» Colunas » Saúde

28/05/2012
- Droga para diabetes pode ser aprovada como tratamento contra ... Victoza (liraglutide): Novo remédio para emagrecer.

Há uma epidemia de obesidade pelo mundo, com meio bilhão de pessoas consideradas obesas. E, no mundo todo, não tem país com mais gente obesa que os Estados Unidos, onde 37,5% dos adultos, ou mais de 78 milhões de pessoas, é considerada obesa. No Brasil, a porcentagem de obesos é de 13,9% dos adultos, aproximadamente 15 milhões de pessoas.

Neste cenário, surge o liraglutide, uma droga para o tratamento da diabetes tipo 2, e que tem efeito emagrecedor, que segundo alguns relatos ajuda a eliminar 7 quilos em média, chegando a até 15 quilos, em até cinco meses.

De olho neste novo uso, o fabricante dinamarquês Nova Nordisk, também o maior produtor mundial de insulina, iniciou estudos em 2009 para aprovar o medicamento como tratamento para obesidade junto ao FDA (órgão regulador de medicamentos nos EUA).

Agora que o teste entra na fase três, aumentam as especulações sobre se ele será aprovado como tratamento contra obesidade. Uma pesquisa com 10 analistas apontam 43% de chances de aprovação.

Destes 10 analistas, cinco são de bancos internacionais dando uma probabilidade de 32%, enquanto os outros cinco analistas são de bancos dinamarqueses, e que dão uma probabilidade de 55% de aprovação.

Se o otimismo dinamarquês se confirmar, o Victoza (nome comercial do luraglutide) será o primeiro medicamento aprovado pelo FDA para tratamento de obesidade desde 1999.

A diabetes tipo 2 é causada por uma deficiência relativa de insulina, aumento da glicose sanguínea, e resistência à insulina, e pode causar falência renal, problemas cardíacos e cegueira, além de ter a obesidade como uma das consequências.

O Victoza estimula a produção de insulina pelo pâncreas, e diminui o glucagon. Além disso, ele também dá uma sensação de saciedade. A aplicação é em uma injeção semelhante à de insulina, preferencialmente no abdômen.

Só que o liraglutide tem efeitos colaterais: notadamente dores de cabeça, vômitos, náuseas e diarreias, em alguns casos bem sérias, principalmente pelo fato que a dosagem para emagrecer é normalmente o dobro da dosagem para controle do diabetes (3 mg, contra 0,6 mg até 1,8 mg). Além disso, uma caixa do medicamento custa a bagatela de R$ 370,00, durando entre 10 e 30 dias, dependendo da dosagem.

Finalmente, um aviso aos leitores: não se automediquem. Se querem experimentar a droga, aguardem a aprovação da mesma como emagrecedor (existem as suspeitas que o medicamento cause câncer no pâncreas), e procurem um médico. Não tentem consultas médicas em fóruns e páginas da internet. Enquanto isto, adotem uma dieta saudável e pratiquem exercícios


Hypescience.

Leia outras matérias desta seção
 » Reumatismo e seus vários tipos
 » Colesterol alto x coronavírus
 » Coronavírus:Imunidade cruzada
 » Coronavírus: Porque os Diabéticos correm mais risco
 » Canabidiol desenvolvido na USP chega às farmácias
 » Espinheira santa
 » Coronavírus: Pneumonia silenciosa
 » Coronavírus: Ar condicionado pode espalhar
 » Fakes sobre o coronavírus
 » Coronavírus: Doenças crônicas
 » Alcool gel exige cuidados
 » Coronavírus e o Oxímetro
 » Coronavírus: Uso do anticoagulante heparina
 » A batata Yacon e o diabetes
 » Coronavírus não é pior que as outras pandemias
 » Coronavírus: Remdesivir - antiviral
 » Coronavírus: veja a posição da sua Cidade no ranking de mortes
 » Anita contra o coronavírus
 » Coronavírus: visão geral
 » Coronavírus: Mais um medicamento parece que funciona


Voltar