» Colunas » Saúde

29/08/2008
Anvisa recomenda não dar mel para crianças com menos de um ano

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou que os pais não dêem mel para seus filhos com menos de um ano de idade. A preocupação é com o botulismo, doença potencialmente fatal causada por bactérias. O mel caseiro, embalado sem controle adequado, muitas vezes abriga os microrganismos -- estudos mostraram a presença deles em cerca de 5% do mel brasileiro.

A bactéria Clostridium botulinum é uma ameaça principalmente para os bebês novinhos, cuja flora intestinal (o conjunto de micróbios do intestino) ainda não está totalmente formada. Sem microrganismos para competir com o vilão microscópico, ele pode se multiplicar de forma descontrolada quando ingerido, levando ao botulismo. Se não for tratada logo, a doença pode até matar, dificultando os movimentos respiratórios e exigindo até o uso de um respirador artificial, além de uma longa recuperação.

Os registros do problema por aqui são raros. Mas nos Estados Unidos, só no ano passado, foram notificados 100 casos. A orientação da Anvisa é para prevenir o surgimento da doença.

Os produtores de mel também dizem não recomendar o uso do alimento antes de um ano de idade. Segundo eles, é importante procurar mel que leva o selo oficial de qualidade.


G1, com informações do Jornal Hoje

Leia outras matérias desta seção
 » Doenças transmitidas por animais
 » Canabidiol (maconha) ajuda na dor crônica
 » Idosos alguns cuidados para se manter vivo
 » Alisar cabelo - os perigos
 » O idoso e a demência
 » Coronavac 3ª dose porque tomar
 » Covid19 - Atualização
 » Coronavac x doenças autoimunes
 » Imunização contra covid está comprometida
 » O vírus de Marburg - mais um perigoso
 » Leishmaniose tem mecanismo desvendado
 » Nova abordagem para metástese
 » Quais as diferenças entre as vacinas
 » Coronavírus: A variante Indiana
 » Cárie infantil RX não é indicado
 » Vacinas quando tomar a 2ª dose
 » Vacinas: quanto tempo dura a proteção?
 » CoronaVac para além dos anticorpos
 » Vacinar 15% da população é
 » Coronavírus só a idade não é fator determinante


Voltar