» Colunas » Saúde

23/05/2012
Diabetes tipo 2 - critérios de diagnóstico e dicas de alimentação.

Definição de Diabetes Tipo 2 (DM2) segundo a Sociedade Brasileira de diabetes (SBD):

É também chamado de diabetes não insulinodependente ou diabetes do adulto e corresponde a 90% dos casos de diabetes. Ocorre geralmente em pessoas obesas com mais de 40 anos de idade embora na atualidade se vê com maior frequencia em jovens , em virtude de maus hábitos alimentares, sedentarismo e stress da vida urbana. Neste tipo de diabetes encontra-se a presença de insulina porém sua ação é dificultada pela obesidade, o que é conhecido como resistência insulínica, uma das causas de hiperglicemia. Por ser pouco sintomática o diabetes na maioria das vezes permanece por muitos anos sem diagnóstico e sem tratamento o que favorece a ocorrência de suas complicações no coração e no cérebro.

Aqui você fica informado sobre quais são os critérios diagnósticos da Associação Americana de Diabetes e endossados pela SBD.

Normal: glicemia de jejum entre 70 mg/dl e 99mg/dl e inferior a 140mg/dl 2 horas após sobrecarga de glicose.

Intolerância à glicose: glicemia de jejum entre 100 a 125mg/dl.

Diabetes: 2 amostras colhidas em dias diferentes com resultado igual ou acima de 126mg/dl. ou quando a glicemia aleatória (feita a qualquer hora) estiver igual ou acima de 200mg/dl na presença de sintomas.
Teste de tolerância à glicose aos 120 minutos igual ou acima de 200mg/dl.

Portadores de diabetes devem tomar bastante cuidado com a alimentação para evitar problemas como consequência de doença descontrolada. Caso as pessoas não respeitem as orientações dietéticas problemas como por exemplo, cegueira, gangrena, hipertensão arterial e nefropatias podem ocorrer.

· Adoçantes: deve-se aprender a saborear o sabor do alimento e não o sabor adocicado em todo e qualquer alimento, por isso, nada de adoçante em excesso. Sugiro sempre ler o rótulo dos adoçantes e preferir os adoçantes que contenham os seguintes componentes: sacarina, aspartame, acessulfatame-K e sucralose. Podendo variar sempre entre eles. O adoçante tem que ser colocado no alimento em gotas, de acordo com a recomendação, e não em jatos. Ao escolher o adoçante também é muito importante escolher o que tem menor teor de sódio para evitar elevação da pressão arterial.


· Fibra: o consumo de fibras é muito importante para evitar picos de níveis de glicose e tem efeito benéfico com relação ao nível de gordura sanguíneo, além de auxiliar o bom funcionamento do intestino (juntamente com o consumo diário de água). Fontes de fibras: grãos integrais (aveia, centeio, cevada), frutas (sempre que possível com casca e laranja com bagaço), legumes (de preferência crus como, por exemplo, cenoura ralada), folhosos como diversos tipos de alface, agrião, rúcula, etc. à vontade.

· Sódio: sempre ler rótulos de produtos e preferir os que têm menor quantidade de sódio. Evitar caldos de carne, molhos prontos e refrigerantes, pois normalmente contém um alto teor de sódio. Sempre preferir temperos naturais para preparar alimentos (cebola, alho, salsa, ervas em geral) e diminuir a quantidade de sal acrescentada aos alimentos. Segue link com exemplo de mix de ervas que substitui o sal: http://cybercook.terra.com.br/mix-de-ervas---substituto-do-sal-na-comunidade.html?codigo=102025

· Álcool: quantidades nunca superiores a 2 doses/dia para homens e 1 dose para mulheres. Uma dose é equivalente a 336ml de cerveja, 140ml de vinho ou 42ml de bebida destilada. Como o consumo de álcool pode causar hipoglicemia em pacientes que fazem tratamento com insulina ou medicamentos orais, recomendo que diabéticos quando tomar bebida alcoólica (não mais do que a dose recomendada), o fazer juntamente com o consumo de alimentos. Mas é importante saber que não é recomendado o consumo de bebidas alcoólicas pelos diabéticos portadores de pancreatite ou com níveis alterados de colesterol ou triglicerídeos e por diabéticos com doenças renais.

· Sempre monitorar a glicemia. Em casos de hipoglicemia (<70mg/dL) ingerir 15 gramas de carboidrato, esperar 15 minutos e testar novamente.

· Dislipidemias: tentar controlar os níveis de colesterol e triglicerídeos tendo sempre uma alimentação saudável, com frutas (tentar consumir frutas com farelo de aveia para evitar picos altos de glicose) e verduras (preferencialmente cruas). É importante saber que as frutas também podem contribuir para aumentar a glicemia, especialmente sucos (mesmo os naturais). Por isso não devem ser consumidas em exagero. Procure um profissional para saber quanto e quando você deve consumir para não elevar muito a glicemia, cada pessoa é um caso, por isso não posso falar a quantidade exata aqui.

· Fazer atividade física regularmente ajuda muito a controlar de maneira mais eficaz os níveis de glicemia e colabora também para diminuir dos níveis de gordura no sangue.

 

 

 

 


Alimentação e Nutrição.

Leia outras matérias desta seção
 » Coronavírus :em nossas UTIs as mortes são altas
 » Melatonina uma muralha contra o covid19 no pulmão
 » Coronavírus: A nova variante mais contagiante
 » Coronavírus: Cientistas da USP fazem um panorama da situação
 » Alimentos que reduzem o colesterol e o triglicérides
 » Droga experimental pode reverter problemas na memória
 » Teste do covid19 pela saliva
 » Coronavírus: inflamassomas
 » O calor veio para ficar
 » Artrite reumatóide x hemopressina
 » Cirurgia combinada catarata mais buraco macular
 » Coronavírus o que temos hoje para combater
 » Própolis vermelha é anticancerígena
 » Catarata: proteína pode estar ligada a ela
 » Coronavírus: Vitamina D ajuda
 » Bactérias da Antartica contra o câncer
 » Corticóides contra o coronavírus
 » Zolgensma o absurdo de US$ 2 milhões
 » Com tratamento precoce risco de morte cai
 » Colchicina age contra o coronavírus


Voltar