» Colunas » Saúde

10/06/2015
Castanha do Pará combate o envelhecimento

O consumo de uma castanha-do-pará diariamente ajuda a prevenir o envelhecimento das células do cérebro e manter ativas as capacidades de memória, planejamento e articulação da fala. A melhora se deve ao alto índice de selênio no alimento, que, ao ser absorvido pelas células, combate os radicais livres, moléculas responsáveis pelo envelhecimento das células.

 


As conclusões fazem parte de um estudo realizado pela nutricionista Bárbara Rita Cardoso, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP (Universidade de São Paulo). Durante seis meses, ela avaliou 20 pacientes diagnosticados com comprometimento cognitivo leve, ou seja, com uma perda de atividade cerebral leve. Acompanhada de um psicólogo que aplicou testes para avaliar o desempenho cognitivo dos pacientes, ela relacionou o aumento do nível de selênio com a melhoria das capacidades cerebrais.

 

"No cérebro, quando as células 'envelhecem', acabam por ter suas funções prejudicadas e ficam mais vulneráveis à morte celular", explica a nutricionista. O processo está intimamente relacionado com a degeneração dos neurônios e pode levar ao desenvolvimento do Alzheimer. Para retardar o envelhecimento, Bárbara escolheu estudar os efeitos da castanha, alimento já conhecido por armazenar uma grande quantidade de selênio.

 

Com essa pesquisa, a nutricionista venceu o Prêmio Jovem Cientista do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), anunciado em 22 de maio. A premiação será realizada em junho.

 

Agora, a pesquisadora dá continuidade aos estudos na Universidade de Melbourne, na Austrália. O projeto acompanha mil participantes com idade mínima de 60 anos para identificar fatores de risco relacionados ao Alzheimer. O projeto avalia os participantes a cada um ano e meio e é realizado há oito anos. O desafio de Bárbara agora é realizar testes para relacionar a falta de selênio com o Alzheimer.

 

Segue dica de receita com castanha-de-cajú para diabéticos

Bolo de abacaxi e castanha-de-caju
Rendimento: 12 porções

Ingredientes
3 xícaras (chá) de abacaxi cortado em cubos
1/2 xícara (chá) de adoçante dietético em pó, próprio para forno e fogão
4 claras
2 gemas
1/4 de xícara (chá) de óleo de canola
1 xícara (chá) de farinha de trigo integral
1 xícara (chá) de farinha de trigo
50 g de castanha-de-caju bem picadas (xerém)
1 colher (sopa) de fermento em pó
Para salpicar
2 colheres (sopa) de castanha-de-caju triturada
2 colheres (sopa) de leite em pó desnatado
1 colher (sopa) de adoçante dietético em pó, próprio para forno e fogão


Preparo
 Coloque o abacaxi e o adoçante em uma panela e leve ao fogo por cerca de 10 minutos ou até amaciar e formar caldo. Reserve. Bata as claras em neve e reserve. Na batedeira misture as gemas e o óleo e acrescente alternadamente o abacaxi e as farinhas de trigo e integral. Retire e adicione a castanha-de-caju, as claras em neve e o fermento. Coloque em uma forma de bolo média, com furo no meio, untada com margarina e enfarinhada. Leve ao forno médio (180 ºC), preaquecido, por cerca de 40 minutos. Retire o bolo, espere esfriar e desenforme. Misture a castanha triturada, o leite em pó e o adoçante e salpique o bolo.


Informações nutricionais
1 Porção = 1 Fatia
50 g
Calorias  195
Proteínas  5,5 g
Gorduras totais  7 g
Carboidratos 27,2 g
Fibras 2,1 g
Sódio 127 mg
Gorduras saturadas  0,3 g
Colesterol 32 mg

 

 

 



Leia outras matérias desta seção
 » Dieta Cetogênica
 » Manteiga Ghee
 » Coração x Café
 » Câncer x Café
 » Terapia anti-câncer CAR-T - USP
 » Própolis - USP-ESALQ
 » Cera de ouvido detecta câncer
 » HPN Hidrocefalia de pressão normal
 » Sal do Himalaia não é o que dizem
 » Insuficiência cardíaca: novo medicamento
 » Mirtilo (blueberries) baixa a pressão
 » Herpes genital
 » Demência: anticolinérgico aumenta o risco
 » Refrigerantes e Sucos x Câncer
 » Queimaduras o que fazer
 » Planos de Saúde:novas regras de portabilidade
 » Câncer de Mama: novo medicamento
 » Alimentos que aumentam 60% o risco de morte
 » Guia da Demência
 » Losartana pode causar câncer de pele


Voltar