08/05/2012
Estação de trem

Guardo tão boas lembranças das estações de trem do interior, que resolvi prestar-lhes uma homenagem antes que acabem de vez.

Há pelo menos quarenta anos, viajar de trem era algo rotineiro, devido serem os carros e jardineiras - parenta próxima do moderno ônibus - poucos e desconfortáveis, além da existência de poucas estradas asfaltadas.  Em seus vagões, bem cuidados, existiam educação, e disciplina entre os usuários. Respeitava-se o patrimônio público, muito diferente do que assistimos hoje em dia.

Nos trens de passageiros existiam duas classes: luxo ou vagão Pullman com poltronas macias forradas em couro e a classe popular, menos sofisticada - mas nem por isso mal cuidado. Na minha cidade, um bom programa era ver o trem das nove horas da noite passar. Era lá que a molecada com suas bicicletas se aglomerava.

            Quando o sinaleiro da estação mostrava luz verde, o trem estava a poucos minutos de chegar.  Postados na plataforma rente aos trilhos ficávamos nós, para sentir o ventinho provocado pelo seu deslocamento. Aquele cheiro da frenagem - rodas de aço sobre os trilhos, era para mim, um verdadeiro perfume.

Impressionante ver o maquinista apanhar o Staff,- um arco de aço forrado com couro - na mão do chefe da estação, num golpe certeiro. Claro que com o trem em velocidade. Confesso que até hoje não sei para que servia este acessório, mas imagino tratar-se de um código de trânsito entre eles. Muitas vezes torci para o maquinista errar o bote, mas isso nunca aconteceu.

Ficávamos boquiabertos ao ver os “ricos” comendo, bebendo, fumando charutos, cachimbos e conversando alegremente nos vagões restaurantes. A iluminação suave, a toalha de linho nas mesas e um vaso de metal contendo rosas artificiais davam um toque especial e refinado no ambiente. Os passageiros eram elegantes e bem vestidos, afinal somente quem tinha “posse” viajava neste tipo de vagão.

 A estação se transformava numa praça de grandes acontecimentos e emoções. Um verdadeiro formigueiro. Gente alegre vindo para matar a saudade, outros chorando de emoção ao voltarem ao velho pago entre abraços, beijos e acenos das despedidas.

Lembro-me que numa dessas vezes, enquanto eu admirava uma elegante senhora jantando com seu marido, delicadamente ela abriu a janela e me ofereceu uma maçã - que delícia! Foi a primeira vez que provei desta fruta, e sinto um gostinho de estação de trem, até hoje, todas as vezes que as saboreio.

A minha maior emoção foi retornar á estação, após trinta dias de internação num hospital. Foi um prazer indescritível ver a charrete do meu velho pai esperando-me no estacionamento, debaixo de um florido flamboyant. Nunca me esqueço, desse final de novembro. “Quando o trem parar na estação, sentirei no coração, a alegria de voltar. Quero encontrar a sorrir para mim, o meu amor na estação a me esperar”.

Alguns dos meus primos fizeram questão de aguardar a minha chegada, tamanha era a saudade e o laço de carinho que nos unia. Foi gratificante vê-los correndo felizes atrás da charrete até nosso destino - o sítio. Quanta pureza na alma! “Nersão”, você foi para mim, exemplo de amizade e solidariedade que carregarei para sempre.

 Velha estação, palco do saudosismo e do tempo que passou, quando a vejo abandonada e depredada mal posso acreditar em seu apogeu de outrora.  

Em qualquer outro país um monumento como este, seria preservado e se tornaria um importante ponto turístico, mas no Brasil temos o defeito de não valorizarmos marcos que fizeram parte da história.

E VIVA A ESTAÇÃO DE TREM!

[email protected].com.br

 


Osvaldo Piccinin

Leia outras matérias desta seção
 » Situações indesejáveis .
 » A lição do pato .
 » Maldita ganância
 » Tonico e Tinoco Inesquecíveis
 » Maria Fumaça
 » REI ROBERTO CARLOS
 » Um navio de saudade
 » No escurinho do cinema
 » Tributo á primavera
 » Serenata do adeus
 » Que belíssimo exemplo
 » Papai noel esqueceu de mim
 » O domador de burro xucro
 » Nerso meu primo sabido
 » Mané cebola
 » Jabuticabeiras centenárias
 » Exame de próstata
 » Dor da saudade
 » Clima de velório
 » Bar do trinta
 » Atílio barbeiro
 » Alegria de pobre
 » Velho meu querido velho
 » Torrador de café
 » Rugas do tempo
 » Quando floresce o flamboyant
 » Paiol de milho
 » O dia em que saí de casa .
 » Na soleira da porta
 » Maldita ganância
 » Inveja do morto
 » Estrada boiadeira
 » Dito sorveteiro
 » Casamento na roça
 » Banho de rio
 » Atendimento preferencial
 » Álbum de fotografia
 » Velha porteira
 » Titão sapateiro
 » Rica infância
 » Poeira do laço
 » Padre Frederico
 » No silêncio
 » Mula formosa
 » Lobo
 » Histórias de meu avô
 » Estilingue
 » Dia de finados .
 » Carro de boi !!!!
 » Banho de bacia !!!
 » Assassinos do parque .
 » A espingarda que meu pai me deu ...
 » Usina Tamoio ....
 » Telefonando para o céu
 » Relógio cuco
 » Peão de rodeio
 » O vício de fumar
 » Meu primeiro emprego- Parte 2
 » Lamparina à querosene
 » Fogão de lenha
 » Estação de trem
 » De médico e louco , todo mundo tem um pouco !!!!
 » Cadeira de balanço.
 » Avenida São João
 » Ando devagar pq já tive pressa ....
 » A canção que prometi
 » Situações indesejáveis ...
 » Raízes da terra
 » Parque Pedro Pedrossian
 » O primeiro emprego - Parte 1
 » Ninho vazio
 » Maria alemoa
 » Lacuna de saudade - Luiz Henrique Anelo
 » Fibra de peão
 » Engenho de pinga ...
 » Culpa do viagra
 » Caçada de onça .
 » A varanda da fazenda limão doce !!!!!
 » A morte como ela é ....
 » A angústia da espera ....

Voltar