» Colunas » Saúde

20/11/2009
Insulina em goma de mascar

Noticias

Futuro
20/11/2009 -

Pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, estão desenvolvendo uma goma de mascar que permite que a insulina seja tomada oralmente e depois absorvida pela corrente sanguínea. A insulina, substância ligada à quebra de moléculas de açúcar que tem pouca ou nenhuma produção em pessoas com diabetes, não pode ser ingerida porque não sobrevive à viagem pelo sistema digestivo humano.

A sensível substância é destruída pelo ácido presente no estômago e pelas enzimas do intestino. Agora, Tejal Desai e sua equipe estão desenvolvendo instrumentos para proteger a insulina, colocando uma cápsula para proteger o medicamento até que ele chegue à corrente sanguínea.

As cápsulas são tão pequenas que podem sem engolidas sem que o paciente perceba, e são cobertas com uma superfície que se gruda nas paredes do sistema digestivo e liberam a insulina lentamente. Atualmente, a novidade está em fase de aperfeiçoamento, para melhorar a sua adesão e a quantidade de insulina liberada.

A médica está atualmente testando as cápsulas para verificar a sua segurança para o uso em humanos. De acordo com Desai, a técnica poderá ser utilizada para a entrega de outras substâncias, como medicamentos antiinflamatórios e hormônios.

portaldiabetes

Leia outras matérias desta seção
 » Carambola uma fruta neurotóxica
 » Cardíacos e Idosos muita cautela em tomar Aspirina
 » Doenças transmitidas por animais
 » Canabidiol (maconha) ajuda na dor crônica
 » Idosos alguns cuidados para se manter vivo
 » Alisar cabelo - os perigos
 » O idoso e a demência
 » Coronavac 3ª dose porque tomar
 » Covid19 - Atualização
 » Coronavac x doenças autoimunes
 » Imunização contra covid está comprometida
 » O vírus de Marburg - mais um perigoso
 » Leishmaniose tem mecanismo desvendado
 » Nova abordagem para metástese
 » Quais as diferenças entre as vacinas
 » Coronavírus: A variante Indiana
 » Cárie infantil RX não é indicado
 » Vacinas quando tomar a 2ª dose
 » Vacinas: quanto tempo dura a proteção?
 » CoronaVac para além dos anticorpos


Voltar