» Colunas » Saúde

22/08/2008
Halitose

O curioso em relação ao mau hálito é que os portadores não conseguem perceber o odor desagradável que exalam. São os outros que notam e ficam constrangidos em avisar – “olha, teu hálito não está legal”. Às vezes, nem toda a intimidade do mundo justifica uma atitude como essa e o problema não são enfrentados como deveria. O cheiro está tão ligado às emoções e hálito desagradável pode provocar repulsa e afastamento, muitas vezes, irreversível. Casais podem relevar desencontros, vencer diferenças de personalidade e das formas de enxergar a vida, podem até esquecer os maus passos dados por um deles, mas é muito difícil que consigam superar a inconveniência do mau hálito de um dos parceiros.
Na grande maioria dos casos, o mau hálito, ou halitose, tem origem na própria língua, um órgão muscular revestido por papilas. Essas papilas possuem terminações nervosas que, estimuladas por determinadas moléculas, conduzem informação ao cérebro a fim de reconhecer o gosto das coisas. Na parte posterior da língua, sobram espaços entre as papilas e se formam pequenas criptas. Neles se acumulam alimentos e restos de células que descamam do epitélio lingual. Esses resíduos funcionam como meio de cultura para as bactérias que, quando fermentam, liberam substâncias ricas em enxofre, e é o cheiro de enxofre que provoca o mau hálito.
Existem algumas estratégias para descobrir a incidência de halitose. Uma das formas mais simples é perguntar para uma criança que, geralmente, é mais sincera e espontânea. O provável é que ela fale a verdade se o problema existir. Pode-se também usar meios mais sofisticados como o medidor de halitose. Existe ainda uma espécie de disque-denúncia. Sem se identificar, você liga e indica um portador de halitose para tratamento. Basicamente é isso. Se existe uma pessoa próxima portadora de halitose e você não tem coragem de falar-lhe – “Olhe, você está com um odor desagradável na boca; vá procurar atendimento.” -, você pode entrar em contato pelo telefone (11) 3045.2704 e conversarão com o paciente.
Elas acabam se interessando, especialmente quando são portadoras de halitose crônica porque descobrem que existe uma série de envolvimentos sociais e afetivos relacionados ao problema.
Na Associação Brasileira de Estudos de Odores da Boca, também há um disque-denúncia à disposição. Normalmente, quando a pessoa fica sabendo que tem mau hálito, procura tratamento.


Dr. Ronaldo Prata de Lima Barbosa /Drauzio Varella - drauziovarella.ig.com.br

Leia outras matérias desta seção
 » Aterosclerose e seus fatores de risco
 » Vacina em crianças
 » Câncer de tireoide em mulheres, superdiagnosticadas?
 » Leuclopasia oral
 » Melatonina
 » Covid19 - O pesadelo vai continuar em 2022 ?
 » Vacina: A importância da 3ª dose
 » USP isola variante do ômicron
 » Alzheimer x Viagra (sildenafil)
 » Um copo de água a cada refeição?
 » Ômicron o novo pesadelo
 » Semaglutida para emagrecer compensa ?
 » Inflamação sistêmica
 » Corticoide x escorpião amarelo
 » Antibióticos x bactérias resistentes
 » Aditivos químicos nos alimentos
 » Dedos de covid
 » Carambola uma fruta neurotóxica
 » Cardíacos e Idosos muita cautela em tomar Aspirina
 » Doenças transmitidas por animais


Voltar