» Colunas » Saúde

22/11/2011
Diabetes pode causar atrofiamento cerebral.

Muitas complicações derivadas da diabetes, como doenças de rim, problemas nos pés e de visão já são conhecidas. Falta ainda analisar corretamente os impactos da doença no cérebro.

Nos últimos cinco anos, uma equipe liderada pela professora de Medicina Vera Novak tem estudado os efeitos da diabetes na saúde cognitiva de idosos. Eles constataram que perda de memória, depressão e outros tipos de problemas são consequência da doença.

Agora, a equipe identificou o mecanismo principal por trás dos eventos. Eles afirmam que, em pacientes idosos com diabetes, duas moléculas – a sVCAM e a sICAM – causam inflamação no cérebro, gerando uma série de eventos que afetam os vasos sanguíneos e, eventualmente, estimulam o atrofiamento dos tecidos cerebrais.

Eles também descobriram que a massa cinzenta nas regiões frontais e temporais (responsáveis por funções essenciais como tomada de decisão, linguagem, memória verbal e tarefas complicadas) é a mais afetada.

“Em nosso trabalho, descobrimos que pacientes com diabetes tinham muito mais atrofia cerebral do que outros em um grupo controlado”, explica Novak. “De fato, com 65 anos, um cérebro de uma pessoa normal reduz cerca de 1% por ano, mas uma com diabetes pode ter perda de até 15%”.

A diabetes acontece quando a glicose deixa de entrar nas células para virar energia e passa a se acumular no sangue. Essa condição, chamada de hiperglicemia, geralmente causa inflamações. Novak pretendia descobrir se essas consequências causavam uma diminuição na irrigação sanguínea do cérebro.

Para testar a hipótese, a equipe recrutou 147 pessoas, com média de 65 anos. 71 tinham diabetes tipo 2, e tomavam medicamentos para controle por pelo menos 5 anos. Os outros 76 eram não diabéticos, da mesma média de idade e sexo.

Como previsto, os testes revelaram que pacientes diabéticos não apenas tinham apenas mais constrição sanguínea, como mais atrofia cerebral, particularmente da massa cinzenta. Também foi constatado que altos níveis de glicose no sangue estão associados com níveis maiores de moléculas relacionadas a processos inflamatórios.

O novo estudo, comenta Novak, oferece mais razões para os médicos e pacientes darem mais atenção ao controle e prevenção da diabetes.

“O declínio cognitivo afeta a habilidade pessoal de completar com sucesso tarefas diárias simples, como andar, conversar e escrever”, afirma a pesquisadora. “Atualmente, há 25,8 milhões de casos de diabetes tipo 2 só nos Estados Unidos, o que é mais do que 8% da população. E os efeitos no cérebro tem sido negligenciados”.[ScienceDaily]


Hypescience

Leia outras matérias desta seção
 » Artrite reumatóide x hemopressina
 » Cirurgia combinada catarata mais buraco macular
 » Coronavírus o que temos hoje para combater
 » Própolis vermelha é anticancerígena
 » Catarata: proteína pode estar ligada a ela
 » Coronavírus: Vitamina D ajuda
 » Bactérias da Antartica contra o câncer
 » Corticóides contra o coronavírus
 » Zolgensma o absurdo de US$ 2 milhões
 » Com tratamento precoce risco de morte cai
 » Colchicina age contra o coronavírus
 » Tuberculose novos fármacos para o futuro
 » Coronavírus: perda repentina do olfato
 » Coma Ovo.....ou não ?
 » Guaraná contra o diabetes tipo 2
 » Nova terapia para o mal de Parkinson
 » Coronavírus são seis tipos com sintomas diferentes
 » Coronavírus: teste pelo plano de saúde
 » A pandemia e a depressão em crianças
 » Coronavírus x tipo sanguineo


Voltar