» Colunas » Saúde

28/09/2012
Como identificar falsos nódulos de tireóide ?

A corrida pela busca de nódulos da tireoide aumentou bastante nos últimos anos, já que a tecnologia viabilizou equipamentos capazes de mostrar lesões menores, antes inacessíveis. Em contraposição ao considerável ganho de qualidade das imagens, a evolução tecnológica também resultou em problemas atípicos, como o descobrimento de falsos nódulos e a exagerada importância dada a eles.

“É importante aprofundar o assunto e deixar claro para a população o que é preocupante em um nódulo tireoidiano. Em primeiro lugar, observamos sua natureza. Se o nódulo for sólido, aumenta ainda mais a sua celularidade – que se refere à quantidade e à qualidade das células presentes na medula óssea. Mas uma só característica é insuficiente para predizer o risco de malignidade. Então, levamos em consideração a ecogenicidade – capacidade do tecido ou órgão deixar passar as ondas do ultrassom. Os nódulos hipoecogênicos têm maior celularidade. Ou seja, quanto mais hipoecogênico for o nódulo, maior será o risco de ele ser maligno”, diz Osmar Saito, médico radiologista, em São Paulo.

Saito afirma que contornos irregulares ou com projeções radiais também apontam pior prognóstico da lesão. “Apesar de haver opiniões divergentes em relação ao tamanho, o consenso é de que nódulos maiores do que um centímetro deverão ser investigados. Em geral, os menores dificilmente são malignos. Mas, como para toda regra existe uma exceção, se os nódulos menores do que um centímetro são sólidos, hipoecogênicos e têm contornos irregulares, deverão ser submetidos a uma punção aspirativa por agulha fina (PAAF)”.

Com relação às calcificações, o radiologista explica: “Nódulos com microcalcificações menores do que dois milímetros são altamente suspeitos. Já as macrocalcificações estão relacionadas a nódulos benignos. Caso haja a calcificação total do nódulo, o risco de malignidade será ainda menor”.

Como identificar um tumor maligno da tireoide?

De acordo com Osmar Saito, o ultrassom com doppler da tireoide vem sendo bastante utilizado no estudo dos nódulos. Mas, como nem toda clínica conta com profissionais bem preparados e treinados para a precisa interpretação das imagens, muitas vezes o exame acaba não ajudando muito no diagnóstico.

Na opinião do radiologista, o encontro de vasos centrais, principalmente quando ocorrem de forma exclusiva, aumenta o risco de a lesão ser maligna. “Somente o mapeamento em cores não basta. Para identificar o risco, vale a regra do conjunto das características morfológicas do nódulo”.

Serviço:
www.cdb.com.br


Sentir Bem

Leia outras matérias desta seção
 » Ponte de Safena e stents não são melhores que medicamentos
 » Nova droga pode reverter Demência
 » Doença grave x Espiritualidade
 » Insônia
 » Stents-bypass ou medicamentos ?
 » Própolis verde
 » Exames de sangue para que servem
 » Exame de Urina tipo 1
 » Estatinas aumentam risco de osteoporose
 » Diabetes tipo 2 - protocolo oficial da SBD - 2019
 » Cocô ! Tratado Geral
 » Dieta Cetogênica
 » Manteiga Ghee como fazer
 » Coração x Café
 » Câncer x Café
 » Terapia anti-câncer CAR-T - USP
 » Própolis - USP-ESALQ
 » Cera de ouvido detecta câncer
 » HPN Hidrocefalia de pressão normal
 » Sal do Himalaia não é o que dizem


Voltar