» Colunas » Saúde

19/12/2011
Programas de verão pedem maior consumo de calorias.

Se você já está de mala (ou mochila) pronta, só esperando pelas últimas provas do ano ou pelas férias coletivas no trabalho, e já está sonhando com as aventuras que vai viver na praia ou na montanha neste verão, é bom colocar na bagagem as regras básicas de alimentação para não correr o risco de deixar para outro dia a escalada da montanha ou ter de adiar a caminhada por causa de uma hipoglicemia.

Antes de começarem as férias, é recomendável manter a alimentação normal, ou seja, bem equilibrada, com a ingestão de legumes, verduras, frutas, carnes magras, fragmentando a refeição de forma a ter intervalos curtos entre uma e outra.

Se a pessoa estiver seguindo uma dieta equilibrada, tudo o que tem a fazer quando começam as férias e, com elas, as atividades físicas mais acentuadas, é se preparar para um aumento de consumo de calorias nas refeições, explica a nutricionista Paula Cristina Augusto da Costa, do Centro de Diabetes da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Além de uma alimentação rica em carboidratos - com o uso de macarrão ou outro alimento como a batata, a mandioca ou o milho, por exemplo -, deve-se diminuir o intervalo entre as refeições. Se antes de aumentar a carga de exercícios físicos você fazia intervalos de três horas entre uma refeição e outra, deve agora diminuir esse intervalo para duas horas.

Paula lembra que é indispensável fazer o acompanhamento glicêmico quando se entra em período de maior atividade física. Além disso, se a pessoa já estiver bem treinada para fazer as mudanças sozinha, deve reduzir um pouco a dosagem de insulina. Mas o ideal, diz a nutricionista, é que antes desse período diferente do ano a pessoa busque a orientação do médico, para ir bem preparada para muito sol, lazer e exercícios.

Algumas dicas, porém, já podem ir sendo aprendidas: para os momentos em que está se exercitando, seja numa caminhada, seja em outro tipo de atividade, deve-se ter à mão algum alimento calórico para um "lanchinho", como um sanduíche - que pode ser feito com pão integral, queijo magro e tomate -, bolacha ou barra de cereais. Devem-se evitar alimentos gordurosos, que são de difícil digestão e podem deixar a pessoa lenta. Verduras, principalmente as folhas, embora sejam sempre liberadas, podem murchar facilmente durante o dia, mesmo bem armazenadas na mochila.

Também é possível levar consigo algumas frutas, para consumo a cada duas horas, nas caminhadas e passeios de um dia inteiro. Maçãs, pêras, goiabas, frutas cítricas são fáceis de carregar e dão bom aporte calórico nas horas de necessidade. As uvas não são muito apropriadas porque são fáceis de machucar e o abacate é muito gorduroso, lembra a nutricionista.

Se, apesar de estar bem preparado, você ainda assim passar por um episódio de hipoglicemia, pode lançar mão de uma pastilha de glicose ou algum outro alimento com açúcar, conclui Paula


Diabetes.

Leia outras matérias desta seção
 » Nova droga pode reverter Demência
 » Doença grave x Espiritualidade
 » Insônia
 » Stents-bypass ou medicamentos ?
 » Própolis verde
 » Exames de sangue para que servem
 » Exame de Urina tipo 1
 » Estatinas aumentam risco de osteoporose
 » Diabetes tipo 2 - protocolo oficial da SBD - 2019
 » Cocô ! Tratado Geral
 » Dieta Cetogênica
 » Manteiga Ghee como fazer
 » Coração x Café
 » Câncer x Café
 » Terapia anti-câncer CAR-T - USP
 » Própolis - USP-ESALQ
 » Cera de ouvido detecta câncer
 » HPN Hidrocefalia de pressão normal
 » Sal do Himalaia não é o que dizem
 » Insuficiência cardíaca: novo medicamento


Voltar