» Colunas » Saúde

13/06/2014
AVC: proteínas de carnes não vermelha protegem contra derrame

Doenças cardiovasculares
Dieta rica em proteína pode reduzir o risco de AVC

Segundo revisão de estudos, comer 20 gramas de proteína por dia reduz o risco de derrame em 20%

Peixe: proteína de origem animal protege contra o derrame (Ablestock.com/ Thinkstock)

​​Pessoas que se alimentam de dietas ricas em proteína, sobretudo oriunda de peixes, podem ter menos risco de sofrer um acidente vascular cerebral (AVC) do que aquelas que ingerem menos proteína regularmente. A revelação é de uma revisão de estudos publicada nesta quarta-feira no periódico Neurology, da Associação Americana de Neurologia.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Quantitative analysis of dietary protein intake and stroke risk

Onde foi divulgada: periódico Neurology

Quem fez: Zhizhong Zhang, Gelin Xu, Fang Yang, Wusheng Zhu e Xinfeng Liu

Instituição: Universidade de Nanjing, na China

Resultado: ​​Pessoas que comem 20 gramas de proteína por dia têm 20% menos risco de sofrer um acidente vascular cerebral do que aquelas que ingerem quantidades inferiores
Pesquisadores revisaram sete pesquisas com 254.489 pessoas, acompanhadas por catorze anos, em média. Eles concluíram que ingerir 20 gramas de proteína por dia — presente em um filé de frango pequeno, por exemplo — reduz em 20% a probabilidade de sofrer um derrame. Para cada 20 gramas diários extras, o risco de AVC caía em 26%.

"Estudos maiores precisam ser feitos para estabelecer a recomendação definitiva, mas a evidência (de 20 gramas) é convincente", afirma Xinfeng Liu, professor da Escola de Medicina da Universidade de Nanjing, na China, e autor do estudo.

Carne vermelha ou peixe — Liu afirma que a revisão não incentiva o consumo da carne vermelha, que já foi associada a um maior risco de AVC. Dois dos sete estudos analisados foram feitos no Japão, onde as pessoas ingerem, em comparação com ocidentais, menos carne vermelha e mais peixe, cuja carne é relacionada à redução da incidência de derrame. "A pesquisa indica que o risco de AVC pode ser reduzido ao substituir a carne vermelha por outras fontes de proteína, como peixe", diz Liu.

Segundo o estudo, a ingestão de proteínas de origem animal, mais do que vegetal, protege contra o derrame. "O nutriente reduz a pressão arterial e, consequentemente, o risco de derrame", afirma o professor.

Como evitar o derrame

Controlar a hipertensão

A hipertensão é a principal desencadeadora do AVC, isquêmico ou hemorrágico. Ela pode causar lesões nas paredes internas das artérias, tornando-as menos elásticas e mais predispostas a entupimento e endurecimento. "O tratamento da hipertensão, feito por meio de medicamentos, dieta e prática de atividade física, diminui em 90% o risco de um derrame em hipertensos", afirma Adriana Conforto, neurologista chefe do Grupo de Doenças Cerebrovasculares do Hospital das Clínicas, em São Paulo. Segundo ela, um estudo feito no Hospital das Clínicas de São Paulo mostrou que 80,5% dos pacientes admitidos por AVC isquêmico no pronto-socorro apresentavam antecedente de hipertensão arterial


http://veja.abril.com.br

Leia outras matérias desta seção
 » Coronavírus o que temos hoje para combater
 » Própolis vermelha é anticancerígena
 » Catarata: proteína pode estar ligada a ela
 » Coronavírus: Vitamina D ajuda
 » Bactérias da Antartica contra o câncer
 » Corticóides contra o coronavírus
 » Zolgensma o absurdo de US$ 2 milhões
 » Com tratamento precoce risco de morte cai
 » Colchicina age contra o coronavírus
 » Tuberculose novos fármacos para o futuro
 » Coronavírus: perda repentina do olfato
 » Coma Ovo.....ou não ?
 » Guaraná contra o diabetes tipo 2
 » Nova terapia para o mal de Parkinson
 » Coronavírus são seis tipos com sintomas diferentes
 » Coronavírus: teste pelo plano de saúde
 » A pandemia e a depressão em crianças
 » Coronavírus x tipo sanguineo
 » Pomada para feridas diabéticas
 » Coronavírus:Omega 3 x Covid19


Voltar