» Colunas » Saúde

09/06/2015
Alzheimer: tipo sanguíneo O ajuda contra a doença

Pessoas com sangue do tipo O estão mais protegidas contra o Alzheimer

Um estudo realizado por pesquisadores ingleses mostrou que o tipo sanguíneo influencia no desenvolvimento da doença.

A deterioração das funções cerebrais apresentada pelos pacientes de Alzheimer dá-se pela destruição dos neurônios e suas conexões Pessoas com tipo sanguíneo O têm mais matéria cinzenta no cérebro, principalmente nas partes do cérebro que são afetadas inicialmente pelo Alzheimer, em comparação com indivíduos com tipos de sangue A, B e AB(Thinkstock/VEJA)

Uma pesquisa publicada recentemente no periódico científico The Brain Research Bulletin mostrou que o tipo sanguíneo pode influenciar o risco de desenvolvimento de doenças cognitivas, como Alzheimer.

O estudo, realizado por pesquisadores da Universidade de Sheffield, na Inglaterra, revela que pessoas com tipo sanguíneo O têm mais massa cinzenta (tecido que forma parte do cérebro), em comparação com aquelas do tipo A, B e AB. E, quanto maior o volume dessa matéria, maior é a proteção do corpo contra doenças como o Alzheimer.


Site da Revista Exame

Leia outras matérias desta seção
 » Vacinação: Perguntas e Respostas
 » Coronavírus :em nossas UTIs as mortes são altas
 » Melatonina uma muralha contra o covid19 no pulmão
 » Coronavírus: A nova variante mais contagiante
 » Coronavírus: Cientistas da USP fazem um panorama da situação
 » Alimentos que reduzem o colesterol e o triglicérides
 » Droga experimental pode reverter problemas na memória
 » Teste do covid19 pela saliva
 » Coronavírus: inflamassomas
 » O calor veio para ficar
 » Artrite reumatóide x hemopressina
 » Cirurgia combinada catarata mais buraco macular
 » Coronavírus o que temos hoje para combater
 » Própolis vermelha é anticancerígena
 » Catarata: proteína pode estar ligada a ela
 » Coronavírus: Vitamina D ajuda
 » Bactérias da Antartica contra o câncer
 » Corticóides contra o coronavírus
 » Zolgensma o absurdo de US$ 2 milhões
 » Com tratamento precoce risco de morte cai


Voltar