» Colunas » Saúde

09/04/05
Mau humor pode ser doença

Pessoas que estão sempre irritadas e que não sentem prazer em nada podem ter distimia, uma depressão leve.

Irritação constante, mau humor crônico, rabugice eterna. Mais do que traços de personalidade, as características podem ser sinais de uma doença – e grave, que precisa de tratamento. Aquela pessoa que está sempre desinteressada, que freqüenta os lugares sem sentir prazer e recebe os bons acontecimentos apontando neles algum problema pode sofrer de distimia, um distúrbio mental classificado como depressão leve. Porém, ao contrário do depressivo tradicional, que sente dificuldades em realizar as tarefas cotidianas, é acometido por uma grande tristeza e um desânimo profundo, o distímico leva a vida. Estuda, trabalha, casa, vai a festas, tem filhos e amigos – só que faz tudo isso mal-humorado e irritado, sem sentir prazer. Para quem sofre do problema a culpa está sempre no mundo ao redor. Há uma justificativa para o mau humor: o tempo bom, o tempo ruim, o trânsito devagar, as ruas vazias, o trabalho em excesso, a monotonia no trabalho, o barulho o silêncio. Não importa o que seja, ele encontra nos outros e nos acontecimentos cotidianos uma justificativa para seu estado constante de irritação. E se diferencia das pessoas comuns por essa mesma característica. Enquanto todas as pessoas ficam eventualmente mal-humoradas diante de algum acontecimento, o distímico fica constantemente assim. Ele não diferencia situações que provocam a reação, pois em todas sua resposta é igual. Se alguém ganhar na loteria, vai ficar feliz no mesmo momento. Já o distímico encontrará uma razão para se chatear com o fato.

Prevalência Feminina

Classificada a partir dos anos 80 como uma doença, a distimia acomete cerca de 5% da população, segundo estimativas. No entanto, sua ocorrência pode ser maior, uma vez que muitas pessoas passam a vida inteira sem saber que tiveram o problema. “É comum que nos consultórios apareçam mais pessoas com depressão, porque os sintomas são mais fortes”, diz o médico Miguel Jorge, chefe da disciplina de Psiquiatria Clínica da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). “Mas, se fizermos um levantamento, veremos que haverá mais gente com distimia. É muito comum que as pessoas achem que são mal-humoradas. Não sabem que têm uma doença”. Mas não é porque os sintomas são mais leves que a doença é menos grave. Além de ter prejuízos na vida social, os distímicos correm 30% mais riscos de sofrer depressão e dependência de drogas. “Muitos distímicos percebem que se sentem melhor e seu humor fica diferente quando usam álcool ou outras drogas. Daí para a dependência é um pulo, porque ele vai querer sentir aquela sensação, que não consegue vivenciar sozinho, outras vezes”, explica o psiquiatra Antônio Egídio Nardi, da Universidade Federal do Rio de Janeiros (UFRJ) e um dos autores do livro Distimia – Do Mau Humor (Editora Artmed, 112 págs., R$ 33,00). Ele aponta também para outro risco relacionado com a doença: as tentativas de suicídio. “É um grupo de risco, porque com freqüência eles podem ter idéias suicidas”. Mas, para não assustar quem está num dia ruim, o psiquiatra esclarece: para ser diagnosticado como distímico, a pessoa precisa ter mau humor constante e falta de prazer por pelo menos dois anos. Segundo médicos, é muito difícil apontar a origem do problema. Ele pode aparecer na infância, na adolescência, em adultos jovens ou idosos, sendo mais comum o surgimento na transição da adolescência para a vida adulta. Também ocorre mais em mulheres do que em homens, em uma proporção de 2 para 1. A explicação está no fato de as mulheres terem sua química cerebral alterada todos os meses por causa da menstruação e da variação hormonal. Sabe-se que a doença é provocada por um desequilíbrio nessa química cerebral, mais precisamente na transmissão de duas substâncias responsáveis pelo nosso humor e pela sensação de bem-estar: a serotonina e a noradrenalina. Nos distímicos, ao contrário das outras pessoas, há uma falha na transmissão dessas substâncias. Para isso, existem influências genéticas, ou seja, há famílias com mais predisposição e mais ocorrência da doença do que outras, fatores traumáticos, como seqüestros e relações tumultuadas na infância, diz o psiquiatra Rubens Pitliuk.

Garota Enxaqueca

O tratamento é feito com antidepressivos, que regulam a serotonina e a noradrenalina, e sessões de terapia cognitivo-comportamental, para ensiná-los a enxergar os vários pontos de vista possíveis em uma situação. Na maioria das vezes, por não acreditar que estão com algum problema, os pacientes são encaminhados por parentes e amigos bastante insistentes. “Eles não gostam de tomar remédio. Mas após um ou dois meses de tratamento já estão muito melhores. Dizem que a vida ficou mais colorida e melhor”, explica Pitliuk. Foi o que aconteceu com a estudante Tatiana Ribeiro, de 26 anos, que descobriu que tinha distimia há pouco mais de um mês. Ela se viu praticamente obrigada a procurar ajuda médica depois que o chefe do escritório onde é estagiária deu o ultimato: ela iria para o olho da rua se não deixasse de ser tão explosiva com as pessoas. “Eu me irritava muito facilmente, por qualquer coisa, em qualquer momento. Mas achava que isso fazia parte da minha personalidade”, conta Tatiana, que acabou ganhando apelidos como “garota enxaqueca” e “a nervosinha”. Era comum ver a estudante aos berros com os outros estagiários e até com os advogados. “Eu agredia mesmo”, conta. As pessoas começaram a se afastar. O chefe logo percebeu o problema. No começo, Tatiana até que conseguiu se segurar, mas em questão de dias a velha irritação voltou. Ela procurou um psiquiatra e descobriu que o que parecia ser seu gênio forte era, na realidade, uma doença. “Se eu fiquei horrorizada? Pelo contrário. Fiquei muito feliz. Se é parte da minha personalidade, não vou conseguir mudar. Se é uma doença, então existe cura. Meu problema tinha tratamento.” No mês passado, Tatiana começou a tomar antidepressivos e a se consultar com um psicólogo. Ela diz que não sente mais vontade de brigar à toa. “O pessoal no trabalho até estranhou. ‘Tão calma... Você está ficando doente?’, perguntam. Eu respondo que é o oposto, que eu estou curando a minha doença. Agora me sinto muito mais leve, mais tranqüila. Vivo bem melhor”.

Os sintomas da distimia

- Irritação: Esse é o sintoma mais comum da distimia. O doente fica tão irritado que chega a ser agressivo com as pessoas ao redor. - Desânimo: A pessoas perde o interesse pelas coisas e a vontade de agir. Fica triste. - Pessimismo: O doente é tomado por pensamentos negativos e não consegue ser otimista. Por causa disso, as pessoas tendem a se afastar dele. Há casos em que a pessoa tem idéias recorrentes de morte de suicídio. - Queda na produtividade: Quem sofre de distimia não vai bem no trabalho. Tem dificuldade de concentração e se cansa com mais facilidade. Por isso, é menos criativo. - Distúrbios Alimentares: O doente passa a comer mais. Embora seja menos comum, há casos de perda de apetite. - Distúrbio no sono: A pessoa tem sonolência excessiva e se sente mais lenta. Também pode haver insônia. Qualquer que seja o sintoma, a distimia acaba afetando o desempenho do doente no trabalho. - Isolamento: Para não se desentender e brigar com quem está ao seu redor, já que para isso basta o motivo mais bobo, a pessoa tende a falar menos e a evitar o contato com outras pessoas.

Problema ocorre também entre as crianças

Atenção: Crianças também pode ser distímica. E é preciso ficar atento ao que pode indicar o problema. Se ela começar a apresentar sinais inesperados para a idade, se muda de repente em relação aos colegas de classe, fica menos comunicativa do que o normal, muito agressiva e irritada, pode estar com distimia. “Mudanças inesperadas no comportamento típico da idade e pensamentos relacionados à morte podem indicar que a criança está com o problema”, diz o psiquiatra Ricardo Moreno, coordenador do grupo de Doenças Afetivas do instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas.

O Estado de São Paulo

Leia outras matérias desta seção
 » Dieta Cetogênica
 » Manteiga Ghee
 » Coração x Café
 » Câncer x Café
 » Terapia anti-câncer CAR-T - USP
 » Própolis - USP-ESALQ
 » Cera de ouvido detecta câncer
 » HPN Hidrocefalia de pressão normal
 » Sal do Himalaia não é o que dizem
 » Insuficiência cardíaca: novo medicamento
 » Mirtilo (blueberries) baixa a pressão
 » Herpes genital
 » Demência: anticolinérgico aumenta o risco
 » Refrigerantes e Sucos x Câncer
 » Queimaduras o que fazer
 » Planos de Saúde:novas regras de portabilidade
 » Câncer de Mama: novo medicamento
 » Alimentos que aumentam 60% o risco de morte
 » Guia da Demência
 » Losartana pode causar câncer de pele


Voltar