 12 jovens, com idade média de 30 anos, fisicamente ativos e saudáveis. Os participantes reduziram, então, a prática de exercícios em 50% durante três dias e não alteraram os hábitos alimentares.

Os indicadores dos níveis de glicose no sangue apontaram um aumento significativo de 37% trinta minutos após as refeições, 97% após 60 minutos e 33% após 90 minutos. Os picos de glicose depois das refeições são um dos fatores de risco de diabetes tipo 2 e de doenças cardiovasculares.

Segundo os pesquisadores, agora há evidências de que as atividades físicas cumprem um papel importante na manutenção dos níveis de glicose. Mesmo em curto prazo, reduzir a prática de exercícios diária ou cessá-la por completo pode

provocar alterações agudas associadas ao diabetes, que pode surgir antes mesmo do ganho de peso ou da obesidade.


UOL

Leia outras matérias desta seção
 » Melatonina uma muralha contra o covid19 no pulmão
 » Coronavírus: A nova variante mais contagiante
 » Coronavírus: Cientistas da USP fazem um panorama da situação
 » Alimentos que reduzem o colesterol e o triglicérides
 » Droga experimental pode reverter problemas na memória
 » Teste do covid19 pela saliva
 » Coronavírus: inflamassomas
 » O calor veio para ficar
 » Artrite reumatóide x hemopressina
 » Cirurgia combinada catarata mais buraco macular
 » Coronavírus o que temos hoje para combater
 » Própolis vermelha é anticancerígena
 » Catarata: proteína pode estar ligada a ela
 » Coronavírus: Vitamina D ajuda
 » Bactérias da Antartica contra o câncer
 » Corticóides contra o coronavírus
 » Zolgensma o absurdo de US$ 2 milhões
 » Com tratamento precoce risco de morte cai
 » Colchicina age contra o coronavírus
 » Tuberculose novos fármacos para o futuro


Voltar