» Colunas » Saúde

11/06/2014
Alzheimer: Proteína reverte danos

A última pesquisa da “seleção” da Universidade de Tel Aviv representa um ‘gol de placa’ – no jargão futebolístico brasileiro – na profilaxia e recuperação de pessoas de idade vitimadas por demências senis tais como a doença de Alzheimer, conseguindo até reverter seus danos cerebrais observados antes do novo tratamento.


O novo método envolve uma proteína semelhante à que protege o cérebro de lesões e danos, mas que, no entanto, está ausente nos pacientes com doença de Alzheimer.

Ainda não se sabe, com todos os detalhes, o que causa a doença de Alzheimer, mas as condições físicas que levam ao desenvolvimento dessa neuropatologia demencial da senilidade estão muito claras para os cientistas, ou seja, o acúmulo de placas e novelos neuronais que matam as células cerebrais nas pessoas que sofrem dessa doença, levando a pessoa à degeneração da função cognitiva e perda de memória progressiva até um grau que se torna incompatível com a manutenção da vida. 

Partindo do conhecimento dessa proteína protetora, a equipe da Prof. Illana Gozes, “matou a bola no peito, fez uma série de tabelinha brilhantes e, de bicicleta, marcou um gol de placa”, decisivo para vencer o jogo contra o time da Alzheimer...

Um dos objetivos mais importantes nessa “partida decisiva” tem sido o de estabelecer modos de proteger os neurônios cerebrais das placa e neurofibrilas que formam minúsculos novelos que destroem a função neuronal. Num estudo publicado na edição de maio do  <http://www.j-alz.com/vol40-supp1> Jornal da Doença de Alzheimer, a Prof. Illana Gozes, da Universidade de Tel Aviv, descreve como a NAP, um fragmento de uma proteína essencial para a formação neuronal do cérebro, tem evidenciado em estudos prévios a sua ação protetora do tecido cerebral. A perda de NAP expõe os neurônios ao dano físico resultante do comprometimento de suas funções, principalmente as cognitivas e de equilíbrio, que eventualmente os destrói, e como a aplicação de proteínas semelhantes à NAP que estão sendo sintetizadas na UTA impedem que esses danos progridam e até recuperam as suas funções celulares. E tais proteínas foram descobertas por Gozes e sua equipe. “A pesquisa”, disse ela, “pode eventualmente levar ao desenvolvimento de novas drogas que possam curar ou controlar de modo satisfatório os efeitos da doença de Alzheimer e de outras demências senis”.


Net. Leia com cautela

Leia outras matérias desta seção
 » Coronavirus - novas notícias
 » Perda de Ossos:droga promissora
 » Cuide do seu coração
 » Hanseníase (Leprae) em alta
 » Câncer: mais uma esperança
 » Bactéria da gonorreia está mais resistente
 » Água viva - Caravela portuguesa podem matar
 » Aspirina, AAS novos estudos
 » Viciados em videogames-Coletânea
 » Ponte de Safena e stents não são melhores que medicamentos
 » Nova droga pode reverter Demência
 » Doença grave x Espiritualidade
 » Insônia
 » Stents-bypass ou medicamentos ?
 » Própolis verde
 » Exames de sangue para que servem
 » Exame de Urina tipo 1
 » Estatinas aumentam risco de osteoporose
 » Diabetes tipo 2 - protocolo oficial da SBD - 2019
 » Cocô ! Tratado Geral


Voltar